Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor (Romanos 6:23).

Vida eterna – uma doce ilusão?

Há pouco tempo, um curto artigo foi publicado no jornal com o seguinte título: “Vida eterna – até agora apenas uma doce ilusão”. Segundo o artigo, os cientistas consideram possível que um dia a expectativa de vida chegue a cem anos, mas a conclusão foi: “uma idade excessivamente longa simplesmente não é possível”.

Certamente que a vida eterna é uma utopia neste mundo passageiro. Há razões mais que suficientes para isso. Quando Deus criou a humanidade, Ele a projetou para viver uma vida feliz na terra sob as circunstâncias mais favoráveis que se pode imaginar. Mas a Sua criatura transgrediu o único mandamento imposto: Adão e Eva comeram o fruto proibido e falharam no teste de obediência.

Deus os advertiu, e a morte entrou, afetando a vida deles e se tornando o maior inimigo do homem. O apóstolo Paulo escreveu aos Romanos: “Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (5:12).

A vida eterna é uma realidade! Deus forneceu uma saída para essa situação desesperadora. A Bíblia testifica que pela fé em Cristo, o Filho de Deus, qualquer pessoa pode obter a nova e duradoura vida divina. Mas para isso é preciso admitir que somos pecadores e confessar nossos pecados a Deus, crendo na obra expiatória do Senhor Jesus.

Então Deus nos dará a vida eterna, uma vida que viveremos para sempre, uma vida além de toda imaginação humana.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco obtiveram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo,

2 Pedro 1:1-11

Pedro inicia sua segunda epístola relembrando os cristãos sobre as riquezas das quais o Senhor os fez participantes, a saber, a preciosa fé (v. 1), “todas as coisas” que conduzem à vida e à piedade (v. 3) e as “preciosas e mui grandes promessas” (v. 4). A nossa fé, que se apropria das bênçãos de Deus, não deve ser infrutífera. É necessário que a ela se adicione energia, chamada de virtude, a fim de alcançar o conhecimento (tema central da epístola). Ao mesmo tempo, é essencial que tenhamos domínio próprio e paciência a fim de aprendermos a permanecer firmes, sem, contudo, desfalecer. É dentro dessa atmosfera espiritual que desenvolvemos os nossos relacionamentos: (1) com o Senhor: a piedade; (2)com os irmãos: a
fraternidade; (3) com todos: o
amor. Estes sete complementos da fé formam um todo, assim como os elos de uma corrente. A ausência de apenas um destes complementos traz conseqüências dramáticas para um cristão, deixando sua vida espiritual míope, ineficiente e infrutífera. Ele não consegue enxergar longe; sua fé não consegue distinguir no horizonte a cidade celestial, o fim da peregrinação cristã (veja Hebreus 11:13…). Os portões eternos já foram abertos para Cristo, o Rei da glória (Salmo 24:7, 9). Que Ele nos conceda uma entrada abundante em Seu reino eterno quando chegar a nossa vez.

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

E viram-no de longe e, antes que chegasse a eles, conspiraram contra ele para o matarem.

Gênesis 37:18-36 (leia aqui)

O longo caminho percorrido por José em busca de seus irmãos é uma figura do caminho tomado pelo Filho de Deus para buscar e salvar aqueles que estavam perdidos. Este foi, primeiramente, o caminho em que Ele aniquilou a Si mesmo: Ele, sendo Deus, se fez homem. Depois foi também o caminho em que Ele humilhou a Si mesmo até a morte, sim, “e morte de cruz” (Filipenses 2:7-8).

Depois aconteceu o crime cujos detalhes todos nos falam da cruz de Cristo; eles conspiraram para matar aquele que tinha vindo servi-los (Salmo 109:5; Jeremias 11:19 e João 11:53). “Acorrem em tropel contra a vida do justo e condenam o sangue inocente” (Salmo 94:21). Eles tiraram dele a túnica (Salmo 22:18) e o lançaram em uma cova, figura da morte. Todos estes sofrimentos acometeram em sua plena realidade o nosso Salvador.

Finalmente eles vendem José como escravo a estrangeiros por “vinte siclos de prata”. Aquele que era maior que José foi vendido por trinta moedas de prata, um “magnífico preço” na avaliação deles (Zacarias 11:13) e depois entregue a Pilatos pelos judeus. Quão grande não deve ter sido a angústia de José! E quanto maior angústia sofreu Aquele de quem José é apenas um fraco reflexo, quando passou por todos esses sofrimentos e pela própria morte por amar a você e a mim.

“Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus.” (Romanos 6.10-11)

A sexta conseqüência da morte de Jesus se relaciona com a nossa natureza pecadora. Nós gememos por causa dessa natureza, porque, à luz da majestade e da santidade de Deus, notamos que somos corruptos por natureza. Andamos curvados sob esse fardo até que se revele para nós o mistério da morte de Jesus e seu efeito sobre nosso ser.

A conseqüência da morte de Jesus sobre nossa natureza é descrita claramente no versículo acima. Isso significa de maneira bem prática: quando você sente a sua natureza pecaminosa, quando se dá conta das más inclinações e tendências que você tem, nesse momento, pela fé você deve se posicionar na cruz de Jesus. Ele morreu e eu morri com Ele – esse é o fato, a realidade, quer eu a sinta quer não. Se você assumir essa posição, então, conforme Romanos 6.7, você estará “justificado do pecado”, pois aquele que morreu já está justificado do pecado inerente à sua natureza pecaminosa. Deus não vê mais essa índole pecaminosa uma vez que você morreu com Cristo que o livrou desse caráter de pecado.

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)