Os fariseus, que eram avarentos, ouviam tudo isto e o ridiculizavam.

Lucas 16:14-31

O Senhor Jesus declara a estes fariseus avarentos que Deus conhece os seus corações e que julga de maneira diferente que os homens. O versículo 15 estampa a terrível sentença de Deus sobre os mais elevados projetos para esta Terra, também o sucesso e a ambição: são uma “abominação diante de Deus” (v. 15). Quão diferentes serão as coisas no além! O Senhor nos cita um comovente exemplo. Este homem rico era realmente um mordomo infiel. Enquanto o seu próximo jazia à sua porta, ele usava para si, em seu afã pelo luxo e em seu egoísmo, aquilo que Deus lhe havia confiado para administrar aqui na Terra.

Ao fim, contudo, o mesmo sucede ao homem rico como ao pobre: ambos morreram. Cedo ou tarde a morte sobrevém a todos. E esta parábola, contada por Aquele que não pode mentir, demonstra que a nossa história não termina na morte. Há ainda um capítulo final, do qual o Senhor, ao virar a página, permite-nos ler algumas linhas. O que é que descobrimos da vida após a morte, acerca da qual muitos homens temem questionar? Há um lugar de felicidade e um lugar de tormento! Quando se chega ali é impossível passar de um lugar para outro; será, então, muito tarde para crer e muito tarde para pregar o Evangelho. “Eis agora o dia da salvação”! (2 Coríntios 6:2).

Extraído do “