SALVAÇÃO

A fim de ganhar aceitação ainda maior que o primeiro ECT (“Evangelicals and Catholics Together: The Christian Mission in the Third Millenium”, “Evangélicos e Católicos Juntos: A Missão Cristã no Terceiro Milênio”, assinado em 29 de março de 1994 nos EUA), dezenove líderes evangélicos – dentre os quais alguns bastante respeitados e conhecidos – e quinze líderes católicos [americanos] assinaram há algum tempo o ECT2. E esse documento dá a entender que os evangélicos e católicos [nos EUA] concordam quanto ao Evangelho.

O alcance do documento

Por um lado, o documento tem pouco significado. Em primeiro lugar, os quinze signatários católicos não representam nem sua igreja, nem seus 1 bilhão de membros. Há uma gama de crenças bem ampla. Muitos dos sacerdotes, freiras e proeminentes teólogos católicos estão mergulhados em todas as heresias da Nova Era, da ciência mental ao hinduísmo e budismo.

Em segundo lugar, o ensino oficial da igreja de Roma (que reivindica ser infalível e, portanto, não pode se arrepender de seus erros), e a prática diária dos católicos (que esperam de sua igreja a salvação, seja lá como ela a defina e ofereça) continuam inatingidos pelo ECT2 e tão longe quanto sempre estiveram do Evangelho bíblico.

Em terceiro lugar, o próprio documento admite que permanecem muitas “questões interrelacionadas, que requerem exploração mais profunda e urgente”. Elas incluem, entre outras: “o significado da regeneração batismal [um católico “nasce de novo” no batismo infantil e não há salvação sem o batismo]; a Eucaristia [Cristo está sendo perpetuamente imolado nos altares católicos como um sacrifício contínuo pelo pecado, negando assim a eficácia do Seu sacrifício feito de uma vez por todas na cruz], e a graça sacramental [“os méritos e graças” que Cristo obteve na cruz são “conferidos contínua e gradativamente” através dos sacramentos, ou seja, a salvação é um processo contínuo em lugar de um fato consumado]; os usos históricos da linguagem da justificação no que diz respeito à justiça imputada e transformadora [o católico precisa adquirir justiça suficiente para merecer o céu e está sempre em perigo de perdê-la, rejeitando, portanto, a verdade de que Deus “justifica o ímpio com base nos méritos de Cristo (Rm 4.5)]; um entendimento diferente sobre mérito, recompensa [para o católico a salvação é alcançada por obras]; purgatório [além do sacrifício de Cristo na cruz, é preciso sofrer pessoalmente pelo pecado para poder ser purificado para o céu], e indulgências [uma pessoa pode sofrer por outros, e o uso de uma medalha ou escapulário, o rezar “Ave Marias”, ou uma missa rezada em honra dos mortos, podem reduzir o sofrimento no purgatório]; a devoção a Maria e a assistência dos santos na vida da salvação…” Cada um dos pontos acima citados nega a própria unidade professada pelo ECT2!

Preparação para o anticristo

Por outro lado, o documento é um valoroso subsídio a Satanás em sua preparação do mundo e de uma igreja falsa para o anticristo. Dá aparência de concordância, quando, na verdade, ela não existe. O ECT2 cria comprometimento ao fingir que as questões que separam evangélicos e católicos não são graves, quando, na verdade, elas demarcam os limites de céu e inferno. Típica das contradições inerentes nesse documento é a afirmação: “nós nos comprometemos a evangelizar a todos… os evangélicos precisam pregar o Evangelho aos católicos e os católicos aos evangélicos… esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz’…” Se os evangélicos e católicos estão ambos salvos e unidos no Espírito, então o que significa “evangelizar”?

Um acordo com os “judaizantes”?

Os judaizantes da epístola escrita aos gálatas poderiam ter assinado um documento semelhante. Aliás, o deles teria uma lista bem menor de questões que “requerem exploração mais profunda e urgente”: [somente] a relação da Lei com a salvação. Os judaizantes afirmavam que Cristo morreu pelos nossos pecados, mas acrescentavam que, para ser salva, a pessoa precisava ser “circuncidada, e observar a lei” (At 15.1,5,24). Em lugar de assinar um acordo com os judaizantes, como se a heresia deles fosse simplesmente algo para “exploração mais profunda”, Paulo os amaldiçoou por pregarem outro evangelho (Gl 1.6-8). Mas o ECT2 faz parecer que os assuntos sobre os quais divergimos são irrelevantes. O ECT2 é um documento ainda mais enganoso que seu antecessor!

O Evangelho salvador

Paulo afirmou que “o Evangelho de Cristo… é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1.16). Ele também o chamou de “o evangelho… [que] por ele também sois salvos” (1 Co 15.1-2); e “o evangelho da vossa salvação” (Ef 1.13). Estes e outros versículos mostram cristalinamente que a salvação vem somente através do crer no Evangelho. Cristo ordenou a Seus discípulos: “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho” (Mc 16.15), o Evangelho que a Bíblia define com precisão.

Salvação ou religião

A salvação nada tem a ver com a igreja, seja ela evangélica ou católica. Ela vem através do “evangelho eterno” (Ap 14.6), “o evangelho de Deus” (Rm 1.1; 15.15, 2 Co 11.7; 1 Ts 2.2, 8, 9; 1 Tm 1.11; 1 Pe 4.17). A salvação vem por termos estabelecidos por Deus e pela graça dEle, e nós não podemos negociar esse Evangelho nem com Deus e nem com quem quer que seja. “O Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo” (1 Jo 4.14). A Salvação é obra de Deus e de Seu Filho. Ou nós cremos nela ou a rejeitamos. Nós não “dialogamos” a seu respeito.

Ela também é chamada de “evangelho de Jesus Cristo” (Mc 1.1; Rm 1.16; 15.19; 1 Co 9.12, 18; 2 Co 4.4; 9.13; 10.14; Gl 1.7; Fl 1.27; 1 Ts 3.2, 2 Ts 1.8). Ele é o Salvador, e a salvação é obra dEle, e não nossa, como os anjos declararam: “É que hoje vos nasceu na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.11). Paulo especifica que o Evangelho salva: “…que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1 Co 15.3-4). “Eu sou a porta”, declarou Jesus Cristo: “se alguém entrar por mim, será salvo” (Jo 10.9).

O Evangelho nada contém acerca de batismo, boas obras, membresia ou freqüência à igreja, dar o dízimo, os sacramentos ou rituais, um tipo específico de alimentação ou vestimenta. Se adicionarmos qualquer coisa ao Evangelho, nós o perverteremos e, portanto, estaremos debaixo do anátema de Paulo em Gálatas 1.8-9!

Fé ou obras

O Evangelho diz, totalmente, respeito ao que Cristo já fez. Ele nada diz a respeito do que Cristo ainda precisa fazer, porque a obra de nossa redenção está acabada, consumada: “Cristo morreu pelos nossos pecados”. Ele não continua morrendo, como o catolicismo defende. Jesus declarou triunfantemente: “Está consumado” (Jo 19.30)! E o Evangelho também não diz nada a respeito do que nós devamos fazer, porque nós nada podemos fazer: “Não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou” (Tt 3.5); “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé… é dom de Deus… não [vem] de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8-9).

Em lugar de obras, o Evangelho requer fé. É o poder de Deus para a salvação daqueles que crêem. “Mas ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica ao ímpio, a sua lhe é atribuída como justiça” (Rm 4.5). “…para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

Certeza da salvação

Não poderíamos tornar a posição da igreja católica mais clara do que citando o cardeal O’Connor, de Nova Iorque: “O ensinamento da igreja é que eu não sei, em momento algum, qual será meu estado eterno. Eu posso esperar, rezar, fazer o melhor possível – mas eu ainda não sei. O papa João Paulo II não sabe com certeza se vai para o céu, e nem a madre Teresa de Calcutá…” (“The New York Times”, 1 de fevereiro de 1990, Caderno 4). E o católico comum também não sabe, porque a sua igreja lhe ensinou que ele não pode saber se é salvo. O dogma oficial do catolicismo não poderia ser modificado, não importa quantos ECTs fossem assinados – mesmo que pelo próprio papa.

Cristo afirma: “Eu lhes dou [a minhas ovelhas] a vida eterna; jamais perecerão” (Jo 10.28). O catolicismo rejeita essa oferta e, em lugar dela, oferece prestações contínuas de graça rumo à vida eterna através do sacerdócio e dos sacramentos da igreja, através do uso de escapulários, da obtenção de indulgências, de rezar Ave Marias e de rezar aos santos. Tal caminho para o céu torna Cristo um mentiroso.

O Evangelho é uma espada de dois gumes. Ele declara: “Quem crê no Filho tem a vida eterna”. O mesmo versículo declara que “o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (Jo 3.36). É neste ponto que chegamos à porção do Evangelho que é mais difícil de ser aceita: que aqueles que não crêem estão eternamente perdidos – não importa quais boas obras possam fazer.

O amor e a justiça de Deus

As razões para esse fato estão alicerçadas tanto no amor de Deus quanto na Sua justiça. Deus nos ama a ponto de nos corrigir e de permanecer firme no que diz. Tristemente, muitos pais confundem amor com sentimentalismo e não levam a sério o que dizem, e assim, criam filhos desobedientes. “Se você fizer isso de novo, vai apanhar [ou outro tipo de ameaça]”, diz a mamãe. Aí a criança repete o que fez e nada acontece. Então, o que a mamãe diz não significa nada. Mas Deus leva a sério o que diz, ou seja, Suas palavras significam exatamente o que Ele diz.

A justiça de Deus requer que a infinita penalidade pelo pecado seja paga. E esse pagamento faria com que estivéssemos eternamente separados de Deus; por isso Ele se tornou homem através do nascimento virginal, para pagar a penalidade pelo pecado. Ninguém pode reclamar de Deus. Ele provou o amor dEle, fazendo tudo que estava ao Seu alcance para a nossa salvação. Ele Próprio pagou a penalidade e por causa disso pode ser tanto “justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus” (Rm 3.26).

Cristo suplicou no Jardim Getsêmani: “se possível [ou seja, se houver outra forma da humanidade ser salva], passe de mim este cálice” (Mt 26.39). Nós sabemos que não há outra forma, caso contrário Deus não teria requerido de Seu Filho amado que arcasse com toda a intensidade da ira de Deus contra o pecado. O fato de homens crucificarem a Jesus só haveria de nos condenar. Mas na cruz, quando o ser humano estava fazendo o que de pior poderia fazer ao seu Criador, Cristo pagou a penalidade total por nossos pecados.

“Como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação” (Hb 2.3)? Não há escape por não haver outro caminho para sermos salvos! Somente ao aceitarmos esse pagamento feito em nosso favor é que podemos ser salvos. “Porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (At 4.12); “que devo fazer para que seja salvo?… Crê no Senhor Jesus e serás salvo” (At 16.30-31).

“Crer no Senhor Jesus Cristo” inclui quem Ele é e o que Ele fez. Jesus disse: “…vós sois cá de baixo, eu sou lá de cima… porque, se não credes que EU SOU [Esse é o nome de Deus, Yaweh], morrereis nos vossos pecados” (Jo 8.23-24). O próprio Jesus disse que nós precisamos crer que Ele é Deus, pois Ele o é; e ninguém menos do que Deus poderia nos salvar. Precisamos crer que Aquele que não teve pecado “morreu pelos nossos pecados”, e foi sepultado; e que Ele ressuscitou corporeamente do túmulo. É só por crermos nesse Evangelho que somos salvos. É assim que afirma a Palavra de Deus.

O sangue de Cristo só tem eficácia para pecadores arrependidos

Por que nem mesmo uma madre Teresa conseguiria chegar aos céus pelas suas próprias boas obras? Porque todos somos pecadores; e porque, uma vez tendo violado um só dos mandamentos de Deus, somos “culpados de todos” (Tg 2.10); e “ninguém será justificado diante dele por obras da lei” (Rm 3.20). Guardar a lei perfeitamente daqui em diante, jamais poderia ser compensação por já havermos violado a mesma lei.

Se Deus outorgasse salvação por qualquer outro meio que não a fé em Cristo exclusivamente, isso seria um insulto para Aquele que o Pai insistiu ter que agüentar a ira dEle como sacrifício pelo pecado. Além do mais, Deus estaria violando seu próprio código de justiça, e estaria indo contra Sua própria Palavra. Não, nem mesmo o próprio Deus poderia salvar o “santo” mais notável de todos. O sangue de Cristo só tem eficácia para pecadores arrependidos.

O Evangelho comprometido por evangélicos proeminentes

Ao expressar nestas páginas nossa preocupação por tantas heresias, procuramos nos limitar àquelas que causam impacto ao Evangelho e à salvação de almas. Foi só porque os apóstolos em Jerusalém “não procediam corretamente segundo a verdade do evangelho que Paulo os repreendeu (Gl 2.14). É com tristeza que vemos, em nossos dias, o Evangelho sendo desafiado e comprometido por evangélicos proeminentes! Sim, líderes evangélicos que pregam o Evangelho também o comprometem. No dia 21 de janeiro de 1997, Larry King entrevistou Billy Graham em seu programa:

King: O que o senhor acha de outras [igrejas]… como o mormonismo? O catolicismo? Outras fés dentro do conceito do cristianismo?

Graham: Eu creio que tenho uma maravilhosa comunhão com todos eles. Por exemplo…

King: O senhor se sente à vontade com Salt Lake City [sede mundial do mormonismo]? Sente-se à vontade com o Vaticano?

Graham: Sinto-me muito à vontade com o Vaticano. Já estive com o papa várias vezes. Aliás, na noite – no dia em que ele foi feito papa, eu estava pregando na catedral dele em Cracóvia (Polônia). Fui convidado por ele… quando ele esteve aqui… em Columbia, Carolina do Sul (EUA)… ele me convidou para subir ao palco com ele e também falar ao público. Eu diria uma frase e ele a próxima… mas [não pude] eu estava a mais da metade do caminho rumo à China…

King: O senhor gosta desse papa?

Graham: Eu gosto muito dele… Ele e eu concordamos em quase tudo.

King: O senhor… se sente à vontade com o judaísmo?

Graham: Muito à vontade… Em Nova Iorque, já me convidaram para participar do Concílio Rabínico… para falar a eles e ao rabino Tannenbaum, que é um grande amigo… ele me deu muitos conselhos, e eu dependo dele constantemente, teológica e espiritualmente, e em todos os sentidos…

King: Se o senhor tivesse 30 segundos durante o intervalo do “Super Bowl” [final do campeonato de futebol americano], o que o senhor diria àquela multidão?

Graham: Eu diria que… eles pensassem num outro jogo… o jogo da vida, e que eles se certificassem de estar do lado de Deus, que Deus os ama e que está interessado neles, e que podem orar a Deus, e Ele responderá as orações deles.

Billy Graham tem pregado o Evangelho e almas têm sido salvas, mas nessa ocasião ele ofereceu um evangelho falso, sem Cristo ou a Cruz – assim como fez quando foi entrevistado por Robert Schuller no programa “The Hour of Power” (“A Hora do Poder”), meses mais tarde. Paulo afirmou que a ele foi “confiado o evangelho” (1 Ts 2.4). E o mesmo aconteceu com cada um de nós. Certifiquemo-nos de que preservamos esse legado, por amor aos perdidos e em honra ao nosso Senhor que pagou o preço completo pela redenção do homem! (Dave Hunt – TBC 1/98)

Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, junho de 1998.

Uma resposta

  1. Gostei muito do artigo.Deus vos abencoe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: