Todo Dia Com as Escrituras Números 6:13-27 (leia aqui) As Escrituras mencionam vários nazireus: Sansão, Samuel, Amasias (2 Crônicas 17:16), João Batista. Mas o perfeito exemplo de nazireu foi o Senhor Jesus. Separado por Deus antes de Seu nascimento, ocupado já aos doze anos com os negócios do Pai, Sua consagração ao Pai era total, mesmo até a morte na cruz. Tendo vindo ao mundo, Ele não era do mundo e permaneceu um estrangeiro no tocante aos prazeres e deleites terrenos (João 7:8; 17:14). Ele jamais permitiu que circunstâncias familiares impedissem Seu ministério (Lucas 8:20, 21). Sua dependência era constante (João 5:19). Ele estava além do alcance de qualquer mácula (1 Pedro 2:22). Que exemplo nosso amado Salvador é para nós em Sua jornada de completa devoção! Uma jornada difícil, mas em cujo final estava a alegria, simbolizada pelo fruto da vide, que Ele irá compartilhar com aqueles que também compartilharam de Sua vergonha aqui no mundo (final do v. 20; Hebreus 12:2; Mateus 26:29 e 25:21). Ao término do voto, o nazireu oferecia todos os sacrifícios. O fato de termos tomado o nosso lugar aqui na terra ao lado do perfeito Nazireu verdadeiramente nos permite desfrutar dos vários aspectos de Sua obra na cruz do Calvário. Os versículos 22 a 27 coroam o capítulo ao nos mostrar que a nossa separação para o Senhor é o caminho seguro para a bênção.

Almeida Corrigida e Revisada Fiel

Números 6

13  E esta é a lei do nazireu: no dia em que se cumprirem os dias do seu nazireado, trá-lo-ão à porta da tenda da congregação;

14  E ele oferecerá a sua oferta ao Senhor, um cordeiro sem defeito de um ano em holocausto, e uma cordeira sem defeito de um ano para expiação do pecado, e um carneiro sem defeito por oferta pacífica;

15  E um cesto de pães ázimos, bolos de flor de farinha com azeite, amassados, e coscorões ázimos untados com azeite, como também a sua oferta de alimentos, e as suas libações.

16  E o sacerdote os trará perante o Senhor, e sacrificará a sua expiação do pecado, e o seu holocausto;

17  Também sacrificará o carneiro em sacrifício pacífico ao Senhor, com o cesto dos pães ázimos; e o sacerdote oferecerá a sua oferta de alimentos, e a sua libação.

18  Então o nazireu à porta da tenda da congregação rapará a cabeça do seu nazireado, e tomará o cabelo da cabeça do seu nazireado, e o porá sobre o fogo que está debaixo do sacrifício pacífico.

19  Depois o sacerdote tomará a espádua cozida do carneiro, e um pão ázimo do cesto, e um coscorão ázimo, e os porá nas mãos do nazireu, depois de haver rapado a cabeça do seu nazireado.

20  E o sacerdote os oferecerá em oferta de movimento perante o Senhor: Isto é santo para o sacerdote, juntamente com o peito da oferta de movimento, e com a espádua da oferta alçada; e depois o nazireu poderá beber vinho.

21  Esta é a lei do nazireu, que fizer voto da sua oferta ao Senhor pelo seu nazireado, além do que suas posses lhe permitirem; segundo o seu voto, que fizer, assim fará conforme à lei do seu nazireado.

22  E falou o Senhor a Moisés, dizendo:

23  Fala a Arão, e a seus filhos dizendo: Assim abençoareis os filhos de Israel, dizendo-lhes:

24  O Senhor te abençoe e te guarde;

25  O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti;

26  O Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz.

27  Assim porão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei.

« »