Também foi dito: Aquele que repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio.

Mateus 5:31-48

Não esqueçamos que é o Messias, o rei de Israel, quem está falando. Seus ensinamentos têm sido chamados de “carta magna do reino”, pois mostram as regras às quais Seus súditos terão de se submeter. Porém, que diferença das constituições e dos códigos desse mundo, baseados nos direitos individuais e na regra egoísta do “cada um por si”. Em contrapartida, os ensinamentos de Jesus não estabelecem apenas os princípios da não-violência, mas também o amor, a humildade e a renúncia, todos absolutamente estranhos ao espírito deste mundo. Algumas pessoas pensam que estes preceitos são inaplicáveis na Terra em que vivemos agora. Pois, não se tornariam vítimas indefesas de abusos os cristãos que praticassem literalmente tais coisas? Estejamos certos de que Deus saberia como protegê-los em tais circunstâncias. Além disso, uma atitude de amor, humildade e renúncia constitui poderoso testemunho capaz de confundir, e até mesmo converter, os que quisessem prejudicar ao crente.

Os versículos 38 a 48 nos humilham e nos repreendem. Quão longe estamos dAquele que “sofreu por nós, deixando-nos exemplo… pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje, quando maltratado não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente, carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados” (1 Pedro 2:21-24; Tiago 5:6; Isaías 50:6, e muitas outras passagens)!

Extraído do “