Números 3:17-38 (leia aqui) Assim como ninguém tinha o direito de escolher o lugar para armar sua tenda, também nenhum levita podia determinar o serviço que gostaria executar. Quanto a nós, o que temos de fazer não é necessariamente o que mais nos interessa, ou o que pareça se encaixar melhor em nossa aptidão, ou o que se oferece num determinado momento: o que temos de fazer é aquilo que o Senhor quer que façamos. 1 Coríntios 12:5 atesta que “há diversidade nos serviços, mas o Senhor é o mesmo”. Ele é o verdadeiro “Príncipe dos príncipes” estabelecido sobre todos os serviços (v. 32). Somente Ele está em posição de decidir a função de cada indivíduo no programa coletivo. Imagine o que aconteceria numa ferrovia se um funcionário decidisse acionar os desvios a seu bel-prazer, ou se um operador de cancela abandonasse o seu posto de trabalho. Que confusão e que catástrofes resultariam! Contudo, quaisquer que fossem as atividades dos levitas, cada uma das três famílias acampava próximo ao tabernáculo (vv. 23, 29, 35). Isto nos faz lembrar também daqueles oleiros do tempo de Davi que “moravam ali com o rei para o servirem” (1 Crônicas 4:23). Os que estiverem mais próximos de Cristo são os que O servirão melhor; e se, porventura, não estivermos em Sua proximidade, nem poderemos servi-Lo.

Números 3

17  Estes, pois, foram os filhos de Levi pelos seus nomes: Gérson, e Coate e Merari.

18  E estes são os nomes dos filhos de Gérson pelas suas famílias: Libni e Simei.

19  E os filhos de Coate pelas suas famílias: Amrão, e Jizar, Hebrom e Uziel.

20  E os filhos de Merari pelas suas famílias: Maeli e Musi; estas são as famílias dos levitas, segundo a casa de seus pais.

21  De Gérson é a família dos libnitas e a família dos simeítas; estas são as famílias dos gersonitas.

22  Os que deles foram contados pelo número de todo o homem da idade de um mês para cima, sim, os que deles foram contados eram sete mil e quinhentos.

23  As famílias dos gersonitas armarão as suas tendas atrás do tabernáculo, ao ocidente.

24  E o príncipe da casa paterna dos gersonitas será Eliasafe, filho de Lael.

25  E os filhos de Gérson terão a seu cargo, na tenda da congregação, o tabernáculo, a tenda, a sua coberta, e o véu da porta da tenda da congregação.

26  E as cortinas do pátio, e o pavilhão da porta do pátio, que estão junto ao tabernáculo e junto ao altar, em redor; como também as suas cordas para todo o seu serviço.

27  E de Coate é a família dos amramitas, e a família dos jizaritas, e a família dos hebronitas, e a família dos uzielitas; estas são as famílias dos coatitas.

28  Pelo número contado de todo o homem da idade de um mês para cima, eram oito mil e seiscentos, que tinham cuidado da guarda do santuário.

29  As famílias dos filhos de Coate armarão as suas tendas ao lado do tabernáculo, do lado do sul.

30  E o príncipe da casa paterna das famílias dos coatitas será Elisafã, filho de Uziel.

31  E a sua guarda será a arca, e a mesa, e o candelabro, e os altares, e os utensílios do santuário com que ministram, e o véu com todo o seu serviço.

32  E o príncipe dos príncipes de Levi será Eleazar, filho de Arão, o sacerdote; terá a superintendência sobre os que têm cuidado da guarda do santuário.

33  De Merari é a família dos malitas e a família dos musitas; estas são as famílias de Merari.

34  E os que deles foram contados pelo número de todo o homem de um mês para cima, foram seis mil e duzentos.

35  E o príncipe da casa paterna das famílias de Merari será Zuriel, filho de Abiail; armarão as suas tendas ao lado do tabernáculo, do lado do norte.

36  E os filhos de Merari terão a seu cargo as tábuas do tabernáculo, os seus varais, as suas colunas, as suas bases, e todos os seus utensílios, com todo o seu serviço.

37  E as colunas do pátio em redor, e as suas bases, as suas estacas e as suas cordas.

38  E os que armarão as suas tendas diante do tabernáculo, ao oriente, diante da tenda da congregação, para o nascente, serão Moisés e Arão, com seus filhos, tendo o cuidado da guarda do santuário, pela guarda dos filhos de Israel; e o estranho que se chegar morrerá.

« »