E Deus lhe disse: Sai para fora, e põe-te neste monte perante o Senhor. E eis que passava o Senhor, como também um grande e forte vento que fendia os montes e quebrava as penhas diante do Senhor; porém o Senhor não estava no vento; e depois do vento um terremoto; também o Senhor não estava no terremoto;

1 Reis 19:11-21 (leia aqui)

Contrariamente ao que Elias pensou, a mensagem que Deus queria que Israel ouvisse não era de julgamento.

O Senhor não estava no vento, nem no terremoto, nem no fogo. A “poderosa” voz, “cheia de majestade”, a formidável voz do Salmo 29:3-9 dá lugar ao “cicio tranqüilo e suave” da graça. Da mesma maneira, hoje ainda não é o tempo de julgamento para o mundo; é o tempo da graça que perdoa o perdido. Deus pode despertar os homens através de provas de Seu poder, mas apenas a suave voz da graça é capaz de tocar o coração deles. Para recebê-la, entretanto é necessário que reconheçamos nossa própria indignidade.

Por não ser capaz de entender essa linguagem, Elias teve de ser colocado de lado e Eliseu foi chamado para ocupar seu lugar. Deus sabia como fazer o povo ouvir Sua voz de amor.

Por fim, Deus ensina outra lição a Elias. Ele subiu a montanha acreditando ser o único fiel. Ele desceu sabendo que havia sete mil homens que Deus tinha preservado para Si mesmo em Israel. Elias foi incapaz de descobri-los, porém Deus conhecia cada um deles (2 Timóteo 2:19).

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: