Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança, por causa de sua fraqueza e inutilidade

Hebreus 7:18-28

Até que fosse feito “mais alto do que os céus”, Jesus não podia ser nosso Sumo Sacerdote. Para que fosse capaz de nos representar diante de Deus, era necessário que, em primeiro lugar, Ele oferecesse a si mesmo por nós. Acima de tudo, precisávamos de um Redentor. Mas agora o Salvador de nossa alma é também Aquele que nos salva perpetuamente, ou seja, o que cuida de nós até que entremos em Sua glória. E como vive para sempre, temos a plena segurança de que Ele nunca nos faltará. De fato, “nos convinha um sumo sacerdote com este”. Sua perfeição moral, expressa de todas as formas, e Sua posição gloriosa diante de Deus nos levam a exclamar: “Olha, ó Deus… e contempla o rosto do teu ungido” (Salmo 84:9).

Em breve, não teremos mais necessidade de Sua intercessão. Ela cessará quando todos os redimidos chegarem ao final da peregrinação. Por que, então, repete-se a frase “Tu és sacerdote para sempre”? (5:6; 6:20; 7:17,21). Porque é o sacerdote que também conduz o louvor – um serviço eterno que nosso amado Salvador não exercerá mais sozinho. Ele será acompanhado daqueles que salvou inteiramente, e que permanecerão a Seu lado para sempre na glória (2:12).

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: