Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.

1 João 4:1-10

A verdade sempre teve seus “falsificadores”. Da mesma maneira que convém a todo cidadão reconhecer o dinheiro de seu país a fim de evitar problemas, assim devemos nós ser capazes de discernir a origem das diferentes doutrinas que nos são apresentadas. Cada uma delas deve ser submetida a prova (v. 1; 1 Tessalonicenses 5:21); a Palavra nos dá o meio seguro para reconhecer as “notas falsas”. As boas sempre levam o selo: Jesus Cristo veio em carne (v. 3).

No que diz respeito à natureza dEle, esta epístola nos ensina que Deus é luz (1:5) e que ele é amor (vv. 8, 16). A única fonte de todo amor se encontra nEle. Se alguém ama, isto é sinal de que o tal é nascido de Deus (v. 7). Por outro lado, aquele que não ama não conhece a Deus. Para saber o que é o amor, é necessário possuir a natureza que ama (1 Tessalonicenses 4:9). Ademais, esse amor com que Deus nos amou primeiro (vv. 10, 19) é exatamente o que correspondia à necessidade de suas criaturas. O homem estava morto: Deus enviou “o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele” (v. 9); o homem era culpado: Deus “enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados” (v. 10; 2:2); o homem estava perdido: “o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo” (v. 14; João 3:17).

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: