A o anjo da igreja em Éfeso escreve: Estas coisas diz aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro:

Apocalipse 2:1-11

Essas cartas às sete igrejas da Ásia narram numa seqüência de sete quadros a história da cristandade responsável . O Senhor se apresenta a cada uma das sete, faz um inventário preciso do que encontra e do que não encontra nelas, exorta e promete sua recompensa ao vencedor.

Em Éfeso tudo estava aparentemente bem (V. 2,3). Mas o Senhor enxerga o coração (1 Samuel 16:7). Infelizmente Ele não vê mais nessa Igreja reciprocidade ao Seu amor. O Senhor Jesus não mais ocupa o primeiro lugar! Quando se bloqueia a fonte de um rio, as populações ribeirinhas próximas da foz não perceberão o fato imediatamente. Enquanto a água flui, as margens permanecem verdes. Tudo continuará com a mesma aparência durante algum tempo… Ah, queridos amigos, examinemos a nossa vida! O que conta não são as nossas atividades exteriores, mas o nosso amor por Cristo. Para interromper essa decadência, o fiel Senhor usa um estranho remédio: a provação. Permite que Sua noiva seja exposta ao poder de Satanás.

Depois de Éfeso (a amável) vem Esmirna, que significa “a amarga”. Esse era o tempo dos mártires submetidos à crueldade dos imperadores romanos (século segundo e início do terceiro). Naqueles dias, nas arenas romanas, diante das bestas-feras, os cristãos de Esmirna tinham a oportunidade de provar seu amor pelo Salvador sendo-Lhe fiéis até a morte.

Extraído do “