E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade (João 1:14).

Olhos para ver

O Senhor Jesus, a Palavra viva tornada carne, viveu entre nós cheio de graça e verdade. Esse é o testemunho do apóstolo João. Ele e os demais discípulos contemplaram a glória do Senhor. Essa é a base de sua primeira epístola.

O Filho de Deus, sobre quem todo o Antigo Testamento fala e evidencia em muitos tipos, e a quem incontáveis almas aguardavam pela fé, veio ao mundo. Nesta terra de pecado e morte, Ele revelou Deus como luz e amor e deu Sua vida como resgate por muitos (Marcos 10:45).

A verdadeira luz agora brilha nas trevas, e todos, a cujos olhos Deus abre, contemplam Sua glória como o Unigênito do Pai. Uma era maravilhosa começou então e ainda não terminou: a era da graça.

O apóstolo Paulo orou para que Deus iluminasse os olhos do coração dos efésios a fim de que pudessem conhecer a esperança de Seu chamado e as riquezas da glória da Sua herança nos santos (Efésios 1:18). A Igreja é o Corpo de Cristo, “a plenitude daquele que cumpre tudo em todos” (v. 23). Ele mesmo é o Cabeça desse corpo. A Igreja está sujeita a Ele em todas as coisas.

Mas é necessário ter “olhos para ver”. O Senhor falou a Ezequiel: “Filho do homem, tu habitas no meio da casa rebelde, que tem olhos para ver e não vê, e tem ouvidos para ouvir e não ouve; porque eles são casa rebelde” (cap. 12:2). Se nosso coração está rebelde, nossos olhos não poderão ver. Por outro lado, se nosso coração for sujeito e submisso ao Senhor, então nossos olhos verão a glória de Deus, pois “toda a terra está cheia da sua glória” (Isaías 6:3).

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: