Todo Dia Com as Escrituras Números 9:15-23 e 10:1-10 (leia aqui) Israel não decidia nada sobre a distância percorrida durante sua jornada no deserto. Cada partida e cada parada aconteciam “segundo o mandado do SENHOR”. A nuvem se movia? Eles tinham de partir, mesmo que tivessem acabado de chegar, mesmo que estivessem em um lugar agradável. A nuvem descansava sobre o tabernáculo? Eles tinham de montar suas tendas sem avançar nenhum passo. Eles poderiam fazer isso sem a direção divina por um só dia que fosse? Absolutamente não! Ela era igualmente indispensável para muitos ou poucos dias, para montar ou desmontar acampamento, de dia ou de noite. Isto é um claro símbolo da contínua dependência que convém ao redimido do Senhor e a qual Ele mesmo demonstrou perfeitamente. Quando a vontade do Senhor era revelada, as trombetas de prata dos sacerdotes davam o sinal para os vários movimentos do povo. Elas soavam para reunir a assembléia (vv. 3-4), para prosseguir (vv. 5-6), para convocar à guerra (v. 9) e para os dias de alegria (v. 10). Essas trombetas nos falam do testemunho de Deus, rendido na assembléia pelos santos, no andar, nos conflitos e na adoração deles. Em meio a um mundo hostil, o desafio é “Não te envergonhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor” (2 Timóteo 1:8).

Almeida Corrigida e Revisada Fiel

Números 10

1  FALOU mais o Senhor a Moisés, dizendo:

2  Faze-te duas trombetas de prata; de obra batida as farás, e elas te servirão para a convocação da congregação, e para a partida dos arraiais.

3  E, quando as tocarem, então toda a congregação se reunirá a ti à porta da tenda da congregação.

4  Mas, quando tocar uma só, então a ti se congregarão os príncipes, os cabeças dos milhares de Israel.

5  Quando, retinindo, as tocardes, então partirão os arraiais que estão acampados do lado do oriente.

6  Mas, quando a segunda vez retinindo, as tocardes, então partirão os arraiais que estão acampados do lado do sul; retinindo, as tocarão para as suas partidas.

7  Porém, ajuntando a congregação, as tocareis; mas sem retinir.

8  E os filhos de Arão, sacerdotes, tocarão as trombetas; e a vós serão por estatuto perpétuo nas vossas gerações.

9  E, quando na vossa terra sairdes a pelejar contra o inimigo, que vos oprime, também tocareis as trombetas retinindo, e perante o Senhor vosso Deus haverá lembrança de vós, e sereis salvos de vossos inimigos.

10  Semelhantemente, no dia da vossa alegria e nas vossas solenidades, e nos princípios de vossos meses, também tocareis as trombetas sobre os vossos holocaustos, sobre os vossos sacrifícios pacíficos, e vos serão por memorial perante vosso Deus: Eu sou o Senhor vosso Deus.

11  E aconteceu, no ano segundo, no segundo mês, aos vinte do mês, que a nuvem se alçou de sobre o tabernáculo da congregação.

12  E os filhos de Israel, segundo a ordem de marcha, partiram do deserto de Sinai; e a nuvem parou no deserto de Parã.

13  Assim partiram pela primeira vez segundo a ordem do Senhor, por intermédio de Moisés.

14  Porque primeiramente partiu a bandeira do arraial dos filhos de Judá segundo os seus exércitos; e sobre o seu exército estava Naassom, filho de Aminadabe.

15  E sobre o exército da tribo dos filhos de Issacar, Natanael, filho de Zuar.

16  E sobre o exército da tribo dos filhos de Zebulom, Eliabe, filho de Helom.

17  Então desarmaram o tabernáculo, e os filhos de Gérson e os filhos de Merari partiram, levando o tabernáculo.

18  Depois partiu a bandeira do arraial de Rúben segundo os seus exércitos; e sobre o seu exército estava Elizur, filho de Sedeur.

19  E sobre o exército da tribo dos filhos de Simeão, Selumiel, filho de Zurisadai.

20  E sobre o exército da tribo dos filhos de Gade, Eliasafe, filho de Deuel.

21  Então partiram os coatitas, levando o santuário; e os outros levantaram o tabernáculo, enquanto estes vinham.

22  Depois partiu a bandeira do arraial dos filhos de Efraim segundo os seus exércitos; e sobre o seu exército estava Elisama, filho de Amiúde.

23  E sobre o exército da tribo dos filhos de Manassés, Gamaliel, filho de Pedazur.

24  E sobre o exército da tribo dos filhos de Benjamim, Abidã, filho de Gideoni.

25  Então partiu a bandeira do arraial dos filhos de Dã, fechando todos os arraiais segundo os seus exércitos; e sobre o seu exército estava Aieser, filho de Amisadai.

26  E sobre o exército da tribo dos filhos de Aser, Pagiel, filho de Ocrã.

27  E sobre o exército da tribo dos filhos de Naftali, Aira, filho de Enã.

28  Esta era a ordem das partidas dos filhos de Israel segundo os seus exércitos, quando partiam.

29  Disse então Moisés a Hobabe, filho de Reuel, o midianita, sogro de Moisés: Nós caminhamos para aquele lugar, de que o Senhor disse: Vô-lo darei; vai conosco e te faremos bem; porque o Senhor falou bem sobre Israel.

30  Porém ele lhe disse: Não irei; antes irei à minha terra e à minha parentela.

31  E ele disse: Ora, não nos deixes; porque tu sabes onde devemos acampar no deserto; nos servirás de guia.

32  E será que, vindo tu conosco, e sucedendo o bem que o Senhor nos fizer, também nós te faremos bem.

33  Assim partiram do monte do Senhor caminho de três dias; e a arca da aliança do Senhor caminhou diante deles caminho de três dias, para lhes buscar lugar de descanso.

34  E a nuvem do Senhor ia sobre eles de dia, quando partiam do arraial.

35  Acontecia que, partindo a arca, Moisés dizia: Levanta-te, Senhor, e dissipados sejam os teus inimigos, e fujam diante de ti os odiadores.

36  E, pousando ela, dizia: Volta, ó Senhor, para os muitos milhares de Israel.