E Moisés disse ao Senhor: Eis que tu me dizes: Faze subir a este povo, porém não me fazes saber a quem hás de enviar comigo; e tu disseste: Conheço-te por teu nome, também achaste graça aos meus olhos.

Fora do arraial, Moisés podia falar com o Senhor face a face (v. 11). Qual era o assunto dessa conversa? Novamente, a triste condição do povo. Moisés é aqui uma figura de Alguém maior que ele: o Filho falando ao Pai sobre os que tinham sido dados a Ele “deste do mundo” (João 17:6). “Rogo-te que agora me faças saber o teu caminho” (v. 13 — RC), pede o homem de Deus. Então ele roga que a presença do Senhor lhes acompanhe. Compare esses pedidos com a dupla oração do salmista: “Mostra-me o caminho por onde devo andar… guie-me o teu bom Espírito por terreno plano” (Salmo 143:8 e 10). “Sim, suba conosco”, suplica o fiel intercessor. “Não podemos subir sem o Senhor.”

E então Deus fica à vontade para agir. Ele nunca acha a fé audaciosa demais. Alegramos o Seu coração quando Lhe pedimos coisas difíceis.

Finalmente Moisés faz um terceiro pedido ao Senhor, ainda mais audacioso: que Ele lhe mostre a Sua glória. Moisés só a verá pelas costas (v. 23 — em outras palavras, nas pegadas deixadas pelo Seu amor). Pensamos no pedido de Jesus a Seu Pai, no qual pedia que onde Ele estivesse, ali estivessem os Seus, para que vissem  a Sua glória (João 17:24). Esse é o Seu ardente desejo. Será que é também o nosso?

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: