Porque vós, irmãos, sabeis, pessoalmente, que a nossa estada entre vós não se tornou infrutífera;

1 Tessalonicenses 2:1-12

Os ultrajes e os maus-tratos padecidos por Paulo e Silas em Filipos (Atos 16:12-40), longe de desanimá-los, os impulsionaram a anunciar o Evangelho com ousadia. A furiosa reação do adversário provava precisamente que o trabalho deles não tinha sido em vão (v. 1). Ademais, eles não fizeram uso de nenhum dos métodos habituais da propaganda humana: sedução, fraude, bajulações e desejo de agradar; como escreveu o apóstolo aos coríntios: “… em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus” (2 Coríntios 2:17). Com muita freqüência, hoje em dia, o Evangelho é apresentado sob um aspecto atraente e sentimental ou como o complemento de uma obra social. O ministério de Paulo tampouco foi inspirado por um dos três grandes motivos da atividade humana: busca de glória pessoal, satisfação da carne e aquisição material. Pelo contrário, os sofrimentos do apóstolo testificavam completo desinteresse pessoal (ver Atos 20:35). Dois sentimentos o animavam: a contínua preocupação de agradar a Deus (v. 4) e o amor por aqueles que se tinham tornado “seus filhos”. Como uma mãe, ele lhes havia alimentado e cuidado com ternura (v. 7). Como um pai, ele os exortava, consolava e ensinava a andar (vv. 11-12). Mas antes de tudo queria que eles tivessem plena consciência de suas relações com Deus. Que posição a deles… e a nossa! Deus nos chama nada menos que para Seu próprio reino e glória.

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: