E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz, e segue-me. Mas ele, pesaroso desta palavra, retirou-se triste; porque possuía muitas propriedades (Marcos 10:21-22)

A pior decisão

Jesus Cristo não obriga ninguém a segui-Lo. No entanto, esse princípio tem sido ignorado em larga escala: nações inteiras foram “cristianizadas”, resultando em uma fachada de cristianismo sem qualquer conteúdo verdadeiro.

O jovem em questão no versículo acima estava preocupado com seu futuro eterno. Embora tivesse muitas riquezas e uma alta posição, ele queria ter certeza de que tudo estaria bem no porvir. Queria fazer a coisa certa. Algo mais transparece na conversa: o Senhor Jesus o amou. A lógica humana poderia deduzir que um homem com tais qualidades certamente deveria receber a vida eterna do Senhor Jesus.

Mas esse é o ponto trágico dessa história. O jovem que estava realmente curioso e não desejava falhar em mostrar o quanto admirava o Mestre foi o mesmo que decidiu não segui-Lo. Triste e constrangido, ele se afastou, se afastou do Senhor Jesus Cristo, do Único que poderia lhe dar a vida eterna, algo que tanto ansiava. O preço foi muito alto para ele. Além disso, quem abandonaria tudo o que possui?

O texto de hoje não afirma que para se tornar um cristão é preciso repartir os bens e ficar na pobreza. Aquele jovem tão amável tinha de aprender que ele não merecia o céu só porque era bom, fazia caridade e vivia de modo exemplar. Ele também dependia da graça do Redentor tanto quanto o mais degradado dos miseráveis. Mas ele não estava preparado para isso. O encontro com o Mestre teve um fim terrível: a decisão quanto ao seu futuro eterno sempre esteve nas mãos dele; o Senhor Jesus não o forçou a nada. E aquele rapaz, cheio de tantas virtudes e qualidades, tomou a pior decisão que alguém pode tomar: trocar o Senhor Jesus pelas coisas deste mundo!

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus (Efésios 2:8).

Fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo (1 Coríntios 6:20).

A graça de Deus

Poucas coisas são tão mal entendidas quanto a graça de Deus. A graça não é uma forma de indulgência que Deus usa para ignorar “pecadinhos sem importância”. Nem é o reconhecimento divino de nossas tentativas de agradá-Lo, ou como alguns dizem: “Faça o seu melhor e deixe Deus fazer o resto”. Por fim, a graça não é como certas pessoas presumem uma justificativa para o pecado; ela condena o pecado.

A graça de Deus é um conceito-chave da Bíblia, especialmente no Novo Testamento. Deus é “o Deus de toda a graça” (1 Pedro 5:10). Paulo mencionou em sua despedida aos crentes de Éfeso o “evangelho da graça de Deus” (Atos 20:24).

A graça é uma característica do próprio Deus. Significa que em Seu amor Ele demonstrou um favor imerecido para com os pecadores. Portanto, está disponível a nós, “porque todos pecaram” (Romanos 3:23). Ela não se restringe a declarar o culpado livre; a graça de Deus dá e enriquece.

Qual é o custo da graça? Para Deus isso teve um preço incalculável. Ele “nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós” (Romanos 8:32), para expiar nossos pecados. No entanto, para nós ela não tem custo algum. Não podemos fazer nada para merecer ou conquistar o favor divino. Temos de aceitá-la pela fé simplesmente como um presente.

“Ah, isso é muito simples”, assim pensa a maioria. E é mesmo. Além disso, seria uma afronta tentar pagar por algo que Deus já nos deu gratuitamente. E isso também revela um aspecto da graça: temos de desistir de nossa ambição de satisfazer Deus e crer na obra que o Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, fez na cruz do Calvário.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido.2 Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e praticamos os seus mandamentos.

1 João 5:1-21

A epístola de João, bem como o seu evangelho, testifica que possuímos a vida eterna simplesmente pela fé em Jesus Cristo, o Filho de Deus (compare o v. 13 com João 20:31). Não crer, depois de tantos testemunhos, é fazer a Deus mentiroso (v. 10). Estes testemunhos permitem que o filho de Deus agora descanse em certezas. “Sabemos…”, não cessa de repetir o apóstolo (vv. 2, 13, 15, 18, 19, 20). A nossa fé não somente se apropria da salvação, mas também triunfa sobre o mundo, pois contempla o que está além deste, e se apega ao que é imperecível (v. 4). Que felicidade é saber também que Deus nos ouve e nos concede o que lhe pedimos segundo a sua vontade (v. 14)! O cristão não desejaria que lhe fosse concedido algo contrário à vontade de Deus. Mas, como conhecer essa vontade? Mediante o entendimento que o Filho de Deus nos deu (v. 20; Lucas 24:45). “Estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo”, ao contrário do mundo, que “jaz no Maligno”. Satanás não tem, em todo seu arsenal, objeto nenhum que possa seduzir o novo homem. Em compensação, oferece muitos ídolos para tentar o nosso pobre coração natural. Filhos de Deus, dediquemos os nossos afetos inteiramente para o Senhor e guardemo-nos dos ídolos (v. 21; 1 Coríntios 10:14).

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros.

1 João 4:11-21

Dois gestos de alcance indizível manifestaram o amor divino aos homens: “Cristo deu a sua vida por nós” (3:16) e Deus “enviou o seu Filho” (4:10). E agora esse amor se mostra aos homens numa terceira maneira: os redimidos do Senhor amam-se uns aos outros. Deus é – ou deveria ser – visto desta forma (v. 12), agora que o Senhor Jesus não está mais na terra (João 1:18). Não é possível amar a Deus e não amar a seus filhos. Quando alguém nos é muito querido, tudo o que lhe diz respeito também é querido para nós. Por exemplo: Pode se dizer que um marido ou uma esposa que não ama os sogros ama de fato seu cônjuge? Deus não se satisfaz com um amor só manifestado em “palavra […] mas de fato e de verdade” (3:18). Em toda esta epístola encontram-se constantemente expressões como: “Se dissermos…” (1:6,8,10), “Aquele que diz…” (2:4,6,9), “Se alguém disser…” (v. 20). “Nós amamos…”, declara o apóstolo (v. 19). Pois, então, demonstremos isso!

O que temos nestes versículos é: (1) O amor por nós (v. 9): a salvação já consumada; (2)o amor em nós (vv. 12,15,16b), derramado em nosso coração pelo Espírito; (3) finalmente, o amor conosco (v. 17), que nos assegura que logo estaremos perante Deus. Tal é a abrangência do amor divino por nós!

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

ENTÃO José não se podia conter diante de todos os que estavam com ele; e clamou: Fazei sair daqui a todo o homem; e ninguém ficou com ele, quando José se deu a conhecer a seus irmãos.

Gênesis 45:1-15 (leia aqui)

Este é o momento para o qual José tem esperado há muito tempo. Quanta paciência ele tem demonstrado! Se ele tivesse se revelado no início, seus irmãos o haveriam honrado porque teriam de fazer isso, como os feixes em seu sonho, mas o coração deles  teria permanecido frio e em temor.

Os irmãos de José sabem agora que o governador do Egito, a quem todas as glórias pertencem, é nada menos que aquele a quem eles tinham odiado e rejeitado. Ele não apenas está vivo, mas todas as coisas estão sujeitas a ele (vide Hebreus 2:8). E a conduta criminosa deles tinha sido o meio preciso para o cumprimento de seus sonhos. Que confusão deve ter provocado em seus corações quando viram a sublime graça da qual José é a prova viva. José não se vingou; ele agora nem mesmo os reprovava; ele só queria a felicidade de seus irmãos! E, quanto ao seu coração, estava cheio de gozo, semelhante ao do pastor quando encontra a ovelha perdida. Agora é dada aos irmãos uma feliz notícia, boas novas: ir ao pai deles e lhe contar sobre a glória da pessoa que os perdoou. Essa é também a nossa missão, queridos redimidos do Senhor; devemos contar aos outros, começando pelos nossos parentes mais próximos, o que temos encontrado em Jesus e narrar toda a Sua glória a Seu Pai, nas reuniões para adoração.

Então Judá se chegou a ele, e disse: Ai! senhor meu, deixa, peço-te, o teu servo dizer uma palavra aos ouvidos de meu senhor, e não se acenda a tua ira contra o teu servo; porque tu és como Faraó.

Gênesis 44:18-34 (leia aqui)

A intenção de José era conduzir os pensamentos de seus irmãos ao período há mais de vinte anos quando eles tinham permanecido insensíveis ao seu sofrimento enquanto ele implorava por misericórdia (42:21). Ele também queria fazê-los lembrar da dor de seu velho pai quando cruelmente lhe contaram da morte de José. E José queria ver se eles agora eram capazes de entender o sofrimento do irmão caçula e do pai deles. Bem, ele conseguiu agitar o coração dos seus irmãos. Quão tocante é ouvir Judá falar de seu velho pai e de seu irmão mais moço, o filho de sua velhice!

Que lições também podemos aprender daí! Devemos nos colocar no lugar da outra pessoa, compreendendo sua alegria e especialmente suas dores. E mais ainda: devemos entrar em espírito nos pensamentos de amor do Pai por Seu Filho, na dor quando Ele viu Seu amado Filho nas mãos de homens perversos e quando ouviu Seu clamor e não pôde Lhe responder. Finalmente, devemos tentar entrar um pouco no sofrimento do Filho quando levou o peso de nossos pecados debaixo do juízo divino e quando, sob infinita angústia de alma, passou pela experiência de ser abandonado por Deus em nosso lugar. Não é uma pena que por vezes sejamos tão insensíveis às coisas que o Espírito procura nos mostrar?

“E leu no livro, diante da praça, que está fronteira à Porta das Águas, desde a alva até ao meio-dia, perante homens e mulheres, e os que podiam entender.” (Neemias 8.3)

A seqüência em Neemias 8 é muito clara. No primeiro versículo, lemos que Esdras buscou o livro da lei de Moisés. Portanto, ele buscou a Bíblia. No versículo 2, lemos que a congregação se reuniu, e, no versículo 3, que ele começou a ler. E depois consta algo muito importante: “…e todo o povo tinha os ouvidos atentos ao livro da lei.” No versículo 8 é enfatizado, além disso, que eles “leram no Livro, na lei de Deus, claramente, dando explicações, de maneira que entendessem o que se lia.” Esse intercâmbio entre os pregadores e o povo é de vital importância. Ao mesmo tempo, impõe-se como condição que os corações dos ouvintes estejam dispostos a receber a Palavra. Justamente aqui em Neemias 8 nos é mostrada a chave da grande alegria no Senhor: “…todo o povo chorava, ouvindo as palavras da lei.” Por eles terem ouvido e recebido a Palavra de boa vontade, houve resultados. O povo foi convencido de seu pecado até o íntimo e entrou em profunda angústia interior. Mas dessa angústia interior é que nasceu a alegria no Senhor.

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo