Levítico 27:16-34 (leia aqui) Deixemos que o Senhor estime e avalie o que os outros fazem! Mas também não nos preocupemos por alcançar a aprovação dos que nos rodeiam. Não esperemos que os homens nos atribuam mais do que ao nosso Senhor, ao qual avaliaram por apenas trinta moedas de prata (Zacarias 11:11-12). Ao invés disso, convém que nos esforcemos por nos apresentar aprovados diante de Deus (2 Timóteo 2:15). No livro de Levítico, analisamos o sacerdote e sua função, e agora chegamos ao final do livro — cujo estudo é às vezes árduo, mas nos permite voltar nossa atenção a Jesus, nosso Sumo Sacerdote! E somos capazes de reconhecer Seu envolvimento em cada área da vida de Seu povo. Para nossa salvação, Ele entrou no santo lugar pelo Seu próprio sangue, obtendo para nós eterna redenção. Para nosso andar diário, Ele nos mantêm livres de toda impureza. E, finalmente, para o serviço, Ele é, neste capítulo, Aquele que avalia tudo de acordo com o seu valor genuíno! Infelizmente, existem cristãos que estão prontos para receber a salvação, mas depois disso preferem que o Senhor não Se envolva com as questões deles. Para estes, talvez seja necessário passar por experiências tristes, como lemos no capítulo 26, até que as afeições deles despertem. Que o Senhor nos dê a completa confiança em Sua Pessoa e em Sua obra!

Levítico 27

16  Se também alguém santificar ao Senhor uma parte do campo da sua possessão, então a tua avaliação será segundo a sua semente: um ômer de semente de cevada será avaliado por cinqüenta siclos de prata.

17  Se santificar o seu campo desde o ano do jubileu, conforme à tua avaliação ficará.

18  Mas, se santificar o seu campo depois do ano do jubileu, então o sacerdote lhe contará o dinheiro conforme aos anos restantes até ao ano do jubileu, e isto se abaterá da tua avaliação.

19  E se aquele que santificou o campo de alguma maneira o resgatar, então acrescentará a quinta parte do dinheiro da tua avaliação, e ficará seu.

20  E se não resgatar o campo, ou se vender o campo a outro homem, nunca mais se resgatará.

21  Porém havendo o campo saído no ano do jubileu, será santo ao Senhor, como campo consagrado; a possessão dele será do sacerdote.

22  E se alguém santificar ao Senhor o campo que comprou, e não for parte do campo da sua possessão,

23  Então o sacerdote lhe contará o valor da tua avaliação até ao ano do jubileu; e no mesmo dia dará a tua avaliação como coisa santa ao Senhor.

24  No ano do jubileu o campo tornará àquele de quem o comprou, àquele de quem era a possessão do campo.

25  E toda a tua avaliação se fará conforme ao siclo do santuário; o siclo será de vinte geras.

26  Mas o primogênito de um animal, por já ser do Senhor ninguém o santificará; seja boi ou gado miúdo, do Senhor é.

27  Mas, se for de um animal imundo, o resgatará, segundo a tua estimação, e sobre ele acrescentará a sua quinta parte; e se não se resgatar, vender-se-á segundo a tua estimação.

28  Todavia, nenhuma coisa consagrada, que alguém consagrar ao Senhor de tudo o que tem, de homem, ou de animal, ou do campo da sua possessão, se venderá nem resgatará; toda a coisa consagrada será santíssima ao Senhor.

29  Toda a coisa consagrada que for consagrada do homem, não será resgatada; certamente morrerá.

30  Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do Senhor; santas são ao Senhor.

31  Porém, se alguém das suas dízimas resgatar alguma coisa, acrescentará a sua quinta parte sobre ela.

32  No tocante a todas as dízimas do gado e do rebanho, tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao Senhor.

33  Não se investigará entre o bom e o mau, nem o trocará; mas, se de alguma maneira o trocar, tanto um como o outro será santo; não serão resgatados.

34  Estes são os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés, para os filhos de Israel, no monte Sinai.

« »