Pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus (Efésios 2:8).

Fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo (1 Coríntios 6:20).

A graça de Deus

Poucas coisas são tão mal entendidas quanto a graça de Deus. A graça não é uma forma de indulgência que Deus usa para ignorar “pecadinhos sem importância”. Nem é o reconhecimento divino de nossas tentativas de agradá-Lo, ou como alguns dizem: “Faça o seu melhor e deixe Deus fazer o resto”. Por fim, a graça não é como certas pessoas presumem uma justificativa para o pecado; ela condena o pecado.

A graça de Deus é um conceito-chave da Bíblia, especialmente no Novo Testamento. Deus é “o Deus de toda a graça” (1 Pedro 5:10). Paulo mencionou em sua despedida aos crentes de Éfeso o “evangelho da graça de Deus” (Atos 20:24).

A graça é uma característica do próprio Deus. Significa que em Seu amor Ele demonstrou um favor imerecido para com os pecadores. Portanto, está disponível a nós, “porque todos pecaram” (Romanos 3:23). Ela não se restringe a declarar o culpado livre; a graça de Deus dá e enriquece.

Qual é o custo da graça? Para Deus isso teve um preço incalculável. Ele “nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós” (Romanos 8:32), para expiar nossos pecados. No entanto, para nós ela não tem custo algum. Não podemos fazer nada para merecer ou conquistar o favor divino. Temos de aceitá-la pela fé simplesmente como um presente.

“Ah, isso é muito simples”, assim pensa a maioria. E é mesmo. Além disso, seria uma afronta tentar pagar por algo que Deus já nos deu gratuitamente. E isso também revela um aspecto da graça: temos de desistir de nossa ambição de satisfazer Deus e crer na obra que o Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, fez na cruz do Calvário.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: