A fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus (Romanos 10:17).

O que é fé?

Pierre Valdo era um rico mercador da cidade de Lyon, França, que viveu na segunda metade do século XII. Era um homem piedoso e fazia muitas boas obras onde morava. Ele confiava nelas para ser salvo. Certa noite, assentado à mesa com alguns amigos, de repente, um deles caiu morto. Valdo foi subitamente tomado pelo pensamento de que a qualquer momento também poderia ser chamado para comparecer diante de Deus. Será que estaria pronto para encontrá-Lo? Certamente não. Valdo sabia disso e começou a procurar as respostas para as necessidades de sua alma nas Sagradas Escrituras.

Por fim, achou a paz que tanto desejava para a sua alma e sentiu o desejo de pregar as boas novas da graça de Deus para os outros. Naquele tempo, apenas a versão latina da Bíblia, a Vulgata, estava disponível. Valdo não se intimidou: traduziu várias passagens bíblicas para a linguagem da época. Devotou toda sua energia e riqueza para copiá-las, indo de lugar em lugar lendo para os analfabetos. Ele não desanimou, apesar da perseguição e oposição que enfrentava, pois conhecia o valor da Palavra de Deus e queria apresentá-la a quantos pudesse. Será que basta crer no que Deus afirma na Bíblia? Essa é a fé salvadora.

A Bíblia pode facilmente ser obtida hoje em quase qualquer língua. A salvação está ao alcance de todos, e Deus requer uma única coisa de nós: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo”(Atos 16:31).

Extraído do devocional “

E o sacerdote tomará o cesto da tua mão, e o porá diante do altar do Senhor teu Deus (Deuteronômio 26:4).

Um cesto cheio

Era um momento feliz quando o israelita se aproximava do altar de Deus com seu cesto das primícias da colheita e o entregava ao sacerdote, dizendo: “Hoje declaro perante o Senhor teu Deus que entrei na terra que o Senhor jurou a nossos pais dar-nos” (v. 3). Ele podia se alegrar e louvar a Deus por Sua tão grande salvação.

Porventura o cesto do israelita não é uma ilustração maravilhosa do coração do adorador que “entrou na terra”, isto é, que conheceu as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo (Efésios 1:3)?

Como estamos em relação a isso? Nosso cesto está cheio ou vazio? Precisamos urgentemente encher nosso coração com as primícias que o Espírito Santo quer nos dar a cada dia!

Se nos aproximarmos do “altar” com nosso “cesto” vazio, será muito tarde para colher qualquer coisa. Não adianta se reunir com outros irmãos e orar: “Senhor, enche meu cesto!” Isso não é atribuição de Deus. Todos os dias é nossa responsabilidade colocarmos “o fruto dos lábios que confessam o seu nome” (Hebreus 13:15). Assim, iremos exclamar: “O meu coração ferve com palavras boas, falo do que tenho feito no tocante ao Rei” (Salmo 45:1).

Extraído do devocional “

Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago, aos chamados, amados em Deus Pai e guardados em Jesus Cristo,

Judas 1-13

Pode-se tocar uma trombeta simplesmente para o prazer dos que a escutam. Entretanto, há ocasiões em que ressoa como alarme a fim de convocar os soldados para a ação. Judas gostaria de escrever a seus irmãos acerca de temas mais edificantes. Porém, diante dos progressos do mal que já se infiltrava entre os irmãos, sua tarefa era soar o alarme e lhes inculcar que lutassem pela verdade a todo custo. Quantos filhos de Deus não há que necessitam ouvir constantemente o abecê da verdade cristã, enquanto o Espírito Santo preferiria ocupá-los com bênçãos mais elevadas (Hebreus 5:2). “Quero, pois, lembrar-vos, embora já estejais cientes de tudo uma vez por todas…” (v. 5). Temos progredido desde a nossa conversão? Ou, ao contrário, temos regredido? Assim como Pedro, em sua segunda epístola, Judas se vale dos solenes exemplos do Antigo Testamento para descrever a apostasia moral dos últimos dias. Dois fatos caracterizam a apostasia: o abandono da graça e o menosprezo de toda forma de autoridade (2 Pedro 2:10,11). Esta última tendência já se evidencia hoje nas famílias, nas escolas, na vida social e profissional. Mas se uma criança não se sujeita a seus pais, como irá mais tarde reconhecer a autoridade do Senhor?

Extraído do “

O presbítero ao amado Gaio, a quem eu amo na verdade.

3 João 1-15

A segunda epístola nos proíbe receber àqueles que não trazem “a doutrina de Cristo”. Já a terceira epístola exorta os crentes a receber e ajudar aqueles que a ensinam (veja João 13:20). Velar pelo bem dos servos do Senhor é um modo de participar da obra do evangelho (v. 8). Várias pessoas nos são apresentadas nesta breve carta. Gaio, a quem a carta foi endereçada, era um amigo amado, cuja alma prosperava, que andava na verdade, agia fielmente e cujo amor era conhecido de todos. Demétrio, mencionado mais adiante, também tinha um bom testemunho (1 Timóteo 3:7). Por outro lado, na mesma igreja, havia um homem chamado Diótrefes, que gostava de ter a primazia entre eles (1 Pedro 5:3), proferia palavras maliciosas contra o apóstolo, não recebia os irmãos e expulsava outros da igreja. João também menciona os irmãos evangelizadores que haviam saído por causa do Nome” (v. 7; Atos 5:41). O Nome que está acima de todos é o de Jesus: Ele era a mensagem e a garantia da missão deles (Atos 8:35). “Não imites o que é mau, senão o que é bom”, recomenda o apóstolo (v. 11; 1 Tessalonicenses 5:15). Achamos bons e maus exemplos tanto nesta epístola quanto à nossa volta. A quem imitaremos? Sigamos, acima de tudo, ao Senhor Jesus; ele foi o único em quem somente se achou o bem (Marcos 7:37).

Extraído do “

ENTÃO veio José e anunciou a Faraó, e disse: Meu pai e os meus irmãos e as suas ovelhas, e as suas vacas, com tudo o que têm, são vindos da terra de Canaã, e eis que estão na terra de Gósen.

Gênesis 47:1-12 (

E PARTIU Israel com tudo quanto tinha, e veio a Berseba, e ofereceu sacrifícios ao Deus de seu pai Isaque.

Gênesis 46:1-34 (

“Não te apresses em deixar a presença dele.” (Eclesiastes 8.3)

Estou convencido de que a agitação em que vivem os filhos de Deus os deixa cegos para a importância da hora atual na história da salvação. Satanás não quer que tenhamos tempo, mas sim que sempre estejamos ocupados com uma atividade ou outra. Isaías chama o mal pelo nome, quando diz: “Na tua longa viagem te cansas.” O apóstolo Paulo agia com cautela. Com grande autoridade, ele diz: “Pois não lhe ignoramos os desígnios (de Satanás).”

Ter tempo não significa ganhar tempo a fim de se agitar ainda mais, mas sim separar tempo para orar! Pessoas que oram são pessoas que fazem milagres. Posso ter lido milhares de vezes as palavras de Jesus em Mateus 7.7, mas toda vez elas me tocam profundamente: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á.” É tão simples, mas também tão sublime! Como poderia ser rica, poderosa e abençoada sua vida se você fosse uma pessoa que ora! Quem tem tempo para o Senhor encontra coisas ilimitadas, coisas que permanecem eternamente, motivo pelo qual também digo a você com seriedade: “Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e, sim, como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus”, e “Porque ainda dentro de pouco tempo aquele que vem virá, e não tardará.”

Extraído do livro “