CLIPE DE MATA MINHA SEDE ! MARCELO GUEDES

Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso

23 de Julho

“Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso.” Isaías 53.3

Quando contemplamos a atuação de Jesus, vemos como Ele rejeitou decididamente o caminho do sucesso. Seus milagres foram grandes bênçãos na vida das pessoas, mas Ele insistia que não contassem o fato a outros para que a bênção não degenerasse em sucesso. Bênção é algo divino, sucesso é humano. A bênção permanece, o sucesso desaparece. Você teve sucesso no seu negócio, pôde juntar fortuna, construiu casas? E por que o seu coração é tão frio? Porque na verdade teve sucesso, mas não teve bênção. Teve sucesso nos seus esforços morais? É uma “pessoa correta” que não faz mal a ninguém? Então certamente você é uma pessoa bem vista pelos outros, mas não por Deus. Pois Sua Palavra diz: “…todas as nossas justiças [são] como trapo da imundícia.” A nossa justiça desaparece como neve ao sol, mas a justiça que vale diante de Deus permanece eternamente. Você tem sucesso ou bênção? Sua justiça é seu piedoso “eu” diante de Deus, ou Jesus Cristo que verteu Seu sangue por você é sua justiça?

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro; eles o despertam e lhe dizem: Mestre, não te importa que pereçamos

22 de Julho

“E Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro; eles o despertam e lhe dizem: Mestre, não te importa que pereçamos!” Marcos 4.38

Esta tempestade é uma ilustração clara da tempestade que ruge na vida de cada crente, entre o ouvir e o experimentar da Palavra de Deus. O caminho que leva da teoria à experiência da vitória se chama fé, também durante uma viagem turbulenta. Mas atente para o fato de a tormenta começar exatamente quando Jesus se encontra a bordo! Justamente por Ele estar a bordo é que vem esse tufão assustador. Mas, por outro lado, Ele é a garantia de que não vamos afundar! Existem vendavais negativos e positivos. Muitas vezes é a ira de Satanás que nos sacode por dentro e por fora; mas, outras vezes, eles provêm de Deus, que nos prova se permanecemos firmes nEle pela fé. Mas a tempestade que os discípulos experimentaram provocou uma situação perigosa, pois as ondas não só bateram contra o navio, mas também o inundaram: “…de modo que o mesmo já estava a encher-se de água.” Já é uma grande provação quando as ondas começam a bramir ao redor de nós. Mas quando “o barco”, a nossa alma, é alcançado, realmente estamos em apuros. Porém, nestas horas Jesus está bem perto de nós! Está escrito: “E Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro.”

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes Jesus: Passemos para a outra margem

21 de Julho

“Naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes Jesus: Passemos para a outra margem.” Marcos 4.35

Enquanto de início ainda havia outros barcos perto deles, finalmente os discípulos ficaram sozinhos – sozinhos com Jesus. Então se levantou uma grande tempestade. Dentro de uma perspectiva profética, esta é uma ilustração do tempo do fim no qual se encontram os filhos de Deus nos dias atuais. Os discípulos viveram essas horas perigosas entre pregação e aparição do reino de Deus. Pois somente em Marcos 5, “à outra margem do mar”, vemos a aparição deste reino, quando legiões de espíritos tiveram que desaparecer com grande alarido como um raio quando Jesus se aproximou. Que quadro maravilhoso! Ainda temos a tarefa de anunciar o reino de Deus e a vinda de Jesus. Ele estabelecerá Seu reino de paz – sem demora se tornará visível. Os poderes das trevas que agora ainda prendem milhões de pessoas têm de desaparecer como um raio quando Ele vier. Eu creio que hoje nos encontramos num período de transição. Ainda proclamamos que Jesus em breve vem, mas mesmo assim Ele ainda não veio. Em vez disso há temporal, as ondas se levantam, o barco da Igreja de Jesus está em perigo. Feliz daquele que, em meio a todas as tempestades, está consciente da presença de Jesus Cristo!

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

ALÉM disto, eu, Paulo, vos rogo, pela mansidão e benignidade de Cristo, eu que, na verdade, quando presente entre vós, sou humilde, mas ausente, ousado para convosco

2 Coríntios 10:1-18

O apóstolo Paulo não queria ir aos coríntios “com vara” (10:2; 1 Coríntios 4:21), a fim de reprimir pessoalmente o mal. Preferiu escrever-lhes e aguardar o resultado que sua carta produziria. Alguns, porém, haviam tirado proveito da paciência do apóstolo e de sua ausência para menosprezar seu ministério. A humildade, a mansidão e a benignidade cristãs que Paulo manifestava (v. 1) serviam de pretexto para sua depreciação. O homem natural somente admira o que tem brilho; ele julga segundo as aparências. Mas as armas de um soldado de Jesus Cristo não são carnais (v. 4). O capítulo 6 da epístola aos Efésios as enumera. Lembremos como Gideão, Sansão, Davi, Ezequias – para citar uns poucos – obtiveram suas maiores vitórias. Não nos deixemos seduzir por qualidades humanas como a eloqüência ou o carisma. Sigamos sempre a Palavra de Deus, e nunca aquele que a apresenta, por mais dons que essa pessoa tenha, ou por mais que tenhamos sido abençoados através dela.

Os homens se comparam a outros e se orgulham, num evidente sinal de falta de sabedoria (v. 12). Nós, crentes, temos apenas um único exemplo para seguir tanto no nosso andar como em nosso serviço: esse exemplo é o Senhor Jesus.

QUANTO à administração que se faz a favor dos santos, não necessito escrever-vos

2 Coríntios 9:1-15

Para não termos muitas perdas no dia da colheita, semeemos – ou melhor, demos – abundantemente durante a atual estação de semeadura (v. 6; Lucas 6:38; Deuteronômio 15:10). O que Deus puser em nosso coração, façamos, e façamos alegremente. O que guardamos para nós mesmos não nos enriquecerá, e o que dermos não nos empobrecerá jamais (Provérbios 28:27). A graça de Deus nos assegurará a provisão “sempre, em tudo” com “ampla suficiência” (v. 8). Os versículos 11 a 14 nos lembram de que a generosidade desinteressada produz, nos que são ajudados, ações de graças a Deus e orações a favor dos ajudadores. Começando com um assunto que poderíamos julgar secundário, ou seja, o se dar aos outros, o apóstolo dirige nosso pensamento para os mais gloriosos temas: a humilhação do Senhor (8:9); e o dom inefável de Deus (v. 15). Aprendamos a passar dos pequenos fatos da vida cotidiana para as profundas verdades de nossa fé. Uma simples refeição, uma reunião familiar, um presente dado ou recebido com amor são oportunidades para dar graças a Deus e pensar no Dom por excelência: aquele que o Deus de amor enviou ao mundo (João 3:16).

Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre; para que pela sua pobreza enriquecêsseis.

2 Coríntios 8:9-24

O que era o amor dos macedônios comparado ao supremo exemplo de “nosso Senhor Jesus Cristo”? Eles não haviam escolhido “sua profunda pobreza” (v. 2). Mas Ele, “Herdeiro de todas as cousas” (Hebreus 1:2), voluntariamente se fez pobre, deixando as glórias celestiais para nascer em um estábulo, não tendo nem mesmo onde reclinar a cabeça (v. 9; Salmo 40:17 e 41:1; Lucas 9:58). E para quê? Para enriquecer-nos com essas mesmas glórias e fazer de nós Seus co-herdeiros. Adorável mistério da graça!

Os coríntios não levaram a cabo seu louvável desejo de ajudar as igrejas. O apóstolo lhes escreve que o desejo deles era bom, mas a ação era ainda melhor. Freqüentemente nossas boas intenções… permanecem apenas intenções: querer oferecer uma Bíblia ou um calendário bíblico, querer visitar uma pessoa doente, querer prestar um pequeno serviço a alguém… Que Deus nos dê a mesma prontidão tanto para querer como para fazer (vv. 11-12). É Ele quem produz um e outro em nós, “segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2:13), mas a demora entre o movimento do coração e o da mão provém de nossa própria negligência.

A preocupação do apóstolo Paulo era a de se guardar não somente de toda a desonestidade, mas também de toda a aparência do mal diante dos olhos dos homens.