Números 2:1-34 (leia aqui) Os crentes não são chamados para atravessar o “deserto” por conta própria. Para fazê-los entender que eles são um povo, uma família, o Senhor os reúne em torno de Si mesmo. Vejamos o acampamento de Israel. O Senhor está no meio dele; a arca está lá; a nuvem de Sua glória repousa sobre o tabernáculo. Ao redor deste, todos têm o seu lugar determinado. Primeiro, os levitas e, depois, em uma ordem ditada pelo próprio Deus, as doze tribos acampadas em grupos, três sob uma bandeira, e cada bandeira apontando para um ponto cardeal. Deus é um deus de ordem (1 Coríntios 14:33). Em Sua soberana sabedoria, “Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve” (1 Coríntios 12:18). Ele fixou o lugar onde queria que cada um dos Seus estivesse. Que Ele nos ajude a sermos achados em nosso lugar! Muitos cristãos têm levantado bandeiras de acordo com suas próprias idéias ou conveniência. O nome de um líder ou uma doutrina é para eles como um estandarte, um ponto central que os diferencia dos outros. Deus não reconhece tais denominações, tais bandeiras organizadas pelos homens. Somente reconhece o Centro que Ele próprio estabeleceu: Jesus Cristo, “o verdadeiro tabernáculo”, reunindo os filhos de Deus espalhados em todas as partes do mundo, o Único que é chamado de “o mais distinguido entre dez mil” (Cantares 5:10).

Números 2

1  E FALOU o Senhor a Moisés e a Arão, dizendo:

2  Os filhos de Israel armarão as suas tendas, cada um debaixo da sua bandeira, segundo as insígnias da casa de seus pais; ao redor, defronte da tenda da congregação, armarão as suas tendas.

3  Os que armarem as suas tendas do lado do oriente, para o nascente, serão os da bandeira do exército de Judá, segundo os seus esquadrões, e Naassom, filho de Aminadabe, será príncipe dos filhos de Judá.

4  E o seu exército, os que foram contados deles, era de setenta e quatro mil e seiscentos.

5  E junto a ele armará as suas tendas a tribo de Issacar; e Natanael, filho de Zuar, será príncipe dos filhos de Issacar.

6  E o seu exército, os que foram contados deles, era de cinqüenta e quatro mil e quatrocentos.

7  Depois a tribo de Zebulom; e Eliabe, filho de Helam, será príncipe dos filhos de Zebulom.

8  E o seu exército, os que foram contados deles, era de cinqüenta e sete mil e quatrocentos.

9  Todos os que foram contados do exército de Judá, cento e oitenta e seis mil e quatrocentos, segundo os seus esquadrões, estes marcharão primeiro.

10  A bandeira do exército de Rúben, segundo os seus esquadrões, estará para o lado do sul; e Elizur, filho de Sedeur, será príncipe dos filhos de Rúben,

11  E o seu exército, os que foram contados deles, era de quarenta e seis mil e quinhentos.

12  E junto a ele armará as suas tendas a tribo de Simeão; e Selumiel, filho de Zurisadai, será príncipe dos filhos de Simeão.

13  E o seu exército, os que foram contados deles, era de cinqüenta e nove mil e trezentos.

14  Depois a tribo de Gade; e Eliasafe, filho de Deuel, será príncipe dos filhos de Gade.

15  E o seu exército, os que foram contados deles, era de quarenta e cinco mil e seiscentos e cinqüenta.

16  Todos os que foram contados no exército de Rúben foram cento e cinqüenta e um mil e quatrocentos e cinqüenta, segundo os seus esquadrões; e estes marcharão em segundo lugar.

17  Então partirá a tenda da congregação com o exército dos levitas no meio dos exércitos; como armaram as suas tendas, assim marcharão, cada um no seu lugar, segundo as suas bandeiras.

18  A bandeira do exército de Efraim segundo os seus esquadrões, estará para o lado do ocidente; e Elisama, filho de Amiúde, será príncipe dos filhos de Efraim.

19  E o seu exército, os que foram contados deles, era de quarenta mil e quinhentos.

20  E junto a ele estará a tribo de Manassés; e Gamaliel, filho de Pedazur, será príncipe dos filhos de Manassés.

21  E o seu exército, os que foram contados deles, era de trinta e dois mil e duzentos.

22  Depois a tribo de Benjamim; e Abidã, filho de Gideoni, será príncipe dos filhos de Benjamim,

23  E o seu exército, os que foram contados deles, era de trinta e cinco mil e quatrocentos.

24  Todos os que foram contados no exército de Efraim foram cento e oito mil e cem, segundo os seus esquadrões; e estes marcharão em terceiro lugar.

25  A bandeira do exército de Dã estará para o norte, segundo os seus esquadrões; e Aieser, filho de Amisadai, será príncipe dos filhos de Dã.

26  E o seu exército, os que foram contados deles, era de sessenta e dois mil e setecentos.

27  E junto a ele armará as suas tendas a tribo de Aser; e Pagiel, filho de Ocrã, será príncipe dos filhos de Aser.

28  E o seu exército, os que foram contados deles, era de quarenta e um mil e quinhentos.

29  Depois a tribo de Naftali; e Aira, filho de Enã, será príncipe dos filhos de Naftali.

30  E o seu exército, os que foram contados deles, era de cinqüenta e três mil e quatrocentos.

31  Todos os que foram contados no exército de Dã foram cento e cinqüenta e sete mil e seiscentos; estes marcharão em último lugar, segundo as suas bandeiras.

32  Estes são os que foram contados dos filhos de Israel, segundo a casa de seus pais; todos os que foram contados dos exércitos pelos seus esquadrões foram seiscentos e três mil e quinhentos e cinqüenta.

33  Mas os levitas não foram contados entre os filhos de Israel, como o Senhor ordenara a Moisés.

34  E os filhos de Israel fizeram conforme a tudo o que o Senhor ordenara a Moisés; assim armaram o arraial segundo as suas bandeiras, e assim marcharam, cada qual segundo as suas gerações, segundo a casa de seus pais.

Números 1:38-54 (leia aqui) Todos os filhos de Israel registrados neste capítulo haviam cruzado o Mar Vermelho no ano anterior. Eles tinham sido “batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés”; eles tinham compartilhado todos os privilégios inerentes ao povo do SENHOR: o maná, a água que fluiu da rocha (1 Coríntios 10:2). Porém, dos seiscentos e tantos mil mencionados no v. 46, quantos alcançaram a terra prometida? Apenas dois, nos quais Deus pode se deleitar, pois tinham fé (conforme 1 Coríntios 10:5; Hebreus 11:6). Entre as multidões dos que hoje levam o nome de cristãos, somente o Senhor conhece quantos de fato pertencem a Ele (2 Timóteo 2:19). Vamos reiterar novamente: não é o batismo, mas, sim, a fé no Senhor Jesus Cristo que nos torna membros do povo de Deus. Os filhos de Levi não eram contados entre os homens de guerra (v. 47). Força e poder não contam para a obra do Senhor. Contudo, note que o crente hoje é registrado ao mesmo tempo entre os soldados e entre os servos do Santuário. Ele tem de ser forjado como Timóteo para combater “o bom combate da fé” (1 Timóteo 6:12) e, ao mesmo tempo, como o jovem Arquipo, tem de atentar para o ministério que recebeu do Senhor (Colossenses 4:17).

Números 1

38  Dos filhos de Dã, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

39  Foram contados deles, da tribo de Dã, sessenta e dois mil e setecentos.

40  Dos filhos de Aser, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

41  Foram contados deles, da tribo de Aser, quarenta e um mil e quinhentos.

42  Dos filhos de Naftali, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

43  Foram contados deles, da tribo de Naftali, cinqüenta e três mil e quatrocentos.

44  Estes foram os contados, que contaram Moisés e Arão, e os príncipes de Israel, doze homens, cada um era pela casa de seus pais.

45  Assim foram todos os contados dos filhos de Israel, segundo a casa de seus pais, de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra em Israel;

46  Todos os contados eram seiscentos e três mil e quinhentos e cinqüenta.

47  Mas os levitas, segundo a tribo de seus pais, não foram contados entre eles,

48  Porquanto o Senhor tinha falado a Moisés, dizendo:

49  Porém não contarás a tribo de Levi, nem tomarás a soma deles entre os filhos de Israel;

50  Mas tu põe os levitas sobre o tabernáculo do testemunho, e sobre todos os seus utensílios, e sobre tudo o que pertence a ele; eles levarão o tabernáculo e todos os seus utensílios; e eles o administrarão, e acampar-se-ão ao redor do tabernáculo.

51  E, quando o tabernáculo partir, os levitas o desarmarão; e, quando o tabernáculo se houver de assentar no arraial, os levitas o armarão; e o estranho que se chegar morrerá.

52  E os filhos de Israel armarão as suas tendas, cada um no seu esquadrão, e cada um junto à sua bandeira, segundo os seus exércitos.

53  Mas os levitas armarão as suas tendas ao redor do tabernáculo do testemunho, para que não haja indignação sobre a congregação dos filhos de Israel, pelo que os levitas terão o cuidado da guarda do tabernáculo do testemunho.

54  Assim fizeram os filhos de Israel; conforme a tudo o que o Senhor ordenara a Moisés, assim o fizeram.

Números 1:22-37 (leia aqui) Em alguns países, hoje ainda, vinte anos é a idade na qual os jovens tem obrigações com o serviço militar. Se reconhecido como capacitado a portar armas, o recruta passa a ter uma obrigação com sua pátria. A partir do dia em que é convocado, ele renuncia à sua vida pessoal para se submeter ao serviço comunitário. Aprende o respeito aos superiores, o conceito de disciplina, de serviço e de honra; e é treinado para o combate (Lucas 7:8). Não tem essa “conclamação à bandeira” uma aplicação espiritual para cada jovem cristão? É óbvio que não será já no dia de sua conversão, que esse “bebê em Cristo” será totalmente capaz de “partir para a guerra”. A família de Deus é composta de “filhinhos”, de “jovens” e de “pais” (1 João 2:13). Assim como os vários filhos numa família se classificam em diversos estágios de crescimento, também os membros da família de Deus, embora unidos pela mesma vida e privilégios, também possuem diversos níveis de capacidade e responsabilidade. Mas em todos deveria se manifestar crescimento (Lucas 2:40, 52). Chegará o momento em que um ”filhinho” se tornará num jovem no sentido espiritual, forte, com a experiência de ter vencido o maligno (1 João 2:14), que há de se desenvolver num adulto, de acordo com Hebreus 5:14. Temos atingido esse nível? Ou, ao contrário, não temos feito progresso algum desde nossa conversão?

Números 1

22  Dos filhos de Simeão, as suas gerações pelas suas famílias, segundo a casa dos seus pais; os seus contados, pelo número dos nomes, cabeça por cabeça, todo o homem de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

23  Foram contados deles, da tribo de Simeão, cinqüenta e nove mil e trezentos.

24  Dos filhos de Gade, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

25  Foram contados deles, da tribo de Gade, quarenta e cinco mil e seiscentos e cinqüenta.

26  Dos filhos de Judá, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais; pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

27  Foram contados deles, da tribo de Judá, setenta e quatro mil e seiscentos.

28  Dos filhos de Issacar, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

29  Foram contados deles da tribo de Issacar, cinqüenta e quatro mil e quatrocentos.

30  Dos filhos de Zebulom, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

31  Foram contados deles, da tribo de Zebulom, cinqüenta e sete mil e quatrocentos.

32  Dos filhos de José, dos filhos de Efraim, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

33  Foram contados deles, da tribo de Efraim, quarenta mil e quinhentos.

34  Dos filhos de Manassés, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

35  Foram contados deles, da tribo de Manassés, trinta e dois mil e duzentos.

36  Dos filhos de Benjamim, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

37  Foram contados deles, da tribo de Benjamim, trinta e cinco mil e quatrocentos.

Todo Dia Com as Escrituras Números 1:1-21 (leia aqui) O ensino de Levítico trata da adoração e comunhão. O livro de Números resume a história da peregrinação da nação pelo deserto para nos falar de outros aspectos da vida cristã: andar diário e serviço. O Senhor aqui procede à contagem (“Números”) das tribos de Israel: soldados, levitas, sacerdotes. Cada um tinha de declarar sua descendência (v. 18). Queridos amigos, cada um de nós tem de saber em primeiro lugar se é ou não filho ou filha de Deus. E temos de estar preparados para confessar isso diante dos outros (Romanos 10:9). Mas tome cuidado! Todos eram israelitas cujos pais pertenciam a uma das doze tribos; para ser um cristão, não é suficiente apenas ter pais cristãos. Nem mesmo é necessário que eles sejam. Você é um cristão quando crê pessoalmente no Senhor Jesus Cristo. Você então se torna parte desse povo celestial, do qual Deus tem o número exato e completamente atualizado, em Seu “registro de nascimentos”, ou seja, em Seu Livro da Vida. Se você hoje vier ao Senhor Jesus, seu nome será escrito ali. E com jubilosa segurança, você também será capaz de declarar sua descendência. Pois “a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome” (João 1:12).

Números 1

1  FALOU mais o Senhor a Moisés no deserto de Sinai, na tenda da congregação, no primeiro dia do segundo mês, no segundo ano da sua saída da terra do Egito, dizendo:

2  Tomai a soma de toda a congregação dos filhos de Israel, segundo as suas famílias, segundo a casa de seus pais, conforme o número dos nomes de todo o homem, cabeça por cabeça;

3  Da idade de vinte anos para cima, todos os que em Israel podem sair à guerra, a estes contareis segundo os seus exércitos, tu e Arão.

4  Estará convosco, de cada tribo, um homem que seja cabeça da casa de seus pais.

5  Estes, pois, são os nomes dos homens que estarão convosco: De Rúben, Elizur, filho de Sedeur;

6  De Simeão, Selumiel, filho de Zurisadai;

7  De Judá, Naasson, filho de Aminadabe;

8  De Issacar, Natanael, filho de Zuar;

9  De Zebulom, Eliabe, filho de Helom;

10  Dos filhos de José: De Efraim, Elisama, filho de Amiúde; de Manassés, Gamaliel, filho de Pedazur;

11  De Benjamim, Abidã, filho de Gideoni;

12  De Dã, Aieser, filho de Amisadai;

13  De Aser, Pagiel, filho de Ocrã;

14  De Gade, Eliasafe, filho de Deuel;

15  De Naftali, Aira, filho de Enã.

16  Estes foram os chamados da congregação, os príncipes das tribos de seus pais, os cabeças dos milhares de Israel.

17  Então tomaram Moisés e Arão a estes homens, que foram declarados pelos seus nomes,

18  E reuniram toda a congregação no primeiro dia do mês segundo, e declararam a sua descendência segundo as suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, cabeça por cabeça;

19  Como o Senhor ordenara a Moisés, assim os contou no deserto de Sinai.

20  Foram, pois, os filhos de Rúben, o primogênito de Israel, as suas gerações, pelas suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes, cabeça por cabeça, todo o homem de vinte anos para cima, todos os que podiam sair à guerra,

21  Foram contados deles, da tribo de Rúben, quarenta e seis mil e quinhentos.

Levítico 27:16-34 (leia aqui) Deixemos que o Senhor estime e avalie o que os outros fazem! Mas também não nos preocupemos por alcançar a aprovação dos que nos rodeiam. Não esperemos que os homens nos atribuam mais do que ao nosso Senhor, ao qual avaliaram por apenas trinta moedas de prata (Zacarias 11:11-12). Ao invés disso, convém que nos esforcemos por nos apresentar aprovados diante de Deus (2 Timóteo 2:15). No livro de Levítico, analisamos o sacerdote e sua função, e agora chegamos ao final do livro — cujo estudo é às vezes árduo, mas nos permite voltar nossa atenção a Jesus, nosso Sumo Sacerdote! E somos capazes de reconhecer Seu envolvimento em cada área da vida de Seu povo. Para nossa salvação, Ele entrou no santo lugar pelo Seu próprio sangue, obtendo para nós eterna redenção. Para nosso andar diário, Ele nos mantêm livres de toda impureza. E, finalmente, para o serviço, Ele é, neste capítulo, Aquele que avalia tudo de acordo com o seu valor genuíno! Infelizmente, existem cristãos que estão prontos para receber a salvação, mas depois disso preferem que o Senhor não Se envolva com as questões deles. Para estes, talvez seja necessário passar por experiências tristes, como lemos no capítulo 26, até que as afeições deles despertem. Que o Senhor nos dê a completa confiança em Sua Pessoa e em Sua obra!

Levítico 27

16  Se também alguém santificar ao Senhor uma parte do campo da sua possessão, então a tua avaliação será segundo a sua semente: um ômer de semente de cevada será avaliado por cinqüenta siclos de prata.

17  Se santificar o seu campo desde o ano do jubileu, conforme à tua avaliação ficará.

18  Mas, se santificar o seu campo depois do ano do jubileu, então o sacerdote lhe contará o dinheiro conforme aos anos restantes até ao ano do jubileu, e isto se abaterá da tua avaliação.

19  E se aquele que santificou o campo de alguma maneira o resgatar, então acrescentará a quinta parte do dinheiro da tua avaliação, e ficará seu.

20  E se não resgatar o campo, ou se vender o campo a outro homem, nunca mais se resgatará.

21  Porém havendo o campo saído no ano do jubileu, será santo ao Senhor, como campo consagrado; a possessão dele será do sacerdote.

22  E se alguém santificar ao Senhor o campo que comprou, e não for parte do campo da sua possessão,

23  Então o sacerdote lhe contará o valor da tua avaliação até ao ano do jubileu; e no mesmo dia dará a tua avaliação como coisa santa ao Senhor.

24  No ano do jubileu o campo tornará àquele de quem o comprou, àquele de quem era a possessão do campo.

25  E toda a tua avaliação se fará conforme ao siclo do santuário; o siclo será de vinte geras.

26  Mas o primogênito de um animal, por já ser do Senhor ninguém o santificará; seja boi ou gado miúdo, do Senhor é.

27  Mas, se for de um animal imundo, o resgatará, segundo a tua estimação, e sobre ele acrescentará a sua quinta parte; e se não se resgatar, vender-se-á segundo a tua estimação.

28  Todavia, nenhuma coisa consagrada, que alguém consagrar ao Senhor de tudo o que tem, de homem, ou de animal, ou do campo da sua possessão, se venderá nem resgatará; toda a coisa consagrada será santíssima ao Senhor.

29  Toda a coisa consagrada que for consagrada do homem, não será resgatada; certamente morrerá.

30  Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do Senhor; santas são ao Senhor.

31  Porém, se alguém das suas dízimas resgatar alguma coisa, acrescentará a sua quinta parte sobre ela.

32  No tocante a todas as dízimas do gado e do rebanho, tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao Senhor.

33  Não se investigará entre o bom e o mau, nem o trocará; mas, se de alguma maneira o trocar, tanto um como o outro será santo; não serão resgatados.

34  Estes são os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés, para os filhos de Israel, no monte Sinai.

Levítico 27:1-15 (leia aqui) Este capítulo trata sobre os votos que os filhos de Israel podiam fazer e a maneira pela qual o sacerdote deveria avaliá-los. No capitulo 30 de Êxodo, nossa atenção é dirigida ao fato de que o preço da redenção era igual para todos. Aqui, pelo contrário, as taxas variavam. De fato, isso não é uma questão que representa nossa salvação, mas, sim, a capacidade que cada um tem. Redimidos pelo mesmo preço, o precioso sangue de Cristo, todos os filhos de Deus estão longe de estar no mesmo nível espiritual ou de ter a mesma aptidão para o serviço. E o sacerdote deve intervir para avaliar a obra de cada um: “segundo a avaliação do sacerdote, assim serᔠ(v. 12). Nós, que criticamos tão facilmente o que os outros fazem ou não fazem, não nos esqueçamos de que o Único que julga é o Senhor (1 Coríntios 4:4-5). Pessoas, animais ou casas, tudo poderia ser consagrado ao Senhor. De fato, não temos nada mais precioso para oferecer ao Senhor do que nós mesmos. Isso foi o que os macedônios fizeram, a respeito de quem o apóstolo diz: “Porque eles, testemunho eu… deram-se a si mesmos primeiro ao Senhor”, e, originada dessa oferta inicial, toda obra deles espontaneamente abundou em alegria (2 Coríntios 8:2-5).

Levítico 27

1  FALOU mais o Senhor a Moisés, dizendo:

2  Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando alguém fizer particular voto, segundo a tua avaliação serão as pessoas ao Senhor.

3  Se for a tua avaliação de um homem, da idade de vinte anos até a idade de sessenta, será a tua avaliação de cinqüenta siclos de prata, segundo o siclo do santuário.

4  Porém, se for mulher, a tua avaliação será de trinta siclos.

5  E, se for de cinco anos até vinte, a tua avaliação de um homem será vinte siclos e da mulher dez siclos.

6  E, se for de um mês até cinco anos, a tua avaliação de um homem será de cinco siclos de prata, e a tua avaliação pela mulher será de três siclos de prata.

7  E, se for de sessenta anos e acima, pelo homem a tua avaliação será de quinze siclos e pela mulher dez siclos.

8  Mas, se for mais pobre do que a tua avaliação, então apresentar-se-á diante do sacerdote, para que o sacerdote o avalie; conforme as posses daquele que fez o voto, o avaliará o sacerdote.

9  E, se for animal dos que se oferecem em oferta ao Senhor, tudo quanto der dele ao Senhor será santo.

10  Não o mudará, nem o trocará bom por mau, ou mau por bom; se porém de alguma maneira trocar animal por animal, tanto um como o outro, será santo.

11  E, se for algum animal imundo, dos que não se oferecem em oferta ao Senhor, então apresentará o animal diante do sacerdote,

12  E o sacerdote o avaliará, seja bom ou seja mau; segundo a avaliação do sacerdote, assim será.

13  Porém, se de alguma maneira o resgatar, então acrescentará a sua quinta parte sobre a tua avaliação.

14  E quando alguém santificar a sua casa para ser santa ao Senhor, o sacerdote a avaliará, seja boa ou seja má; como o sacerdote a avaliar, assim será.

15  Mas, se o que a santificou resgatar a sua casa, então acrescentará a quinta parte do dinheiro sobre a tua avaliação, e será sua.

Levítico 26:34-46 (leia aqui) Os direitos de Deus serão reconhecidos de uma maneira ou de outra. Se a nação não observar o sábado dos anos prescrito no capítulo 25, o Senhor irá lhes obrigar a fazer isso, arrancando-os à força da terra que é dEle. Por assim dizer, Israel não cumprirá as condições de arrendamento impostas pelo Proprietário das terras. E essa será uma das razões para o cativeiro da Babilônia (leia 2 Crônicas 36:20-21). As conseqüências do pecado de Israel de fato serão terríveis. Deus é mais severo com Seu povo do que é com as outras nações. A responsabilidade deles certamente é muito maior. Os oráculos divinos lhes foram confiados. Eles estão em um relacionamento com o verdadeiro Deus cujo nome, através deles, é blasfemado entre os gentios (Romanos 3:2; 2:24). Mas se Deus tem sido mais exigente com Israel do que com as nações pagãs, você não acha que Ele teria de ser ainda mais com aqueles que, como nós, têm Sua Palavra nas mãos, ou que foram criados por pais cristãos? “Àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido” (Lucas 12:48). Observe também que a confissão dos pecados (v. 40) e a aceitação da punição (v. 43) eram as condições para a restauração.

Levítico 26

34  Então a terra folgará nos seus sábados, todos os dias da sua assolação, e vós estareis na terra dos vossos inimigos; então a terra descansará, e folgará nos seus sábados.

35  Todos os dias da assolação descansará, porque não descansou nos vossos sábados, quando habitáveis nela.

36  E, quanto aos que de vós ficarem, eu porei tal pavor nos seus corações, nas terras dos seus inimigos, que o ruído de uma folha movida os perseguirá; e fugirão como quem foge da espada; e cairão sem ninguém os perseguir.

37  E cairão uns sobre os outros como diante da espada, sem ninguém os perseguir; e não podereis resistir diante dos vossos inimigos.

38  E perecereis entre as nações, e a terra dos vossos inimigos vos consumirá.

39  E aqueles que entre vós ficarem se consumirão pela sua iniqüidade nas terras dos vossos inimigos, e pela iniqüidade de seus pais com eles se consumirão.

40  Então confessarão a sua iniqüidade, e a iniqüidade de seus pais, com as suas transgressões, com que transgrediram contra mim; como também eles andaram contrariamente para comigo.

41  Eu também andei para com eles contrariamente, e os fiz entrar na terra dos seus inimigos; se então o seu coração incircunciso se humilhar, e então tomarem por bem o castigo da sua iniqüidade,

42  Também eu me lembrarei da minha aliança com Jacó, e também da minha aliança com Isaque, e também da minha aliança com Abraão me lembrarei, e da terra me lembrarei.

43  E a terra será abandonada por eles, e folgará nos seus sábados, sendo assolada por causa deles; e tomarão por bem o castigo da sua iniqüidade, em razão mesmo de que rejeitaram os meus juízos e a sua alma se enfastiou dos meus estatutos.

44  E, demais disto também, estando eles na terra dos seus inimigos, não os rejeitarei nem me enfadarei deles, para consumi-los e invalidar a minha aliança com eles, porque eu sou o Senhor seu Deus.

45  Antes por amor deles me lembrarei da aliança com os seus antepassados, que tirei da terra do Egito perante os olhos dos gentios, para lhes ser por Deus. Eu sou o Senhor.

46  Estes são os estatutos, e os juízos, e as leis que deu o Senhor entre si e os filhos de Israel, no monte Sinai, pela mão de Moisés.