Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e o irmão Timóteo, ao amado Filemom, também nosso colaborador,

Filemom 1-12

Nos livros escolares, as teorias são geralmente seguidas por uma aplicação aos problemas. A epístola a Filemom nos lembra disso. Ela não contém nenhuma revelação especial, mas mostra como Paulo e seus companheiros põem em prática as exortações contidas em outras epístolas. “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade…” escreveu ele aos colossenses (Colossenses 3:12; compare o v. 5 de Filemom com Efésios 1:15). Era precisamente em Colossos que vivia Filemom, um homem piedoso, amigo do apóstolo; ele era rico, pois tinha escravos. Um deles, Onésimo, depois de fugir de sua casa, encontrou o apóstolo Paulo, prisioneiro em Roma, e se converteu. Agora o apóstolo o envia de volta à casa de seu amo, levando consigo esta comovente mensagem. Isto era agir contrário ao que a lei ordenava: “Não entregarás ao seu senhor o escravo que, tendo fugido dele, se acolher a ti. Contigo ficará…” (Deuteronômio 23:15-16). A lei, por um lado, levava em conta a dureza de coração do homem. O próprio Senhor Jesus disse, ao falar da carta de divórcio: “Por causa da dureza do vosso coração, ele [Moisés] vos deixou escrito esse mandamento” (Marcos 10:5). Aqui, a graça na vida do apóstolo leva em conta essa mesma graça presente no coração de Filemom. Paulo conhece bem o amor de Filemom por todos os santos (v. 5), por meio das provas que deu dele (v. 7).


 

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: