Descansa no Senhor e espera nele. (Salmo 37.7)

A pessoa que em seu coração sempre se deixa influenciar de um lado para outro porque não consegue lançar todas as suas preocupações sobre Deus também não consegue esperar pelo Senhor de maneira adequada. Por favor, se aquiete e faça calar agora todas as outras vozes de seu interior; não ouça mais o que elas lhe dizem! Se somos pessoas muito emotivas, temos uma certa facilidade em desviar nossa atenção do alvo que é esperar pelo Senhor. Se você realmente virou as costas aos falsos deuses e resolveu servir ao Senhor, você nem consegue viver de outra maneira que não seja esperando pelo Senhor. Será que não é hora de você se afastar aqui e agora de tudo aquilo que obscurece a sua espera pela volta de Jesus? Só temos um curto prazo, pois o Senhor muito em breve virá. Todas as manifestações que acompanharão o juízo de Deus sobre esta terra já se fazem presentes. Tudo ao nosso redor se encontra em um processo de transformação. E, em meio a essa situação, o Senhor nos exorta com a maior seriedade em 2 Pedro 3.11: “Visto que todas essas cousas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade.” João nos exorta para o mesmo comportamento usando outras palavras: “Filhinhos, agora, pois, permanecei nele, para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e dele não nos afastemos envergonhados na sua vinda.”

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Tende sal em vós mesmos, e paz uns com os outros (Marcos 9:50).

O sal

O sal é eficiente de duas maneiras. Primeiro porque serve para retardar o processo de putrefação. Isso o tornou um agente muito útil para conservar gêneros alimentícios na antigüidade. A carne era salgada para se manter por mais tempo. A segunda e mais primordial propriedade é que ele intensifica o sabor dos alimentos. Ele ressalta as qualidades daquilo que ingerimos. Em sentido figurado, ambas as características do sal podem ser aplicadas à vida espiritual.

O mal tem de ser condenado e evitado. Isso envolve julgarmos a nós mesmos. Seja qual for o pecado que tenhamos cometido e tenhamos consciência dele, Deus, nosso Pai, requer confissão de nossos erros. Se fizermos isso, Ele nos garante o perdão. O autojuízo também acarreta a condenação dos impulsos e ditames da velha natureza antes que se tornem pensamentos, palavras ou atos pecaminosos.

O que é bom e benéfico tem de ser cultivado. Precisamos de en corajamento para fazermos o que é bom. “Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Filipenses 4:8). Essa atitude irá produzir em nós as mesmas características do Senhor Jesus. Ele permaneceu intocado pelo mal e sempre fez aquilo que era bom. Além disso, estaremos em paz com os demais. Ter sal em nós é uma decisão diária. Que o Senhor nos conceda a força necessária para prosseguirmos nesse caminho!

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Pelo que, não podendo suportar mais o cuidado por vós, pareceu-nos bem ficar sozinhos em Atenas;e enviamos nosso irmão Timóteo, ministro de Deus no evangelho de Cristo, para, em benefício da vossa fé, confirmar-vos e exortar-vos, a fim de que ninguém se inquiete com estas tribulações. Porque vós mesmos sabeis que estamos designados para isto;

1 Tessalonicenses 3:1-10

Duas vezes Satanás impediu que Paulo voltasse a Tessalônica (2:18). Deus permitiu esta situação para que fossem manifestados tanto os afetos do apóstolo como a fidelidade dos tessalonicenses. Então “o tentador” (v. 5), utilizando outra arma, suscitou contra eles grandes tribulações. Paulo lhes havia advertido que não só essas provas eram inevitáveis, mas que os tessalonicenses estavam “designados para isto” (v. 3; João 15:20; 16:33). Por essa razão, Paulo permanecia indiferente? Pelo contrário! O que lhe preocupava não eram as tribulações dos tessalonicenses, mas sim a firmeza da fé que eles cultivavam (1 Tessalonicenses 3:2, 5-7,10). Esta é uma lição para nós, que facilmente nos detemos diante das circunstâncias exteriores – como dificuldades materiais, enfermidades etc. – e perdemos de vista o estado interior do crente! “Não podendo suportar mais” (vv. 1, 5), o apóstolo enviou Timóteo para fortalecê-los e animá-los. Paulo foi consolado e regozijou-se em meio de sua própria tribulação como conseqüência das notícias recebidas. Porque longe de abalar a fé desses jovens crentes, a prova a havia fortalecido. Do mesmo modo, os climas mais severos geralmente forjam as raças mais resistentes. Uma vez mais, Satanás havia feito uma obra enganosa para si, segundo Provérbios 11:18: “O perverso recebe um salário ilusório”.

E perguntou Ezequias aos sacerdotes e aos levitas acerca daqueles montões.E Azarias, o sumo sacerdote da casa de Zadoque, lhe respondeu, dizendo: Desde que se começou a trazer estas ofertas à casa do Senhor, temos comido e temos fartado, e ainda sobejou em abundância; porque o Senhor abençoou ao seu povo, e sobejou esta abastança.

2 Crônicas 31:9-21 (leia aqui)

O rei questionou os sacerdotes e levitas sobre aqueles “montões”. Da mesma maneira o Senhor toma nota de tudo o que é dado (e o que não é dado) a Ele. Pode ser pouco – cinco pães e dois peixes -, mas Ele pode fazer isso abundar. E, mesmo depois de todos estarem satisfeitos, sempre haverá sobras (v. 10; João 6:12; Malaquias 3:10). Nada do que Deus nos dá é para ser desperdiçado ou estragado.

Administradores são designados para gerenciar as ofertas. Um grupo fica a cargo da estocagem dos suprimentos, enquanto outros com fidelidade distribuem as porções a seus irmãos (v. 15). “Além disso”, diz o apóstolo, “o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel” (1 Coríntios 4:2). O próprio Paulo deu o exemplo disso quando foi pessoalmente a Jerusalém distribuir os resultados de uma coleta (Romanos 15:25-26; 1 Coríntios 16:3-4). E tal fidelidade é essencial também quando se trata do alimento espiritual para o povo de Deus.

Ezequias fez o que era bom, reto e verdadeiro. E o fez “de todo coração”. Isso resume o trabalho dele. Que ao final de nossa vida neste mundo essa seja também a avaliação de Deus sobre tudo o que realizamos aqui!

O coração deste povo está endurecido, e com os ouvidos ouviram pesadamente e fecharam os olhos, para que nunca com os olhos vejam, nem com os ouvidos ouçam, nem do coração entendam, e se convertam, e eu os cure (Atos 28:27)

Meditações sobre o livro de Deuteronômio (Leia Deuteronômio 29:2-17)

Todo Israel estava reunido para ouvir as palavras da aliança. O poder e o amor do Senhor tinham feito grandes milagres a favor do povo. Eles haviam visto cada uma de suas maravilhas (v. 2), mas não com os olhos do coração (v. 4; Efésios 1:18). Os milagres feitos em benefício daquela nação não tiveram nenhum efeito moral sobre a sua consciência. Aconteceu a mesma coisa no período em que o Senhor Jesus esteve no mundo. “Muitos, vendo os sinais que ele fazia, creram no seu nome; mas o próprio Jesus não se confiava a eles” (João 2:23-24). Também corremos o risco de nos assemelharmos a eles sempre que nos contentamos apenas com o conhecimento intelectual da verdade.

Contudo, o versículo 4 confirma que até então Deus não tinha dado a Israel ouvidos capazes de ouvir. Portanto, será que a falha foi do povo? Claro que sim! O apóstolo Paulo julga esse povo responsável por ter fechado os ouvidos de livre e espontânea vontade por medo de ouvir e converter-se (Atos 28:27-28). Ele continua: “Tomai, pois, conhecimento de que esta salvação de Deus foi enviada aos gentios. E eles a ouvirão”. O Senhor deseja que isso não seja em vão e que nenhum de nós endureça o coração hoje quando ouvir a Sua voz (Hebreus 3:7, 8, 15; 4:7). Note a freqüente repetição da palavra “hoje” ao longo do livro de Deuteronômio.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Porque vós, irmãos, sabeis, pessoalmente, que a nossa estada entre vós não se tornou infrutífera;

1 Tessalonicenses 2:1-12

Os ultrajes e os maus-tratos padecidos por Paulo e Silas em Filipos (Atos 16:12-40), longe de desanimá-los, os impulsionaram a anunciar o Evangelho com ousadia. A furiosa reação do adversário provava precisamente que o trabalho deles não tinha sido em vão (v. 1). Ademais, eles não fizeram uso de nenhum dos métodos habituais da propaganda humana: sedução, fraude, bajulações e desejo de agradar; como escreveu o apóstolo aos coríntios: “… em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus” (2 Coríntios 2:17). Com muita freqüência, hoje em dia, o Evangelho é apresentado sob um aspecto atraente e sentimental ou como o complemento de uma obra social. O ministério de Paulo tampouco foi inspirado por um dos três grandes motivos da atividade humana: busca de glória pessoal, satisfação da carne e aquisição material. Pelo contrário, os sofrimentos do apóstolo testificavam completo desinteresse pessoal (ver Atos 20:35). Dois sentimentos o animavam: a contínua preocupação de agradar a Deus (v. 4) e o amor por aqueles que se tinham tornado “seus filhos”. Como uma mãe, ele lhes havia alimentado e cuidado com ternura (v. 7). Como um pai, ele os exortava, consolava e ensinava a andar (vv. 11-12). Mas antes de tudo queria que eles tivessem plena consciência de suas relações com Deus. Que posição a deles… e a nossa! Deus nos chama nada menos que para Seu próprio reino e glória.

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Então sacrificaram a páscoa no dia décimo quarto do segundo mês; e os sacerdotes e levitas se envergonharam e se santificaram e trouxeram holocaustos à casa do Senhor

2 Crônicas 30:15-27 (leia aqui)

Como o rei da parábola, Ezequias fez com que a proclamação da graça corresse todo o país: “Eis que já preparei o meu banquete… tudo está pronto; vinde” (Mateus 22:4). Muitos não deram a menor importância. E entre os que vieram, alguns não estavam santificados (v. 17). O que fazer? Eles deveriam ser enviados para casa? Absolutamente não! Assim como os convidados do grande banquete receberam do rei uma roupa de festa, assim a graça de Deus purificou tais israelitas, para torná-los dignos de Sua santa presença. E essa purificação é obtida exatamente por meio da Páscoa que iriam celebrar. O sangue das vítimas sacrificadas seria para a santificação deles. Lembremos o sangue de Jesus, o santo Cordeiro de Deus. Ele nos purifica todo pecado (1 João 1:7).

Quanto ao fraco e ignorante, Ezequias, como figura de Cristo, intercede a favor deles diante de Deus que os perdoa. Então se segue a festa dos pães asmos. Ela fala sobre a santificação prática. Grande alegria toma conta da multidão, provando que a consagração a Deus de forma alguma é sinônimo de tristeza. E a oração dos sacerdotes, os porta-vozes do povo, alcança o objetivo: chega à presença de Deus no céu.