E tirou-me para um lugar espaçoso, e livrou-me, porque tinha prazer em mim.

2 Samuel 22:20-32 (leia aqui)

Os livramentos que Deus nos dá (começando por nossa salvação) não dependem de nosso merecimento, mas exclusivamente de Sua graça. Por outro lado, no que diz respeito ao Seu Filho, tamanha excelência foi encontrada nEle que Deus não pôde deixar de livrá-Lo. Entre todos os homens, Cristo é o único que merecia, se é que podemos colocar dessa maneira, Sua ressurreição. Para os que observaram Jesus na cruz, Seu abandono parecia um sinal da desaprovação de Deus. Os escarnecedores balançavam a cabeça, dizendo: “Confiou no SENHOR! Livre-o ele; salve-o, pois nele tem prazer” (Salmo 22:7-8) e “Confiou em Deus; pois venha livrá-lo agora, se, de fato, lhe quer bem; porque disse: Sou Filho de Deus” (Mateus 27:43). Deus assumiu o desafio de ressuscitar Jesus dos mortos. E o Filho, que conhecia o coração do Pai, responde do outro lado da morte: “Livrou-me, porque ele se agradou de mim” (v. 20).

Essas são algumas das maravilhosas razões pelas quais Deus Se deleitava em Jesus: Sua justiça e pureza (vv. 21, 25), Sua fidelidade (v. 22), Sua obediência (v. 23), Sua santidade (v. 24), Sua misericórdia (v. 26), Sua dependência (vv. 29-30), Sua confiança (v. 31); em resumo, Sua perfeição (v. 24). De fato, o olhar do Pai podia repousar com total satisfação sobre o “íntegro” (v. 26).

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: