Ora, o nosso mesmo Deus e Pai, e Jesus, nosso Senhor, dirijam-nos o caminho até vós, e o Senhor vos faça crescer e aumentar no amor uns para com os outros e para com todos, como também nós para convosco, a fim de que seja o vosso coração confirmado em santidade, isento de culpa, na presença de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus, com todos os seus santos.

1 Tessalonicenses 3:11-13; 4:1-8

Não são as nossas provas que devem mover-nos a esperar pelo Senhor, mas sim o nosso amor! Sua vinda “com todos os seus santos” (v. 13) é o grande pensamento que deve reger todo o nosso comportamento. Somos santos aos olhos de Deus por meio da perfeita obra de Cristo (Hebreus 10:10). Mas ao mesmo tempo somos exortados a firmar nosso coração na santidade prática (3:13); ela é a expressa vontade de Deus para cada um dos Seus (4:3). Um crente deve particularmente cuidar-se para permanecer puro (v. 4). Ao considerar seu corpo um instrumento de prazer, peca em primeiro lugar contra si mesmo: às vezes arruína sua saúde, e sua consciência perde a sensibilidade diante do mal e trabalha impropriamente, como o ponteiro de uma bússola danificada.

Ele também pode prejudicar grandemente outras pessoas (v. 6; Hebreus 13:4). Quantas vidas destruídas, mentes e corpos corrompidos e lares arruinados pagaram o preço da vaidade de uma conquista e alguns momentos de prazer! Finalmente, a impureza, sob todas as suas formas, é pecado contra Deus, como disse Davi no Salmo 51:4: “Pequei contra ti, contra ti somente”. O nosso corpo não mais nos pertence; ele se tornou templo do Espírito que Deus nos deu (v. 8; 1 Coríntios 6:18-20). O Espírito Santo requer uma habitação santa. Conservar nosso corpo íntegro e irrepreensível (5:23) é honrar a Aquele que nele habita.

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: