E disse: Assim diz o Senhor: Fazei neste vale muitas covas.

2 Reis 3:16-27 (leia aqui)

Pela palavra do Senhor, Eliseu torna conhecidos os meios para a libertação. E, como sempre, a fé é o caminho. Antes de receber qualquer coisa, eles tinham de cavar buracos. Quanto mais cavassem, mais água haveria. Notemos que a água vem “pela manhã, ao apresentar-se a oferta de manjares” (v. 20). Não era em Jerusalém que o sacrifício deveria ser oferecido? Porém, o fluir das águas estava conectado a esse sacrifício. Entendemos o que isso significa: todas as bênçãos fluem como resultado da obra do Senhor Jesus na cruz.

Mas as águas – salvação para os exércitos de Israel – trouxeram em seu curso a destruição dos moabitas. Da mesma maneira, a morte de Jesus, o meio da salvação para os crentes, é ao mesmo tempo o julgamento do mundo (João 12:31-33).

Enganado pelas aparências, os moabitas são derrotados e o país é saqueado. Mas o que o rei deles faz – o horrível sacrifício de seu primogênito – produz constrangimento no acampamento dos vencedores. E, por fim, os três exércitos se separam sem de fato terem obtido nenhum benefício real nessa expedição. Isso é o que sempre receberemos se fizermos alguma coisa sem a aprovação de Deus.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: