Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo?

Tiago 2:14-26

Algumas pessoas acreditam haver uma contradição entre o ensino de Tiago e o de Paulo (Romanos 4). Na verdade, cada ensino apresenta um aspecto distinto da verdade. Paulo demonstra que a fé é suficiente para sermos justificados diante de Deus. Tiago explica que, para sermos justificados ante os olhos dos homens, as obras são necessárias (v. 24; 1 João 3:10). Não é a raiz, mas sim o fruto que comprova a qualidade de uma árvore (Lucas 6:43, 44). A fé interior não pode ser manifestada para outros a não ser por meio das obras. Não podemos ver a eletricidade, mas o funcionamento de uma lâmpada ou de um motor nos confirma a presença de corrente no fio elétrico. A fé é um princípio ativo (v. 22), uma energia interior que coloca as engrenagens do coração em movimento. Paulo e Tiago ilustram seus ensinamentos usando o mesmo exemplo de Abraão, ao qual comparamos também com o exemplo de Raabe. Pela moral humana, o primeiro foi um pai criminoso e a segunda foi uma mulher de má reputação que traiu seu povo. As ações de ambos demonstraram claramente o resultado da fé deles, a qual os levou a fazer os maiores sacrifícios por Deus.

Amigo, talvez algum dia você já tenha dito que tem fé. Mas será que você já demonstrou sua fé também?

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: