Filhinhos, eu vos escrevo, porque os vossos pecados são perdoados, por causa do seu nome.

1 João 2:12-19

Paulo vê os cristãos como aqueles que formam a igreja de Deus. Já Pedro os vê como os que constituem o povo celestial de Deus e seu rebanho. E João os vê como membros da família de Deus, unidos pela mesma vida que receberam do Pai. Numa família, geralmente os irmãos e irmãs têm idades e etapas de desenvolvimento diferentes, ainda que a relação filial e a parte da herança do caçula sejam as mesmas que as do filho mais velho. O mesmo acontece na família de Deus. Entramos nela pelo novo nascimento (João 3:3), e em seguida normalmente vem o crescimento espiritual. A criancinha que só sabia reconhecer a seu Pai (veja Gálatas 4:6 e Romanos 8:15-17), logo passa à fase da mocidade e seus conflitos. E o que está em jogo nessas lutas é o seu coração: vai apegar-se ao Pai ou ao mundo? “O Maligno” dispõe de três chaves para introduzir o mundo nos corações: “A concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida”.

Finalmente, o jovem se torna (ou deveria tornar-se) um pai que tem experiência pessoal com Cristo.

O apóstolo escreve mais extensamente aos filhinhos. Por causa de sua inexperiência estão mais expostos a “todo vento de doutrina” (Efésios 4:14). Atentemos para não permanecer como criancinhas a vida inteira!

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: