Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, de todo selado com sete selos.

Apocalipse 5:1-14

Uma pergunta mantém o universo em suspense: “Quem é digno de abrir o livro e de lhe desatar os selos?”. Noutras palavras, quem executará o juízo?
Só um indivíduo pode fazer isso: Aquele que é sem pecado (veja João 8:7) e, pela Sua própria perfeição, venceu a Satanás e o mundo. Cristo é este “Leão da tribo de Judá”, já mencionado em Gênesis 49:9. Mas logo em seguida Ele é visto como um Cordeiro “como tendo sido morto”. Para triunfar sobre o Inimigo e encher o céu de uma multidão de criaturas felizes e agradecidas, foi necessária a cruz do Senhor Jesus. E o coração de todos os santos se recorda de maneira muito comovente do sacrifício de Cristo. No céu, onde tudo fala de poder e de majestade, a lembrança permanente da humilhação de nosso querido Salvador constituirá um comovente contraste. A humildade, a mansidão, a sujeição, a paciência, todas essas perfeições morais do Senhor Jesus manifestadas aqui na terra serão sempre visíveis no céu e nos falarão eternamente da grandeza de seu amor.

Então, em resposta ao novo cântico entoado pelos santos glorificados, todas as esferas da criação proclamarão numa só voz: “Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor” (V. 12).

Extraído do “