Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte;

Mateus 26:59-75

Os líderes do povo têm Jesus em seu poder, porém lhes falta um motivo plausível para condená-LO com segurança, uma vez que o Homem perfeito não lhes dá nenhuma base para acusações. Vêem-se então forçados a procurar alguma “falsa testemunha” (Salmo 27:12; 35:11-12). E até mesmo essa testemunha é difícil de encontrar, já que ela deve ter uma aparência de retidão. Por fim apresentam-se duas falsas testemunhas com uma palavra distorcida (comparar v. 61 com João 2:19). Mas o que serve de pretexto para a condenação é a Sua solene declaração de ser o Filho de Deus, pronto a vir com poder e grande glória! A sentença de morte é pronunciada. E imediatamente a brutalidade e a covardia do homem vêm à tona (vv. 67-68). Começa a cumprir-se o que o Senhor tinha várias vezes predito aos Seus (Mateus 16:21; 17:22; 20:18-19 e 26:2).

Para Pedro também é uma hora sombria, mas por uma razão bastante diferente. Satanás, que não pôde fazer o Mestre vacilar, tentará fazer o discípulo cair. Por três vezes, o pobre Pedro nega Aquele pelo qual havia jurado morrer. Chega até mesmo a usar uma linguagem grosseira para enganar os outros, já que, anteriormente, sua maneira de falar o tinha denunciado como um discípulo de Jesus.

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: