Todo Dia Com Jesus

Efésios 1:1-14

A epístola aos Efésios considera o crente em sua posição celestial. O céu não é só umafutura habitação para o filho de Deus; desde agora ele possui ali a sua morada em Cristo. O chefe de família que trabalha fora de seu domicílio não confunde seu lar com a fábrica ou com o escritório. O fato de estar ausente de casa de maneira nenhuma o impede de ter ali o seu lar, no qual se acham as suas afeições, seus interesses, tudo o que ele possui. Tal é o céu para o cristão: um lugar familiar no qual se encontram tanto o seu tesouro como o seu coração (Lucas 12:34), porque ali está seu Salvador. Cristo está no céu e nós estamos em Cristo. Estes dois fatos asseguram o nosso direito de acesso aos lugares celestiais e às preciosas bênçãos que são nossas como conseqüência. Tudo o que diz respeito ao Amado igualmente diz respeito aos que são aceitos nEle (v. 6). Por isso o apóstolo desenvolve aqui a plenitude do propósito de Deus em Cristo — fonte de toda a bênção-nessa grande passagem (vv. 3-14), que não admite nenhum corte, pois tudo está unido, tudo está ligado no pensamento de Deus. Ademais, o que Ele faz por nós é inseparável do que Ele faz por Cristo e deve contribuir finalmente “para louvor da sua glória” (v. 12), e “para louvor da glória de sua graça” (v. 6).

Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo (Gálatas 6:14).

ONDE NÃO HÁ ESPAÇO PARA A CRUZ?

Havia influências e forças agindo na igreja da Galácia que tentavam acrescentar à cruz de Cristo a observação da lei de Moisés como requisito para a salvação. O apóstolo Paulo lhes advertiu seriamente contra as pessoas que afirmavam isso. E revelou os verdadeiros motivos desses falsos mestres: eles não queriam ser “perseguidos por causa da cruz de Cristo” (Gálatas 6:12). Se os gálatas procurassem refúgio no judaísmo para escaparem da perseguição, então os falsos mestres poderiam se orgulhar de terem atingido seu alvo.

O apóstolo se opõe a isso afirmando: “Longe esteja de mim gloriar-me”. De fato, quem conhece o Senhor Jesus como Salvador e contempla a grandeza da sua obra de redenção não tem possibilidade alguma de se gloriar, a não ser nele. O apóstolo também acrescenta: “a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo”, coroando seu argumento declarando exatamente a mesma coisa que os falsos mestres procuravam tirar da fé cristã. Quem se glória na cruz de Cristo não encontra a aprovação do mundo. Isso é uma ofensa para os incrédulos, pois os condena. A cruz é um lugar onde o “velho homem”, nossa natureza pecaminosa, encontra sua sentença de morte (Romanos 6:6).

O processo da autocrucificação não é fácil muito menos indolor. É por isso que as mentes religiosas sempre inventaram todo tipo de artifício para evitar a cruz. Aí se incluem as boas obras, os “sacrifícios” pela fé, as febris atividades supostamente feitas em nome de Deus, e tantos outros recursos da religião. Tudo isso provém da mesma fonte que fez Pedro repreender o Senhor Jesus: “E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso”. E qual foi a resposta do Senhor? “ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens” (Mateus 16:22-23). Nas “coisas dos homens”, e de Satanás também, não há espaço para a cruz de Cristo!

Todo Dia Com as Escrituras

Fonte: Todo Dia Com as Escrituras

Todo Dia Com as Escrituras

Gênesis 9:20-29 – 10:1-20

As mais maravilhosas experiências do poder e do amor de Deus não são capazes de tornar o homem melhor (8:21). Noé tinha sido escolhido para governar a terra, porém logo mostrou que não poderia governar a si mesmo. Cam “zomba do pai” (Provérbios 30:17) e faz pouco do pecado, assim como faz o mundo de hoje, atraindo maldição sobre os seus descendentes, os cananeus. Veremos que, de fato, muitas nações que descenderam de Cam, mencionadas neste capítulo, se tornarão inimigas do povo de Deus: Babilônia, Egito, Nínive, os filisteus e os cananeus, cujo país foi dado como posse a Israel. Sem e Jafé honraram seu pai e por isso prosperarão na terra (Efésios 6:2-3).

O capítulo 10 revela a origem das nações do mundo (leia Deuteronômio 32:8). Para compreender e apreciar algo em seu verdadeiro caráter, deve-se voltar à sua origem: Babel e Assíria – Babilônia e Assur – têm como ponto de partida o reino de Ninrode. O nome deste homem significa “rebelde”, o que é confirmado por suas ações. Com ele vemos o homem começando a saquear a terra, semeando o medo e o sofrimento, e matando os animais — que Deus lhe havia dado para alimento — por prazer ou para demonstrar seu poder (9:3).

“Depois destas cousas vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro.” Apocalipse 7.9

O último livro da Bíblia, o Apocalipse, nos revela a glória do Cordeiro. Ali vemos a posição do Cordeiro diante de Deus. Só raramente o trono de Deus é mencionado sem o Cordeiro. Em vez disso, lemos: “…e clamavam em grande voz, dizendo: Ao nosso Deus que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação.” Ou: “Então me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro.”

Logo em seguida o Cordeiro é revelado como o centro da glória de Deus, e isto por toda a eternidade. A vida eterna jamais existe sem o Cordeiro de Deus: “Nela nunca jamais penetrará cousa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no livro da vida do Cordeiro.” Deus deu ao Cordeiro o registro dos salvos. E somente aquele que recebeu a natureza do Cordeiro no renascimento poderá um dia ver o Cordeiro: “Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque havemos de vê-lo como ele é.” Tão gloriosa, mas também absolutamente séria é a mensagem do Cordeiro!