Porque, de fato foi crucificado em fraqueza, contudo vive pelo poder de Deus.” 2 Coríntios 13.4

Jesus é chamado Cordeiro de Deus a fim de nos desvendar a natureza da Sua vitória. Pois a vitória de Jesus é a vitória do Cordeiro. Ele a conquistou excluindo quaisquer esforços humanos, pois Ele “foi crucificado em fraqueza.” Por isso é tão poderosa a exclamação de João Batista, mesmo em sua aparente contradição: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” O mais fraco realizou o feito mais grandioso! O quanto Jesus já estava fraco vemos quando caiu sob o peso da cruz. Mas quando estava dependurado nela, começou a maior revelação de poder de todos os tempos diante do mundo invisível, espantado e trêmulo: o Cordeiro de Deus carregou o pecado do mundo. Que força tão grande capacitou o Cordeiro fraco a carregar o pecado do mundo inteiro? Eis aqui a resposta: o amor de Deus pelo mundo todo estava por trás. Não está escrito: ‘Eis o Cordeiro’, mas: “Eis o Cordeiro de Deus.” O Cordeiro é capacitado – pelo poder do amor de Deus – a consumar o que tem valor eterno: tirar o pecado e a culpa de todos os homens. E aquela pessoa que, agora, segue o Cordeiro, experimenta exatamente a mesma coisa: na maior fraqueza consegue realizar o que é mais difícil. Nesse sentido, uma passagem da Bíblia adquire o maior significado: “…o poder se aperfeiçoa na fraqueza.”

Extraído do livro “