Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus,

Hebreus 6:1-20

Avancemos agora até a maturidade espiritual. Não nos contentemos, como estes cristãos que abandonaram o judaísmo, em conhecer algumas verdades elementares. O Senhor Jesus quer ser para nós mais que um Salvador de obras mortas; Ele deseja ser nosso Senhor, nosso Exemplo, nosso Melhor Amigo…

Os versículos de 4 a 6 são usados freqüentemente pelo diabo para perturbar os filhos de Deus. Na realidade, estes versículos foram escritos para aqueles que se dizem cristãos sem de fato o serem. No estado moral descrito aqui, não se pode achar nenhum traço da vida divina comunicada à alma do verdadeiro crente. Isso acontece porque, infelizmente, é possível viver em meio aos privilégios cristãos sem ter passado por uma conversão genuína! Isso era verdade para certos judeus; e talvez também o seja para filhos de pais cristãos. Verdadeiros cristãos nunca podem perder a salvação. Mas correm sério risco de perder o zelo. Tal como o trabalho de amor que Deus não esquece, a e a esperança não podem ser negligenciadas (vv. 10, 11, 12). Elas são alimentadas pelas promessas divinas. O cristão conhece seu porto de chegada mesmo quando não consegue vê-lo; sua âncora está ali. Por mais agitado que seja o mar desta vida, a fé é a corda que une firmemente o resgatado ao imutável lugar celeste onde está o Objeto de sua esperança.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: