E Hirão, rei de Tiro, respondeu por escrito que enviou a Salomão, dizendo: Porque o Senhor tem amado o seu povo, te constituiu sobre ele rei.

2 Crônicas2:11-18 (leia aqui)

Aprendemos ao estudar o Livro dos Reis que Hirão, o mais talentoso trabalhador daquele grupo, era uma figura do Espírito Santo. Era sob a sua brilhante orientação que os artífices designados por Davi realizariam o trabalho. Da mesma maneira, o crente será útil tão-somente se for guiado pelo Espírito de Deus. Veja como no livro de Atos o Espírito transmite as ordens do Senhor aos apóstolos: 1:2; 8:29; 13:2-4, entre outros. Ele freqüentemente nos diz “Não faça isso, ou não vá para aquele lugar”, como fazia com Paulo e seus companheiros (Atos 16:6-7).

No total 153.600 homens estavam separados para realizar a obra. Alguns eram carregadores, outros cortadores de pedras, outros capatazes. Três formas de atividades cristãs estão sugeridas aqui: 1) Carregar fardos em oração. Isto vem antes de qualquer outra coisa. 2) Remover as pedras vivas da pedreira do mundo e trabalhar com elas: esta é a obra de evangelistas e de outros ministros. 3) Estar atento à obra e aos obreiros.

Um ponto digno de nota: a força de trabalho era composta de cananeus, estrangeiros que no passado eram inimigos, mas agora, durante o reinado do rei de paz, se tornaram servos úteis a Israel.

E DETERMINOU Salomão edificar uma casa ao nome do Senhor, como também uma casa para o seu reino.

2 Crônicas 2:1-10 (leia aqui)

O relacionamento entre Salomão e Hirão, rei de Tiro, é representativo do relacionamento que Israel terá com as nações do mundo durante o milênio. Isso acontecerá quando a terra se encher “do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar. Naquele dia, recorrerão as nações à raiz de Jessé que está posta por estandarte dos povos; a glória lhe será a morada” (Isaías 11:9-10).

Em seu amor pela casa de Deus, Davi, além de tudo o que havia preparado, também reuniu trabalhadores para realizar a obra (v. 7; 1 Crônicas 22:15-16). Assim é com a obra do Senhor hoje em dia. Ele exige que os servos sejam cuidadosamente preparados para qualquer tarefa necessária. Começar algo precipitadamente pode ter como conseqüência um trabalho malfeito. Deus, que estabelece as tarefas, também chama e treina os obreiros para executá-las. O trecho de Efésios 2:10 nos lembra de que “somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas”.

SALOMÃO, filho de Davi, fortaleceu-se no seu reino; e o Senhor seu Deus era com ele, e o engrandeceu sobremaneira.

2 Crônicas 1:1-17 (leia aqui)

Logo após a morte de Davi, somos imediatamente apresentados ao reinado do grande Salomão. O nome Salomão significa “o pacífico” e atrai nossa atenção a Cristo, o “Príncipe da paz” (Isaías 9:6), cujo reino vindouro é retratado de maneira belíssima nas passagens e relatos que veremos em seguida. Observemos que tais capítulos tratam principalmente do reino e da adoração terrena do Messias de Israel. No entanto, em mais de uma ocasião, nossos pensamentos serão dirigidos, por analogia ou contraste, à Igreja e sua Cabeça.

O pedido que o Senhor discerne no coração do jovem rei é o mesmo feito por Paulo em favor dos efésios. O apóstolo faz menção deles em suas orações para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, lhes desse espírito de sabedoria e revelação no pleno conhecimento dele e lhes iluminasse os olhos do entendimento (Efésios 1:16-18).

“Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento”, escreveu Salomão em Provérbios 2:6. Que tenhamos o mesmo desejo de possuir a sabedoria do alto e a peçamos Àquele “que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera” (Tiago 1:5).