E depois disto edificou o muro de fora da cidade de Davi, ao ocidente de Giom, no vale, e à entrada da porta do peixe, e ao redor de Ofel, e o levantou muito alto; também pôs capitàes de guerra em todas as cidades fortificadas de Judá. E tirou da casa do Senhor os deuses estranhos e o ídolo, como também todos os altares que tinha edificado no monte da casa do Senhor, e em Jerusalém, e os lançou fora da cidade. E reparou o altar do Senhor e ofereceu sobre ele sacrifícios de ofertas pacíficas e de louvor; e ordenou a Judá que servisse ao Senhor Deus de Israel. Contudo o povo ainda sacrificava nos altos, mas somente ao Senhor seu Deus.

2 Crônicas 33:14-25 (leia aqui)

A graça de Deus não apenas atendeu à súplica de Manassés, mas lhe deu outra oportunidade de remediar o mal que fizera no passado. De fato, algumas conversões se dão somente no leito de morte. E, embora ainda haja tempo para a alma ser salva, já é muito tarde para servir o Senhor aqui no mundo. Que irremediável perda eterna (2 Coríntios 5:10; 1 Coríntios 3:15)!

Os frutos são a prova da conversão. A conversão de Manassés era claramente visível a Judá. Os falsos deuses, aos quais ele servira com tanto fervor, são rejeitados; a adoração ao Senhor substitui o culto aos ídolos. Essa é genuinamente a marca da verdadeira conversão (1 Tessalonicenses 1:9). Tal palavra significa uma virada, uma completa mudança de direção. O Senhor Jesus se torna o centro da vida de uma pessoa e toda a energia que antes era consumida para servir ao mundo e ao pecado agora é empregada para servir a Deus.

Amom não tirou proveito do exemplo de seu pai. Ele não se humilhou. Portanto, passou “como a flor da erva” – de acordo com a expressão do profeta – ao soprar sobre ele “o hálito do Senhor” (Isaías 40:6-7).

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: