E, quando ofereceres oferta de alimentos, cozida no forno, será de bolos ázimos de flor de farinha, amassados com azeite, e coscorões ázimos untados com azeite (Levítico 2:4).

Profundas verdades, profundo amor

A oferta de alimentos dos israelitas não era uma oferta de sangue. Por isso jamais era oferecida sozinha, mas sempre acompanhada do sacrifício de um animal. A flor de farinha era símbolo da humanidade sem pecado do Senhor Jesus. Cada detalhe de Sua vida era precioso para Deus e, portanto, uma oferta que alegrava o coração do Pai. No entanto, apenas a vida santa do Redentor não poderia expiar nossos pecados. Esse era o motivo pelo qual Sua morte era necessária: Seu sangue teria de ser derramado.

Quem conhece o Senhor Jesus como Salvador pessoal contempla a perfeita vida do Homem de dores com grande alegria e admiração e é compungido a adorar Sua maravilhosa Pessoa. O bolo sem fermento amassado com azeite aponta para Sua concepção por meio do Espírito Santo. Os pães untados com azeite falam sobre Seu ministério, para o qual foi ungido pelo Espírito Santo depois de Seu batismo no rio Jordão.

O processo de cozimento no forno fala sobre a intensidade dos sofrimentos que Ele enfrentou enquanto estava aqui, em particular aqueles que os outros não viam. Como Seu coração sofria ao testemunhar a miséria causada pelo pecado na raça humana! E que dor Ele sentia em Sua alma quando as pessoas O rejeitavam, atribuindo-Lhe o mal, acusando-O de blasfêmia e, mesmo pendurado na cruz, zombando de Sua confiança em Deus!

Quantas verdades profundas estão contidas no versículo acima. Pare um pouco e medite sobre o imenso amor que esse Salvador teve, e tem, para suportar tanta dor. E por quem? Por mim e por você.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

E, sendo já manhã, Jesus se apresentou na praia, mas os discípulos não conheceram que era Jesus. Disse-lhes, pois, Jesus: Filhos, tendes alguma coisa de comer? Responderam-lhe: Não (João 21:4-5).

Um encontro surpresa

O Senhor Jesus Cristo havia ressuscitado dentre os mortos e Seus discípulos já tinham se encontrado com Ele. Mas Pedro e alguns outros retornaram à antiga ocupação, ou seja, à pesca. Mas não tiveram êxito. Trabalharam duro a noite inteira e não pegaram nenhum peixinho. Que terrível frustração!

O real motivo do fracasso deles residia no fato de que o próprio Deus tinha um outro propósito para esses homens: eles teriam uma experiência inesquecível com o Cristo ressurreto que lhes daria uma orientação segura quanto ao futuro.

O Senhor os aguardava na praia, de manhã bem cedinho. Aquilo foi uma surpresa para os discípulos, embora avisados de que O veriam na Galiléia (Mateus 28:7). Eles não O esperavam, por isso não foram capazes de reconhecê-Lo. Mas Ele estava lá e lhes perguntou se tinham alguma coisa para comer após terem trabalhado tanto. A reposta deles foi extremamente curta: “Não”. Logo depois, a luz raiou sobre eles: aquele Homem era o Senhor ressurreto, o onisciente Deus, totalmente inteirado da situação deles. Então provaram de Sua abundante generosidade.

Esse episódio tem uma aplicação prática para nós também. Ele vê tudo o que fazemos e conhece as motivações secretas de nosso coração. Não podemos esconder nada dEle. Vez após vez Ele vem até nós para nos ajudar graciosa e miraculosamente, quando Lhe falamos sobre nossas necessidades e confessamos nossa impotência.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco (João 20:19

A proximidade do Senhor

Domingo foi o dia da ressurreição de Cristo. De manhã cedo, Maria Madalena veio ao sepulcro onde o corpo do Senhor estivera. A pedra que selava a entrada havia sido removida, e a tumba estava vazia. Os discípulos Pedro e João confirmaram esse fato: o corpo do Senhor Jesus não estava lá. Eles voltaram para casa, mas Maria permaneceu lá, chorando.

De repente, alguém chegou e falou com ela, chamando-a pelo nome. Não era possível! O próprio Senhor! Ele a encarregou de levar uma mensagem de significado indescritível e inesperado para os discípulos, a quem chamou de “irmãos”: Seu Pai agora era o Pai deles, e Seu Deus se tornara o Deus deles (João 20:17).

Na noite do mesmo dia, os discípulos se reuniram em um lugar cujas portas foram cuidadosamente trancadas, pois os inimigos que crucificaram o Senhor Jesus poderiam vir pegá-los também. O que ocupava a mente daqueles homens? Certamente os acontecimentos dos dias anteriores. Onde o Mestre estava? Foi aí que o Senhor Jesus apareceu no meio deles e lhes saudou: “Paz seja convosco”. E após proferir tais palavras, Ele lhes mostrou Suas mãos e Seu lado. E os discípulos se alegraram ao ver o Senhor.

A proximidade do Senhor é uma realidade ainda hoje, mesmo que agora Ele seja invisível, quando os filhos de Deus se reúnem para adorá-Lo. O que os discípulos experimentaram naquela noite, nós podemos também experimentar diariamente.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.

1 João 4:1-10

A verdade sempre teve seus “falsificadores”. Da mesma maneira que convém a todo cidadão reconhecer o dinheiro de seu país a fim de evitar problemas, assim devemos nós ser capazes de discernir a origem das diferentes doutrinas que nos são apresentadas. Cada uma delas deve ser submetida a prova (v. 1; 1 Tessalonicenses 5:21); a Palavra nos dá o meio seguro para reconhecer as “notas falsas”. As boas sempre levam o selo: Jesus Cristo veio em carne (v. 3).

No que diz respeito à natureza dEle, esta epístola nos ensina que Deus é luz (1:5) e que ele é amor (vv. 8, 16). A única fonte de todo amor se encontra nEle. Se alguém ama, isto é sinal de que o tal é nascido de Deus (v. 7). Por outro lado, aquele que não ama não conhece a Deus. Para saber o que é o amor, é necessário possuir a natureza que ama (1 Tessalonicenses 4:9). Ademais, esse amor com que Deus nos amou primeiro (vv. 10, 19) é exatamente o que correspondia à necessidade de suas criaturas. O homem estava morto: Deus enviou “o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele” (v. 9); o homem era culpado: Deus “enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados” (v. 10; 2:2); o homem estava perdido: “o Pai enviou o seu Filho como Salvador do mundo” (v. 14; João 3:17).

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

1 Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo.

1 João 3:1-12

Numa família normal é o amor que constitui o vínculo entre seus membros. Os filhos o recebem e o aprendem de seus pais, logo o retribuem aos pais e o expressam entre si. Esta é uma fraca imagem do amor que o Pai nos demonstrou ao nos chamar de seus filhos! Nós não somos conclamados a compreender este amor, mas, sim, a vê-lo (v. 1) e, tendo-o visto, desfrutá-lo.

Alguns crentes podem deduzir do versículo 9 que não possuem a vida que Deus dá, já que ainda pecam de vez em quando (1 João 5:18). Mas vejam que o apóstolo considera o cristão novo homem, nascido de Deus, e esse não pode pecar.

A divisão da humanidade entre “filhos de Deus” e “filhos do diabo” é estabelecida da maneira mais clara e absoluta nos versículos 7 a 12 (compare-os com João 8:44). Hoje, em muitos círculos religiosos, esta diferença não é reconhecida. Concorda-se que alguns praticam o cristianismo mais que outros. Mas, se alguns se declaram salvos, dando a entender que outros estão perdidos, isto é tido como arrogância e visão limitada. Entretanto, essa incompreensão da parte do mundo, que pode chegar até ao ódio, nos dá a oportunidade de nos assemelhar um pouco ao Senhor Jesus enquanto esteve aqui na terra (final do v. 1; João 16:1-3). Em breve também seremos semelhantes a ele em glória, pois então o veremos como ele é (v. 2).

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

E DEU ordem ao que estava sobre a sua casa, dizendo: Enche de mantimento os sacos destes homens, quanto puderem levar, e põe o dinheiro de cada um na boca do seu saco

Gênesis 44:1-17 (leia aqui)

A rede está se fechando em volta dos irmãos de José. Circunstâncias imprevisíveis — embora dirigidas por uma mão fiel — os obrigam a voltar pelo mesmo caminho e aparecer diante daquele que tudo conhece. Agora a consciência deles é afetada. “Que falaremos? E como nos justificaremos?” (v. 16). Que progresso, moralmente falando, eles haviam feito desde o momento quando fingiram ser “homens de retidão”! (42:11). Eis por que o livramento está próximo.

Com em toda a história de José, esses incidentes têm um propósito profético. Israel, temporariamente colocada de lado depois de rejeitar a Cristo, o verdadeiro José, será levada a reconhecer seu crime, e ver no Nazareno, a quem eles rejeitaram e crucificaram, Aquele a quem Deus fez tanto Senhor e Cristo (Atos 2:36), o Messias deles e ao mesmo tempo, o Filho do Homem que governará sobre todo o universo. Contudo, a fim de que esta obra na consciência deles aconteça, Israel, e especialmente a tribo de Judá, deve primeiro passar por um período de profunda provação, chamada de “a grande tribulação” (Apocalipse 7:14). A aflição dos irmãos de José, até a confissão de seu crime, nos fala da angústia que será a porção do povo judeu antes de reconhecerem e honrarem o seu Messias

Vendo, pois, José a Benjamim com eles, disse ao que estava sobre a sua casa: Leva estes homens à casa, e mata reses, e prepara tudo; porque estes homens comerão comigo ao meio-dia.

Gênesis 43:16-34 (leia aqui)

Quão difícil deve ter sido para os irmãos de José colocar os seus próprios recursos de lado! Contudo, eles tiveram de aceitar o fato de que a dívida deles tinha sido paga. Podemos estar certos de que a conta do despenseiro da casa de José estava correta, já que ele lhes disse: “O vosso dinheiro me chegou a mim” (v. 23). O grande José tinha pessoalmente feito o pagamento por seus irmãos. Do mesmo modo Cristo arcou com todo o preço de nossa paz. O nosso débito foi pago completamente e só Ele conhece o significado disto. Contudo, enquanto o mal não tiver sido julgado e confessado, não podemos apreciar o gozo da comunhão. Uma refeição feita em conjunto com outras pessoas é figura desta comunhão, a qual encerra uma perfeita compreensão, um diálogo compartilhado por todos os participantes. Não é assim na mesa do Senhor, onde os crentes, todos juntos, lembram de Seus sofrimentos? Mas aqui, por causa do pecado que levanta uma barreira entre eles, José come “à parte” e seus irmãos também comem “à parte” (v. 32).

Quando ler esses capítulos, observe quantas vezes José chora: (42:24; 43:30; 45:2, 14; 46:29; 50:1, 17). É uma coisa maravilhosa o fato de ele não chorar na cova nem na prisão. Essas lágrimas são de amor. Elas nos fazem pensar nas lágrimas do Senhor Jesus (João 11:35; Lucas 19:41).