OUVE, ó Israel, hoje passarás o Jordão, para entrares a possuir nações maiores e mais fortes do que tu; cidades grandes, e muradas até aos céus;

Deuteronômio 9:1-17 (leia aqui)

Moisés usa os mesmos termos para descrever a força dos inimigos de Israel, como os homens incrédulos que tinham feito desfalecer o coração do povo (1:28). Pois essa força era real. Não era uma questão de o povo ignorá-la, mas colocar sua confiança em um poder maior. O Senhor iria adiante deles para derrotar e destruir o poder do inimigo.

Em contraste aos critérios humanos normais – quantidade ou qualidade –, a intervenção de Deus a favor de Israel não era ditada por números (7:7) nem pelo desempenho natural do povo (v. 6). “Sabe, pois, que não é por causa da tua justiça que o SENHOR, teu Deus, te dá esta boa terra para possuí-la”, lembra Moisés. Menos ainda que Israel, os filhos de Deus não têm justiça em si mesmos da qual possam falar. “Não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou” (Tito 3:5). E para que o povo não fosse tentado a atribuir a escolha de Deus a seus próprios méritos, eles são lembrados pelo seu líder do humilhante episódio do bezerro de ouro. Se continuamente temos de nos lembrar da fidelidade do Senhor (cap. 8), também nunca devemos esquecer o quão débil é o nosso coração (v. 7; Ezequiel 16:30).

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: