Sai depressa pelas ruas e bairros da cidade, e traze aqui os pobres, e aleijados, e mancos e cegos… Sai pelos caminhos e valados, e força-os a entrar, para que a minha casa se encha (Lucas 14:21, 23).

Os sãos não necessitam de médico, mas, sim, os que estão doentes; eu não vim chamar os justos (Marcos 2:17).

Uma recomendação muito adequada

Um dia, certo menino maltrapilho parou o Sr. Barnado, fundador de vários orfanatos na Inglaterra, na rua e pediu: “Será que eu posso morar em uma das suas casas?” – “Meu garoto, eu não o conheço. Não existe alguém que possa falar por você?” – “Ó, por favor!”, o menino implorou e apontou para os trapos que vestia: “Acho que isso pode falar por mim”. Comovido, o Sr. Barnado pegou o garoto pela mão e arranjou um lugar para ele morar.

Quem irá morar no céu, na presença de Deus? Todos os que, derrotados por seus pecados, das profundezas da impiedade clamam pela graça de Deus, tendo total consciência do estado pecaminoso e culpado em que se encontram.

O filho pródigo que admitiu sua culpa e retornou foi quem recebeu do pai “a melhor roupa”, e não o primogênito cheio de justiça própria.

Extraído do devocional “