Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago, aos chamados, amados em Deus Pai e guardados em Jesus Cristo,

Judas 1-13

Pode-se tocar uma trombeta simplesmente para o prazer dos que a escutam. Entretanto, há ocasiões em que ressoa como alarme a fim de convocar os soldados para a ação. Judas gostaria de escrever a seus irmãos acerca de temas mais edificantes. Porém, diante dos progressos do mal que já se infiltrava entre os irmãos, sua tarefa era soar o alarme e lhes inculcar que lutassem pela verdade a todo custo. Quantos filhos de Deus não há que necessitam ouvir constantemente o abecê da verdade cristã, enquanto o Espírito Santo preferiria ocupá-los com bênçãos mais elevadas (Hebreus 5:2). “Quero, pois, lembrar-vos, embora já estejais cientes de tudo uma vez por todas…” (v. 5). Temos progredido desde a nossa conversão? Ou, ao contrário, temos regredido? Assim como Pedro, em sua segunda epístola, Judas se vale dos solenes exemplos do Antigo Testamento para descrever a apostasia moral dos últimos dias. Dois fatos caracterizam a apostasia: o abandono da graça e o menosprezo de toda forma de autoridade (2 Pedro 2:10,11). Esta última tendência já se evidencia hoje nas famílias, nas escolas, na vida social e profissional. Mas se uma criança não se sujeita a seus pais, como irá mais tarde reconhecer a autoridade do Senhor?

Extraído do “