Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão (Hebreus 4:14).

Ele sofreu as nossas dores

Temos um Sumo Sacerdote que penetrou nos céus, o Senhor Jesus. Ele foi tentado em todas as coisas como nós, mas nunca pecou, a fim de que pudesse compreender nossas falhas. A Palavra de Deus lança luz sobre nossos pensamentos, nos julga e discerne o que há em nosso coração. No entanto, Deus não compartilha da natureza pecaminosa que produz tais coisas. Porém, no que se refere à nossa fraqueza, o Senhor Jesus sabe por experiência o que sentimos.

É claro que Cristo não tinha desejos maus. Ele foi tentado de todas as maneiras, e não pecou. Nele não havia como o pecado se instalar. Eu não quero nenhuma compaixão pelo pecado que habita em mim; eu o detesto e quero que seja julgado severamente. Isso é o que a Palavra faz. Eu procuro compreensão por causa de minhas fraquezas e dificuldades, e encontro isso no sacerdócio de Cristo.

Para que alguém me compreenda não é necessário que tenha os mesmos sentimentos que eu – pelo contrário, quando estou sofrendo não quero me apoiar em quem está sofrendo também. Mas é necessário ter uma natureza capaz de sondar a dor alheia para que eu possa me compadecer dos outros.

Esse foi o caso do Senhor Jesus quando realizou Seu sacerdócio. Ele ficou fora do domínio do pecado, mas entrou em nossa humanidade. Ele experimentou provações que todos os filhos de Deus experimentam, mas em um nível mais profundo do que qualquer ser humano.

Ele experimentou! Ele compreende! Ele ouve! Ele sabe! Basta, pois, nos aproximarmos “com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno” (Hebreus 4:16).

Extraído do devocional “

Pela fé, Raabe, a meretriz, não pereceu com os incrédulos, acolhendo em paz os espias (Hebreus 11:31).

Meditações sobre o livro de Josué(Leia Josué 2:1-13)

Dois assustadores obstáculos estavam no caminho do povo para Canaã. O primeiro era o Jordão, fronteira da terra. O segundo era Jericó, a fortaleza inexpugnável. Josué enviou dois espias para lá. Parece que a missão deles se limitava a essa visita à casa de Raabe, onde eles avaliariam não o poderio do inimigo, mas o operar de Deus no coração daquela mulher. Raabe tinha ouvido o que Deus fizera por Seu povo. Ela confiou nEle. Por fim, ela agiu, pois “a fé sem obras é morta”, e Tiago usou essa pobre mulher cananéia, juntamente com Abraão, como exemplos de seu ensino (2:25). Aos olhos do mundo, a atitude de traição dessa mulher é absolutamente deplorável. Mas a ação dela claramente enfatiza a distinção entre atos de fé que agradam a Deus e “boas obras” que glorificam o ser humano. Não há nada mais longe da verdade que pensar que todas as atitudes dos crentes serão sempre entendidas e apreciadas pelo mundo.

A fé de Raabe a colocou em um lugar de honra em duas listas do Novo Testamento: na genealogia de Jesus Cristo (Mateus 1) e na lista das testemunhas fiéis de Hebreus 11, na qual, além do dela, só consta o nome de outra mulher, Sara.

Extraído do devocional “

Ao anjo da igreja em Sardes escreve: Estas coisas diz aquele que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto.

Apocalipse 3:1-13

Séculos se passaram. Do meio de Tiatira, Deus suscita a Reforma, um poderoso movimento impulsionado pelo Espírito Santo. Em seguida observamos uma nova decadência. A morte espiritual se apoderou da igreja em Sardes. A Igreja recebe a ordem de se lembrar e se arrepender (V. 3, compare com 2:5 e 16; 3:19). Quem é o vencedor aqui? É aquele que não contaminou as suas vestiduras. Conhecemos esse tipo de vitória, isto é, permanecemos puros? O vencedor de Sardes será “vestido de vestiduras brancas”. Ao contrário da falsa pretensão da igreja de ter o “nome de que vives”, seu nome nunca será apagado do livro da vida.

Filadélfia (cujo nome significa amor fraternal) é a filha do “despertamento espiritual” ocorrido no século dezenove. As características principais dessa igreja são: (1) pouca força , todavia o Senhor mantém aberta para ela a porta do evangelho; (2)fidelidade à Palavra de Deus, que manterá Sua promessa: “Venho sem demora”; (3) amor pelo Seu nome, por isso a sua porção será seu novo nome. A resposta de Cristo ao escárnio do mundo para com Sua Igreja será aprová-la publicamente: “Farei… conhecer que eu te amei”.

Temos a responsabilidade de herdeiros do testemunho de Filadélfia. Que o Senhor nos ajude a manifestar as características dessa igreja e não perder nossa coroa! O Seu regozijo em dar-nos essa recompensa será maior que o do vencedor ao recebê-la.

Extraído do “

Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve: Estas coisas diz aquele que tem a espada afiada de dois gumes:

Apocalipse 2:12-29

No período de Esmirna, dez grandes perseguições consecutivas não puderam aniquilar a fé cristã. Pelo contrário, como alguém escreveu: “o sangue dos mártires veio a ser a semente da Igreja”. Por isso Satanás muda para outra tática, a que se vê em Pérgamo. O que a violência não pôde produzir, seria alcançado pelo favor das autoridades. O imperador Constantino, no ano 312, adotou o cristianismo como a religião do Estado. Muitos talvez tenham visto neste acontecimento uma grande vitória em prol da verdade, mas o que aconteceu de fato foi o favorecimento da indolência, do mundanismo e a introdução de muitas doutrinas estranhas (V. 14-15).

Em Tiatira, igreja que se manterá até o final, o mal avança mais um passo. É o período de trevas da Idade Média, comparado aqui com o terrível reinado de Acabe, cuja mulher, Jezabel, o incitava a fazer o mal (1 Reis 21:25). A Igreja estava cansada de ser estrangeira aqui na terra e quis reinar. O papel político que o papado sempre desejou desempenhar tornou-se conhecido. Contudo, o domínio que a igreja de Tiatira anelou tão arrogantemente é prometido àqueles que ela oprimiu, torturou e queimou em fogueiras, pois são esses os verdadeiros vencedores. Eles hão de reinar com aquele que vem como a Estrela da manhã.

Extraído do “

ENTÃO José se lançou sobre o rosto de seu pai e chorou sobre ele, e o beijou.

Gênesis 50:1-14 (

Quanto a Gade, uma tropa o acometerá; mas ele a acometerá por fim.

Quando a Igreja de Cristo tiver sido arrebatada, a “hora da tentação” virá “sobre todo o mundo” (Apocalipse 3:10). Um remanescente fiel de Israel passará por esta terrível tribulação. Podemos ver isto nas palavras dirigidas a Gade por Jacó. Benjamim nos fala do Rei (Cristo) estabelecendo Seu reino depois da destruição de Seus inimigos, enquanto Aser e Naftali representam o povo finalmente abençoado pelo reino instituído.

Embora saiba que não estará na terra naquela época, o filho de Deus deve se interessar por estas coisas e regozijar-se com o pensamento de que o verdadeiro
José (Cristo), Ele que tem sido odiado e rejeitado, terá o poder supremo e estará ali como bênção para todo o mundo. “José é um ramo frutífero… seus ramos correm sobre o muro” (v. 22), além das fronteiras de Israel. A bênção chegará às nações que são estranhas aos concertos da promessa (Efésios 2:12). Assim Jesus, o verdadeiro José, fora “distinguido entre seus irmãos” (o significado literal de Nazareno). Outrora “lhe deram amargura… o aborreceram” (v. 23), agora Deus “o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo nome” (Filipenses 2:9). Este nome, acima de todos os outros, é o nome de Jesus: Deus nosso Salvador. Este nome é também grande para você?

“Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração. Serei achado de vós, diz o Senhor…” Jeremias 29.13-14

Deus quer dar um avivamento ainda hoje. Muitos cristãos estão preocupados com essa questão, sobre a qual há distintas opiniões. Existem pessoas excelentes e consagradas a Deus que pensam que o Senhor não mais manda um avivamento hoje em dia. Mas eu creio de todo o coração que um despertamento é a única preparação correta da Igreja de Jesus para a vinda do Senhor. Porém, temos efetivamente um motivo para supor que é vontade de Deus enviar um avivamento? Sim, pois a Bíblia promete avivamento!

É sempre fundamental que se descubra a vontade de Deus, inclusive para a nossa própria vida, pois uma pessoa somente pode ser feliz quando vive na esfera e no âmbito da vontade de Deus. É possível perder o melhor que Deus quer nos dar quando, por desobediência, nos recusamos a fazer a vontade de Deus. Como Deus nos revela a Sua vontade? Pela direção do Espírito Santo. O próprio Senhor Jesus disse que o Espírito Santo nos guiaria a toda a verdade. Todos aqueles que, de fato, quiserem se deixar dirigir serão guiados por Ele. O pressuposto para isso é que você queira fazer a vontade do Senhor a qualquer preço. Assim você nunca vai errar, pois o Espírito de Deus o guia a toda a verdade.

Extraído do livro “