Todo Dia Com as Escrituras Números 5:1-17 e 27-31 (leia aqui) O acampamento de Israel tinha de ser preservado de qualquer impureza, e isso por uma razão fundamental: o Senhor habitava ali (v. 3). O mesmo motivo é invocado pelo apóstolo para rogar a cada crente que se mantivesse afastado de toda a mácula: ”vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós” (1 Coríntios 6:19). O homem que sofria de lepra (figura do pecado) ou de “fluxo” (a inabilidade de refrear as manifestações da carne) tinha de ser expulso do acampamento até que fosse curado. O versículo 11 em diante trata do julgamento do ciúme. Isso sugere que cada um de nós deve examinar cuidadosa e freqüentemente nossos sentimentos. Cristo é o centro deles? Se amamos o mundo, a Palavra aplica a nós o terrível título de adúlteros. Mesmo se externamente tudo parecer estar em ordem, nós nos tornamos inimigos de Deus; temos traído o Senhor (Tiago 4:4; 1 Coríntios 10:22). Sim, estejamos diante dEle, como a mulher suspeita diante do sacerdote, e permitamos que a Palavra (a água santa) penetre nossa consciência e revele nossos mais secretos sentimentos. “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno” (Salmo 139:23-24).

Almeida Corrigida e Revisada Fiel

Números 5

1  E FALOU o Senhor a Moisés, dizendo:

2  Ordena aos filhos de Israel que lancem fora do arraial a todo o leproso, e a todo o que padece fluxo, e a todos os imundos por causa de contato com algum morto.

3  Desde o homem até a mulher os lançareis; fora do arraial os lançareis; para que não contaminem os seus arraiais, no meio dos quais eu habito.

4  E os filhos de Israel fizeram assim, e os lançaram fora do arraial; como o Senhor falara a Moisés, assim fizeram os filhos de Israel.

5  Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo:

6  Dize aos filhos de Israel: Quando homem ou mulher fizer algum de todos os pecados humanos, transgredindo contra o Senhor, tal alma culpada é.

7  E confessará o seu pecado que cometeu; pela sua culpa, fará plena restituição, segundo a soma total, e lhe acrescentará a sua quinta parte, e a dará àquele contra quem se fez culpado.

8  Mas, se aquele homem não tiver resgatador, a quem se restitua a culpa, então a culpa que se restituir ao Senhor será do sacerdote, além do carneiro da expiação pelo qual por ele se fará expiação.

9  Semelhantemente toda a oferta de todas as coisas santificadas dos filhos de Israel, que trouxerem ao sacerdote, será sua.

10  E as coisas santificadas de cada um serão suas; o que alguém der ao sacerdote será seu.

11  Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo:

12  Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando a mulher de alguém se desviar, e transgredir contra ele,

13  De maneira que algum homem se tenha deitado com ela, e for oculto aos olhos de seu marido, e ela o tiver ocultado, havendo-se ela contaminado, e contra ela não houver testemunha, e no feito não for apanhada,

14  E o espírito de ciúmes vier sobre ele, e de sua mulher tiver ciúmes, por ela se haver contaminado, ou sobre ele vier o espírito de ciúmes, e de sua mulher tiver ciúmes, não se havendo ela contaminado,

15  Então aquele homem trará a sua mulher perante o sacerdote, e juntamente trará a sua oferta por ela; uma décima de efa de farinha de cevada, sobre a qual não deitará azeite, nem sobre ela porá incenso, porquanto é oferta de alimentos por ciúmes, oferta memorativa, que traz a iniqüidade em memória.

16  E o sacerdote a fará chegar, e a porá perante a face do Senhor.

17  E o sacerdote tomará água santa num vaso de barro; também tomará o sacerdote do pó que houver no chão do tabernáculo, e o deitará na água.

18  Então o sacerdote apresentará a mulher perante o Senhor, e descobrirá a cabeça da mulher; e a oferta memorativa, que é a oferta por ciúmes, porá sobre as suas mãos, e a água amarga, que traz consigo a maldição, estará na mão do sacerdote.

19  E o sacerdote a fará jurar, e dirá àquela mulher: Se ninguém contigo se deitou, e se não te apartaste de teu marido pela imundícia, destas águas amargas, amaldiçoantes, serás livre.

20  Mas, se te apartaste de teu marido, e te contaminaste, e algum homem, fora de teu marido, se deitou contigo,

21  Então o sacerdote fará jurar à mulher com o juramento da maldição; e o sacerdote dirá à mulher: O Senhor te ponha por maldição e por praga no meio do teu povo, fazendo-te o Senhor consumir a tua coxa e inchar o teu ventre.

22  E esta água amaldiçoante entre nas tuas entranhas, para te fazer inchar o ventre, e te fazer consumir a coxa. Então a mulher dirá: Amém, Amém.

23  Depois o sacerdote escreverá estas mesmas maldições num livro, e com a água amarga as apagará.

24  E a água amarga, amaldiçoante, dará a beber à mulher, e a água amaldiçoante entrará nela para amargurar.

25  E o sacerdote tomará a oferta por ciúmes da mão da mulher, e moverá a oferta perante o Senhor; e a oferecerá sobre o altar.

26  Também o sacerdote tomará um punhado da oferta memorativa, e sobre o altar a queimará; e depois dará a beber a água à mulher.

27  E, havendo-lhe dado a beber aquela água, será que, se ela se tiver contaminado, e contra seu marido tiver transgredido, a água amaldiçoante entrará nela para amargura, e o seu ventre se inchará, e consumirá a sua coxa; e aquela mulher será por maldição no meio do seu povo.

28  E, se a mulher se não tiver contaminado, mas estiver limpa, então será livre, e conceberá filhos.

29  Esta é a lei dos ciúmes, quando a mulher, em poder de seu marido, se desviar e for contaminada;

30  Ou quando sobre o homem vier o espírito de ciúmes, e tiver ciúmes de sua mulher, apresente a mulher perante o Senhor, e o sacerdote nela execute toda esta lei.

31  E o homem será livre da iniqüidade, porém a mulher levará a sua iniqüidade.