E DAVI, juntamente com os capitães do exército, separou para o ministério os filhos de Asafe, e de Hemã, e de Jedutum, para profetizarem com harpas, com címbalos, e com saltérios; e este foi o número dos homens aptos para a obra do seu ministério:

1 Crônicas 25:1-8 e 26:13-19 (leia aqui)

Os dons, as responsabilidades e as diferentes atividades são dadas pelo Cabeça da Igreja. Porém, o crente é exortado a desejar esses dons e pedi-los ao Senhor. “Segui o amor e procurai, com zelo, os dons espirituais, mas principalmente que profetizeis… O que profetiza fala aos homens, edificando, exortando e consolando” (1 Coríntios 14:1, 3). Desejamos os dons de Deus para realmente usá-los na obra do Senhor? Então peçamos a Deus que nos dê esses dons espirituais – não para que nos tornemos importantes, mas para o bem da Assembléia e para a glória do Senhor Jesus. Depois dos profetas (cap. 25), novamente são arrolados os porteiros ou supervisores (cap. 26). Esse é um serviço igualmente desejado! “Se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja” (1 Timóteo 3:1).

De novo encontramos aqui Obede-Edom com seus oito filhos e sessenta e dois descendentes. Ele havia reverenciado a arca. Nesse momento, é Deus quem o honra e o abençoa (26:4-8, 15). O Senhor encarregou a família de Obede-Edom da casa de Supim, ou seja, do depósito. Deles dependia a comida dos sacerdotes, uma figura do ensino na Assembléia. De fato, uma tremenda responsabilidade (Mateus 24:45-46)!