“Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito.” (João 19.30)

A morte de Jesus é um acontecimento tão inconcebível que com palavras humanas jamais poderemos descrevê-lo em toda a sua profundidade. Pois quando Jesus morreu não morria alguém com vida passageira, condicionada pelo tempo e pelo espaço, mas morria o único que tinha a imortalidade dentro de si. Naquela ocasião, Deus morreu em Jesus Cristo; naquela ocasião, morreu a vida eterna. Mas, em essência, a vida eterna não pode morrer – pois seria uma contradição; um poder ainda maior deve ter estado por detrás dos fatos. E esse poder foi o amor dominante e imperioso do Pai e do Filho! Lemos isso de modo profético em Cantares 8.6: “…porque o amor é forte como a morte.” Quando a vida eterna personificada bradou: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”, Deus se calou: “…calar-se-á por seu amor” (Sf 3.17, ERC). Assim, a palavra da cruz, em toda a sua extensão, no que diz respeito a nós, que seremos salvos, é de fato um poder de Deus, como diz 1 Coríntios 1.18. Mas para o mundo é uma loucura, pois o que um homem natural pode fazer com um Cristo crucificado? Nosso Senhor entregou Sua vida voluntariamente. Ela não lhe foi tirada, pois primeiro Ele inclinou a cabeça, e só depois é que ele morreu.

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: