E ABRAÃO tomou outra mulher; e o seu nome era Quetura;

Gênesis 25:1-18 (leia aqui)

A final da vida de Abraão compreende um amplo quadro profético:

Capítulo 21: o nascimento do Filho;

Capítulo 22: a cruz e a ressurreição do verdadeiro Isaque;

Capítulo 23: Israel é colocado de lado (a morte de Sara);

Capítulo 24: o chamado da Igreja e sua união com Cristo na glória;

Finalmente, o capítulo 25: a introdução do reino milenar, quando as nações da terra, representadas pelos filhos de Quetura, serão abençoadas em sua associação com Isaque. Abraão deu a Isaque tudo o que possuía. Isaque representa Cristo como o Herdeiro de todas as coisas. “Proclamarei o decreto do Senhor: Ele me disse: Tu és meu Filho… Pede-me, e eu te darei as nações por herança” (Salmo 2:7-8). Pela fé, Abraão conduziu os seus pensamentos para este futuro glorioso. Ele contemplava para além de Isaque, Àquele mediante quem as promessas seriam cumpridas. “Abraão, vosso pai, alegrou-se por ver o meu dia”, disse Jesus aos judeus, “viu-o e regozijou-se” (João 8:56). Ele morreu na fé, “sem ter obtido as promessas; vendo-as, porém, de longe, e saudando-as” (Hebreus 11:13). Por essa razão, Abraão é um dos homens de quem Deus não se envergonha de ser chamado seu Deus. Ele próprio Se chama o “Deus de Abraão”. Ele também poderia ser chamado de seu Deus?

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: