Ora, o Deus de paciência e consolação vos conceda o mesmo sentir de uns para com os outros, segundo Cristo Jesus.” Romanos 15.5

Quando nos revestimos da paciência do Senhor, a Palavra de Deus escrita nos transmite a consolação que vem das Escrituras, para que através delas tenhamos uma esperança viva. Se permitirmos que a Palavra de Deus opere dessa maneira em nós, experimentaremos – como milagre da graça – a Palavra como sendo o próprio Senhor nos dando a verdadeira união uns com os outros. Quando lemos o versículo acima com atenção, constatamos que é Deus que nos dá esta “eterna consolação”. É comovente ver como o Senhor Jesus assegura aos Seus discípulos antes da Sua partida que Seu Pai lhes daria um “outro Consolador” quando Jesus não mais estivesse presente fisicamente. Esse “outro Consolador” é o Espírito Santo. Em conexão com essa promessa maravilhosa, Jesus aponta indiretamente, de maneira inversa, para o momento em que Ele virá a fim de nos arrebatar. Enquanto o “outro Consolador”, o Espírito Santo, ainda estiver sobre a terra, o Senhor não pode voltar. Mas assim que esse Consolador subir ao céu com a Igreja, o Senhor Jesus virá ao nosso encontro nos ares.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: