O presbítero ao amado Gaio, a quem eu amo na verdade.

3 João 1-15

A segunda epístola nos proíbe receber àqueles que não trazem “a doutrina de Cristo”. Já a terceira epístola exorta os crentes a receber e ajudar aqueles que a ensinam (veja João 13:20). Velar pelo bem dos servos do Senhor é um modo de participar da obra do evangelho (v. 8). Várias pessoas nos são apresentadas nesta breve carta. Gaio, a quem a carta foi endereçada, era um amigo amado, cuja alma prosperava, que andava na verdade, agia fielmente e cujo amor era conhecido de todos. Demétrio, mencionado mais adiante, também tinha um bom testemunho (1 Timóteo 3:7). Por outro lado, na mesma igreja, havia um homem chamado Diótrefes, que gostava de ter a primazia entre eles (1 Pedro 5:3), proferia palavras maliciosas contra o apóstolo, não recebia os irmãos e expulsava outros da igreja. João também menciona os irmãos evangelizadores que haviam saído por causa do Nome” (v. 7; Atos 5:41). O Nome que está acima de todos é o de Jesus: Ele era a mensagem e a garantia da missão deles (Atos 8:35). “Não imites o que é mau, senão o que é bom”, recomenda o apóstolo (v. 11; 1 Tessalonicenses 5:15). Achamos bons e maus exemplos tanto nesta epístola quanto à nossa volta. A quem imitaremos? Sigamos, acima de tudo, ao Senhor Jesus; ele foi o único em quem somente se achou o bem (Marcos 7:37).

Extraído do “