Deixando os ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro

4 de Julho

“…Deixando os ídolos, vos convertestes a Deus, para servirdes o Deus vivo e verdadeiro.” 1 Tessalonicenses 1.9

Como foi o ministério do Senhor Jesus aqui na terra? Foi em completa entrega ao Seu Pai; Seu querer era incondicional, baseando-se somente naquilo que Seu Pai desejava. A vida de Jesus foi um contínuo e santo culto a Deus. Este ministério mais que excelente atingiu o auge no derramamento da Sua vida eterna e do Seu sangue sobre uma terra sujeita à morte: “Eu lhes dou a vida eterna.”

Como deve ser o ministério daqueles que amam e seguem ao Senhor, como deve ser o nosso ministério? Exatamente como o ministério do nosso Mestre! Pois somente no mesmo ministério podemos nos tornar semelhantes a Ele. Portanto, olhe para o Senhor que serve, e saberá como deve servi-lO: “…e quem quiser ser o primeiro entre vós, será vosso servo; tal como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir…” Portanto também podemos dizer: os verdadeiros convertidos são reconhecidos pelo seu constante servir. A atividade religiosa de muitos, ao contrário, é uma negação desse servir desprendido. Você é um servo de Jesus Cristo ou um servo da carne agindo dentro da natureza de Satanás? Eu receio que muitos cristãos tenham se afastado de Cristo por se afastarem do caminho do servir.

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Dele todos os profetas dão testemunho de que, por meio de seu nome, todo o que nele crê recebe remissão de pecados

3 de Julho

“Dele todos os profetas dão testemunho de que, por meio de seu nome, todo o que nele crê recebe remissão de pecados.” Atos 10.43

Que mensagem poderosa! No nome de Jesus há poder perdoador, pois por trás do Seu nome está Seu sangue derramado. Aquele que invoca a Jesus invoca Seu precioso sangue e se torna alvo como a neve, pois: “…o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.”

Mas o nome de Jesus também é um poder que transmite vida. Crendo no nome de Jesus, você estará crendo na pessoa do Senhor. Jesus Cristo é Aquele que não somente morreu, mas também ressuscitou. Ele é “…a ressurreição e a vida.”

Porém Seu precioso nome significa ainda mais. Ele é um bálsamo derramado. Jeremias, ao contemplar o imenso prejuízo que o povo sofrera por causa da idolatria, exclama, orando: “Acaso não há bálsamo em Gileade? ou não há lá médico?” E eis aqui a resposta em Cantares: “…como ungüento derramado é o teu nome.” Talvez sejam grandes os prejuízos por causa do pecado em sua vida, talvez as feridas em sua alma estejam profundamente abertas. Você pensa que ninguém pode lhe ajudar? Claro que alguém pode – o precioso nome de Jesus pode. Somente Jesus nos compreende realmente. O nome de Jesus pode curar nosso corpo e nossa alma!

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome

2 de Julho

“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome.” João 1.12

No nome de Jesus reside um poder todo especial, ilimitado e salvador. Somente a fé compreende e experimenta esse poder! Caso contrário, como seria possível ser salvo da morte eterna apenas invocando o Seu nome pela fé? Mas o profeta Joel diz exatamente isso: “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” Essa pessoa também é salva do poder das trevas: “Ele nos libertou do império das trevas.” Por causa do poder do pecado toda pessoa está sob o poder de Satanás: “Aquele que pratica o pecado procede do diabo.” Mas assim que uma pessoa invoca o nome de Jesus crendo em Seu poder salvador, as cadeias que a prendem ao pecado são rompidas. Satanás perde o poder sobre essa pessoa, ele não pode mais tocá-la: “…aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o maligno não lhe toca.” Pois aquele que toca num renascido, toca no próprio Senhor: “Aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho.” Portanto, aquele que invoca o nome de Jesus pela fé reivindica para si e toma posse de toda a vitória que Jesus conquistou por nós!

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado… Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente, sereis livres

Sexta-feira 4 Julho

Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado… Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente, sereis livres

(João 8:34-36).

DUPLAMENTE PRESO

Estou visitando Thomas, um simpático jovem de apenas 27 anos, na prisão. O juiz o sentenciou a oito anos atrás das grades. Várias condenações anteriores serviram para agravar a severidade da sentença. O álcool teve uma parte significante em todas as detenções de Thomas.

Agora ele me promete: – Eu não quero gastar minha vida inteira na cadeia. Eu não vou tomar mais nenhum gole! – E como você vai resistir quando seus velhos amigos lhe convidarem para ir ao bar? – perguntei. Cheio de autoconfiança, Thomas respondeu: – Eu vou controlar tudo direitinho!

Pobre Thomas, pensei. Sabia que isso não tinha funcionado da última vez e nem das outras vezes. Abri minha Bíblia: “Todo aquele que comete pecado é servo do pecado.” Thomas sabia disso por experiência própria. Mas ele não parecia entender que apenas boas intenções não são suficientes para libertar alguém da escravidão. As pessoas que sucumbem às drogas não estão cheias de boas intenções? Sim, porém isso não as ajuda!

Thomas tinha de reconhecer que não possuía força para se livrar do pecado. Somente quando ele experimentar a verdade do segundo versículo citado acima, ou seja, quando o Filho de Deus libertá-lo, é que será verdadeiramente livre. Jesus Cristo, o Filho de Deus, é o grande Libertador. Thomas irá se afundar cada vez mais na lama do pecado, a menos que se aproxime  dEle confessando seus pecados e sua incapacidade. Que todos os que estão servindo ao pecado como escravos tomem a decisão de aceitar a libertação que Deus já providenciou em Jesus Cristo.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer e vestes para vestir, e eu em paz tornar à casa de meu pai, o SENHOR será o meu Deus

Quinta-feira 3 Julho

E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer e vestes para vestir, e eu em paz tornar à casa de meu pai, o SENHOR será o meu Deus

(Gênesis 28:20-21).

PROMESSAS QUEBRADAS

Um famoso cirurgião certa vez foi convidado para jantar na casa de um banqueiro. Eles estavam comendo um prato à base de peixe quando uma espinha se alojou na garganta do banqueiro. Ele estava a ponto de sufocar, mas o cirurgião habilmente retirou a espinha. Quando o banqueiro se recuperou do episódio, disse: “Isso obviamente foi uma intervenção médica que tem de ser paga. Quanto eu lhe devo?” Com um sorriso, o cirurgião respondeu: “Se o senhor faz questão, então eu sugiro que me dê um terço do que me pagaria se ainda estivesse com a espinha em sua garganta.”

Todos nós lembramos de situações em que corremos perigo de morte ou estivemos em uma grande dificuldade. Quantas orações desesperadas e promessas a Deus foram feitas em tais circunstâncias. Se Deus estivesse disposto a nos ajudar, então Ele seria nosso Deus. Nossas promessas foram cumpridas? Muitos se esqueceram delas assim que obtiveram o que desejavam. Deus respondeu nossas orações, e reconhecemos Seu poder e mão ajudadora, mas não O buscamos depois.

Em Romanos 2:4-5, o apóstolo Paulo nos adverte: “Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência, e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao arrependimento? Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus.”

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação

Quarta-feira 2 Julho

Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação?

Portanto, como diz o Espírito Santo, se ouvirdes hoje a sua voz, não endureçais o vosso coração

(Hebreus 2:3; 3:7-8).

FÉLIX – E O ADIAMENTO!

O “potentíssimo Félix” (Atos 24:3), o governador em questão no livro de Atos, capítulos 23 e 24, sem dúvida era um homem que possuía grandes qualidades. Por causa de sua influência, a terra experimentou a paz e Tértulo, o orador, o elogiou por sua sábia administração. Ele se mostrou tolerante e generoso em relação ao apóstolo Paulo. Félix o escutou benevolentemente e lhe concedeu certo grau de liberdade, além do direito de ser visitado por seus conhecidos. Mas, quando o apóstolo o confrontou com a verdade eterna, Félix respondeu: “Por agora, vai-te, e, em tendo oportunidade, te chamarei” (24:25). Félix não foi hostil nem zombador. Ele demonstrou interesse no prisioneiro que o impressionou. No entanto, não arranjou tempo para ouvir a mensagem de Paulo. Mas também não quis dispensar o apóstolo definitivamente, apenas disse: “Por agora, vai-te!.”

“Em tendo oportunidade, te chamarei”.Será que essa oportunidade chegou algum dia?

Félix procurou o favor do povo; além disso, era suscetível ao suborno. Após dois anos, quando foi substituído, ele deixou Paulo preso para agradar os judeus. Ele sufocou a voz de sua consciência e deliberadamente ignorou o momento propício que lhe fora concedido, o “dia da salvação” (2 Coríntios 6:2).

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

SEGUI o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar

1 Coríntios 14:1-19

Muitos se queixam da fraqueza atual devida à ausência de dons nas igrejas. Mas será que estas pessoas os procuram intensamente como o versículo 1 nos instrui a fazer? O Senhor talvez tenha um dom para dar a você, mas Ele espera que haja um grande desejo em seu coração para recebê-lo. Peça-o… juntamente com a humildade que impedirá que você se vanglorie desse dom que não é para uso próprio, mas “para a edificação da igreja” (v. 12). Os coríntios usavam seus dons simplesmente para a autoglorificação, resultando num caos total. O apóstolo esclarece a questão, mostrando-lhes que o dom do qual mais eles se vangloriavam – o de línguas – na verdade era um dos menos importantes (v. 5). Ao contrário, o dom de profecia era – e permanece até hoje – particularmente desejável, pois “o que profetiza, fala aos homens, edificando, exortando e consolando” (v. 3).

O versículo 15 nos fala que, tanto para orar como para cantar, é necessário usar nossa inteligência. Freqüentemente nos distraímos na presença do Senhor, quando deveríamos pensar bem antes de expressar algo diante de Deus. Meditemos em quão sério é estar diante do Deus Criador de todas as coisas.