E SUCEDEU que, no nono ano do seu reinado, no mês décimo, aos dez do mês, Nabucodonosor, rei de Babilônia, veio contra Jerusalém, ele e todo o seu exército, e se acampou contra ela, e levantaram contra ela trincheiras em redor.

2 Reis 25:1-17 (leia aqui)

Exasperado pelo espírito rebelde dos reis de Judá, Nabucodonosor sobe pela terceira vez contra Jerusalém, a cerca e a subjuga depois de um sítio de mais de um ano. E dessa vez não houve piedade para a cidade orgulhosa. Começando com o templo, ela foi totalmente destruída pelo fogo. Os muros são demolidos, os habitantes são levados para o cativeiro. Zedequias sofre as cruéis conseqüências de sua obstinação. Poucas pessoas são deixadas no país.

Então os caldeus descarregam seu ódio contra o templo, o que para eles simboliza o espírito de resistência dos judeus. Não satisfeitos em queimá-lo, eles o despedaçam e levam os poderosos pilares de bronze, o mar e suas bases, e o restante dos utensílios sagrados. Por que os versículos 16 e 17 repetem os detalhes da decoração dos pilares exatamente no momento em que eles desaparecerão? Sem dúvida, é por uma razão bem dolorosa: para o povo seria a última visão de um objeto amado ao qual o coração deles estaria ligado até o final! Quão belos esse pilares eram, símbolos da estabilidade e força que a partir daquele instante o Senhor estava retirando de um povo desobediente e rebelde (1 Reis 7:21).

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: