Mas, levantando-se no conselho um certo fariseu, chamado Gamaliel, doutor da lei, venerado por todo o povo, mandou que por um pouco levassem para fora os apóstolos;

Atos 5:33-42

Depois de haver usado um anjo para livrar os Seus servos, Deus agora usa Gamaliel, um eminente fariseu (da seita de oposição aos saduceus). Ele era um doutor da lei, conhecido e respeitado pelos judeus. Com moderação, empregando exemplos que todos conheciam, ele exorta seus colegas a ter paciência, pois o fim daquela obra mostraria se ela era dos homens ou de Deus. Afora isso, não é muito difícil discernir de que lado estão aqueles que dizem ser alguém, como Teudas (v. 36). Quão distinta era a conduta dos apóstolos! Reconheciam que não eram nada, e davam toda a glória ao nome de Jesus, a quem perseveravam em anunciar (cap. 3:12; 4:10).

O Senhor anteriormente havia advertido os discípulos que eles seriam perseguidos e entregues às sinagogas e aos cárceres (Lucas 21:12). Efetivamente, todas essas provas não tardaram em sobrevir (vv. 17-22) e desde então não cessaram de ser a porção de muitos crentes.

Nós muitas vezes agradecemos ao Senhor por nos ter guardado de perseguições tais como ocorrem em outros países. Mas não esqueçamos que é uma honra sofrer pelo Seu nome. Os apóstolos alegraram-se por “terem sido considerados dignos de sofrer afrontas por esse Nome” (v. 41; 1 Pedro 4:19; Mateus 5:11-12).

Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.

Atos 5:17-32

O sumo sacerdote e os que o acompanham estão cheios de inveja ao ver homens sem instrução e que não pertencem ao clero obter tanto êxito com as multidões. Além do mais, os saduceus, que negam a ressurreição, estão particularmente ressentidos porque os apóstolos anunciam a ressurreição do Senhor Jesus (v. 17,
cap. 4:1-2). Incapazes de impor sua autoridade de outra maneira, prendem esses homens a quem não conseguem calar. Mas o Senhor envia um anjo para libertar Seus servos e eles imediatamente voltam ao templo para ensinar. Isso é anunciado aos líderes, que os fazem comparecer diante do Sinédrio (o conselho deliberativo dos líderes). “Vós quereis lançar sobre nós o sangue desse homem”, dizem, sendo que eles mesmos haviam afirmado perante Pilatos: “Caia sobre nós o seu sangue, e sobre nossos filhos!” (Mateus 27:25). E novamente tentam persuadir os apóstolos a silenciar. Mas Pedro e seus companheiros respondem: “Antes importa obedecer a Deus do que aos homens”. E mais uma vez esses intrépidos homens rendem um brilhante testemunho à gloriosa ressurreição do Senhor Jesus, “Príncipe e Salvador”, bem como à remissão dos pecados por intermédio da fé no Cristo.

Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, e retivesses parte do preço da herdade?

Atos 5:1-16

No início do capítulo 4 notamos a operação do Inimigo contra a verdade partindo de fora da Igreja. O capítulo 5 começa com a ação do Inimigo dentro da Igreja. Desde aquele tempo até hoje, Satanás não cessou de agir dessas duas maneiras. O espírito do “querer imitar” e o desejo de aparentar piedade levaram Ananias e Safira a mentir. Pedro os repreendeu com santa indignação e a mão de Deus pesou sobre eles logo a seguir. Todo crente verdadeiro não perde sua salvação (João 10:27-29), e a nossa passagem tampouco questiona a salvação – o destino eterno – deles. O que temos aqui é a manifestação do governo de Deus. Não pensemos que, agora que somos objetos da Sua graça, Deus tem menos horror pelo pecado. Ele é santo e assim devem ser os Seus filhos (1 Pedro 1:15-17).

Um grande temor se apodera dos presentes. É um sentimento que também nós deveríamos cultivar diante dAquele que conhece os nossos mais íntimos pensamentos.

Os versículos 12-16 nos falam de milagres que eram feitos “pelas mãos dos apóstolos” – operações cuja força motriz era o amor – e nos mostram que não basta apenas admirar os crentes; cada pessoa deve dar o seu próprio passo de fé e aproximar-se do Senhor (vv. 13-14). Em Apocalipse 21:8, os covardes ocupam o primeiro lugar na lista dos que estarão eternamente perdidos.

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça

31 Março

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça (1 João 1:9).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE LEVÍTICO (Leia Levítico 5:1-13)

Os versículos 1 a 4 nos dão vários exemplos de faltas que têm de ser expiadas mediante sacrifícios. São ações cuja seriedade talvez nem perceberíamos se a Palavra, a divina pedra de toque de nossa consciência, não as condenasse: encobrir evidências, ter contato rápido com algo que é impuro, proferir palavras impensadas. Alguém pode ser culpado de se manter em silêncio (v. 1) ou, pelo contrario, de falar demais (v. 4) . Em todos esses casos, a confissão era exigida (v. 5) , seguida de sacrifício (v. 6) . Este ainda é o caminho que 1 João 1:9 impõe ao crente que pecou, com a diferença de que o sacrifício não precisa ser oferecido uma segunda vez. O sangue de Jesus Cristo já foi derramado por nós diante de Deus, portanto agora somente a confissão é necessária; Deus é “fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”. Os versículos 7 a 13 tratam da diferença nos recursos dos que traziam suas ofertas. Um oferecia uma cordeira , outro oferecia dois pombinhos e um terceiro apenas uma porção de farinha . Nem todos são capazes de apreciar a extensão da obra de Cristo com a mesma profundidade. Mas o que importa é o verdadeiro valor que tal obra tem para Deus .

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

E Jesus, saindo, viu uma grande multidão e, possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.

Domingo 30 Março

E Jesus, saindo, viu uma grande multidão e, possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.

Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas

(Mateus 14:14;
Efésios 4:10).

JESUS ENTRE NÓS

Os quatro evangelhos ressaltam as diversas características do Senhor Jesus. Ali O vemos como Deus e homem em uma só Pessoa: unido com o Pai e o Espírito Santo na glória eterna e, contudo, verdadeiramente filho de Maria, “nascido de mulher”, com um corpo formado no seio da virgem. Assim podemos contemplá-Lo tanto como Filho de Deus, Messias, Filho do homem, Filho de Davi, Jesus de Nazaré, Servo, Enviado do Pai, Cordeiro e, finalmente, ressuscitado, elevado ao céu e glorificado.

Em uma vida bastante ocupada, Ele transitava por ambientes variados; ninguém foi mais acessível que Ele, embora fosse estrangeiro e solitário.

Apesar dEle ter que resistir aos chefes religiosos por suas atitudes ímpias, Ele ensinava, aconselhava, advertia e instruía o povo e os discípulos; mostrava um interesse pessoal por todos os que se aproximavam dEle, pois conhecia os homens, discernia suas motivações e lhes falava as palavras apropriadas no momento apropriado.

Ele teve de responder toda espécie de perguntas, curar todas as classes de enfermidades e suprir todas as necessidades, sofrimentos e situações que Lhe eram apresentados.

Para realmente conhecer o Senhor Jesus, estude os evangelhos.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida

Fonte

Sábado 29 Março

Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida

(João 8:12).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE NÚMEROS (Leia Números 7:89 e 8:1-14)

O versículo 89 nos conta o segredo de “Moisés, o homem de Deus” (Salmo 90). Era a oração. Contemple-o sob o peso de suas esmagadoras responsabilidades, acossado pelas murmurações do povo, entrando na escuridão e silêncio do santuário para conversar com Deus. Ele ouvia “a voz que lhe falava de cima do propiciatório”. E pense no Senhor Jesus que, quando adentrava a noite e a manhã estava longe de chegar, após a exaustão do dia anterior, ia sozinho para um local solitário a fim de orar (Marcos 1:35;
6:46).

Por que existe uma referência ao candelabro no começo do capítulo 8, entre as ofertas práticas do capítulo 7 e a consagração dos levitas nos versículos seguintes? Não é para demonstrar que a luz prova e aprecia tanto as ofertas quanto o ofertante, não apenas o serviço mas também a pessoa que o executa? Deus sabe o valor de nossa devoção, sobre a qual esse rito de consagração fala. E notamos que os levitas eram apresentados a Arão como uma oferta movida, como se para permitir que a divina luz brilhe sobre cada um sucessivamente, de modo que ninguém fosse deixado na escuridão. Se houvesse a menor mancha nas vestes deles, ela seria imediatamente percebida. Quão importante é sempre estar diante de Deus para servi-Lo (1 Reis 17:1).

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

A saber, que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação

31 de Março

“…A saber, que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação.” (2 Coríntios 5.19)

O que significa o sangue de Jesus Cristo para você? Não se trata de pensar apenas de maneira abstrata sobre o assunto. É necessário que nossos corações sejam comovidos profundamente por esse fato, pois: “…sem derramamento de sangue não há remissão.” A primeira e fundamental afirmação desse versículo se refere sem dúvida ao sacrifício expiatório do nosso Senhor Jesus. Mas, ao mesmo tempo, também se refere diretamente a nós. Será que realmente já nos demos conta do que a Bíblia entende pelo sangue de Jesus Cristo? Sangue e vida são unidos inseparavelmente. Muitas vezes consideramos o sangue de Jesus como um remédio que faz milagres. Mas, na verdade, através do derramamento do Seu sangue precioso Jesus realizou completa expiação!

Você sabe o tamanho da responsabilidade que temos quando aprendemos a conhecer o maravilhoso poder do sangue de Jesus, mas não estamos dispostos a arcar com as conseqüências de um discipulado sério? Pois o Senhor Jesus transpôs o abismo intransponível entre Deus e sua alma, por meio de Sua própria morte. Mas você, alguma vez, já cruzou essa ponte e exclamou de todo coração: “Meu Deus, estou decidido a ser Teu por toda a eternidade!”?

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)