Que as suas conversas sejam sempre agradáveis e de bom gosto, e que vocês saibam também como responder a cada pessoa!

Segunda-Feira – 31/12/2007

OPORTUNIDADES

Leia:
Sejam sábios no procedimento… aproveitem?ao máximo todas as oportunidades. ?Colossenses 4:5

Colossenses 4:2-6

Conselhos
2Continuem firmes na oração, sempre alertas ao orarem e dando graças a Deus. 3Orem também por nós a fim de que Deus nos dê uma boa oportunidade para anunciar a sua mensagem, que trata do segredo de Cristo. Pois é por causa dessa mensagem que estou na cadeia. 4Portanto, orem para que eu faça com que o segredo de Cristo seja bem conhecido, como é o meu dever.
5Sejam sábios na sua maneira de agir com os que não crêem e aproveitem bem o tempo que passarem com eles. 6Que as suas conversas sejam sempre agradáveis e de bom gosto, e que vocês saibam também como responder a cada pessoa!

Em março de 2005, Ashley Smith encontrou em sua casa um assassino que havia fugido da prisão. Com uma arma apontada para ela, o homem a manteve como refém durante horas. Ashley aproveitou a oportunidade e fez algo extraordinário. Preparou um café da manhã para seu captor, falou-lhe de Cristo, e leu para ele alguns textos do livro “Uma Vida com Propósito”, de Rick Warren. Então conversou longamente com o homem sobre o plano de Deus para a vida dele. Mais tarde, aquele homem se entregou à polícia pacificamente.?Nem sempre é aconselhável ou possível conversarmos com um criminoso que aponta uma arma para nossa cabeça, mas a Bíblia nos diz para sermos “sábios no procedimento para com os de fora” e aproveitarmos ao máximo todas as oportunidades. Deus sempre nos oferece ocasiões para darmos testemunho do seu amor pelas pessoas, mas, muitas vezes, passamos por elas sem fazer nada. Deixamos escapar boas oportunidades.?O apóstolo Paulo diz que somos “criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos” (Efésios 2:10). “Como cooperadores de Deus”, vamos receber com boa vontade a sua graça e falar dela aos outros (2 Coríntios 6.1-3).


Pense:
Natal é a oportunidade que Deus nos dá para sermos salvos e servirmos o próximo.

Ore:
Senhor, com freqüência permitimos que as oportunidades passem. Dá-nos sabedoria para ver cada oportunidade que colocas diante de nós como uma chance de fazer a tua vontade. Em nome de Jesus. ?Amém.

Por isso, não teremos medo, ainda que a terra seja abalada, e as montanhas caiam nas profundezas do oceano. Não teremos medo, ainda que os mares se agitem e rujam, e os montes tremam violentamente.

Domingo – 30/12/2007

ATÉ MONTES SE AFUNDAM

Leia:
Não temeremos, ainda que a terra trema e os montes afundem no coração do mar…?Salmo 46:2

Salmo ?46

Deus está conosco
Ao regente do coro – para soprano. Canção do grupo de Corá.
1Deus é o nosso refúgio
e a nossa força,
socorro que não falta
em tempos de aflição.
2Por isso, não teremos medo,
ainda que a terra seja abalada,
e as montanhas caiam
nas profundezas do oceano.
3Não teremos medo, ainda que
os mares se agitem e rujam,
e os montes tremam violentamente.

4Há um rio que alegra a cidade de Deus,
a casa sagrada do Altíssimo.
5Deus vive nessa cidade,
e ela nunca será destruída;
de manhã bem cedo, Deus a ajudará.
6As nações ficam apavoradas,
e os reinos são abalados.
Deus troveja, e a terra se desfaz.

7O Senhor Todo-Poderoso
está do nosso lado;
o Deus de Jacó é o nosso refúgio.

8Venham, vejam o que o Senhor
tem feito!
Vejam que coisas espantosas
ele tem feito na terra!
9Ele acaba com as guerras
no mundo inteiro;
quebra os arcos,
despedaça as lanças
e destrói os escudos no fogo.
10Ele diz: “Parem de lutar
e fiquem sabendo que eu sou Deus.
Eu sou o Rei das nações,
o Rei do mundo inteiro.”

11O Senhor Todo-Poderoso
está do nosso lado;
o Deus de Jacó é o nosso refúgio.

Em 2005, pelo menos 1.400 pessoas foram soterradas numa aldeia indígena na Guatemala. Chuvas torrenciais, que chegaram com o furacão Stan em sua passagem pela América Central, provocaram vários deslizamentos de terra. Uma catástrofe assim nos leva a pensar nas palavras do salmista: “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares…” Este é um lembrete de que até mesmo as montanhas, que parecem ser símbolos de estabilidade e segurança, podem ruir. ?As pessoas que pereceram no acidente na Guatemala viram, em questões de segundos, suas vidas sendo viradas de cabeça para baixo. Quem já viveu tragédias ou sofreu perdas, sabe o que é sofrimento. Imagine, então, quem sobreviveu à catástrofe naquela vila? ?Mas, apesar das incertezas deste mundo, o salmista nos lembra de que até mesmo nos piores momentos da nossa vida encontramos força naquele que criou os céus e a terra. ?A Bíblia com freqüência se refere ao Senhor como nossa rocha. Não importa o que o futuro nos reserva, Deus será sempre refúgio, fortaleza e socorro nas tribulações. Ele é a Rocha que jamais ruirá!


Pense:
Natal é crer, não importa?o que aconteça.

Ore:
Senhor Deus, ao findar mais um ano, ajuda-nos a não temer o futuro e a estar seguros em ti, nossa Rocha. E que possamos também ajudar aqueles que enfrentam tragédias. Em nome de Jesus. ?Amém.


 

Tocar-se-á a trombeta na cidade, e o povo não estremecerá? Sucederá qualquer mal à cidade, sem que o Senhor o tenha feito? Amós 3:6 Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. Romanos 8:38,39

Versículos de hoje

Tocar-se-á a trombeta na cidade, e o povo não estremecerá? Sucederá algum mal na cidade, sem que o SENHOR o tenha feito? Amós 3:6

Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. Romanos 8:38,39

Um dos que estavam à mesa ouviu isso e disse para Jesus: – Felizes os que irão sentar-se à mesa no Reino de Deus!

Lucas 14:15-35

A parábola da grande festa
Mateus 22.1-14
15Um dos que estavam à mesa ouviu isso e disse para Jesus:
– Felizes os que irão sentar-se à mesa no Reino de Deus!
16Então Jesus lhe disse:
– Certo homem convidou muita gente para uma festa que ia dar. 17Quando chegou a hora, mandou o seu empregado dizer aos convidados: “Venham, que tudo já está pronto!”
18– Mas eles, um por um, começaram a dar desculpas. O primeiro disse ao empregado: “Comprei um sítio e tenho de dar uma olhada nele. Peço que me desculpe.”
19– Outro disse: “Comprei cinco juntas de bois e preciso ver se trabalham bem. Peço que me desculpe.”
20– E outro disse: “Acabei de casar e por isso não posso ir.”
21– O empregado voltou e contou tudo ao patrão. Ele ficou com muita raiva e disse: “Vá depressa pelas ruas e pelos becos da cidade e traga os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos.”
22– Mais tarde o empregado disse: “Patrão, já fiz o que o senhor mandou, mas ainda está sobrando lugar.”
23– Aí o patrão respondeu: “Então vá pelas estradas e pelos caminhos e obrigue os que você encontrar ali a virem, a fim de que a minha casa fique cheia. 24Pois eu afirmo a vocês que nenhum dos que foram convidados provará o meu jantar!”
As condições para ser seguidor de Jesus
Mateus 10.37-39
25Certa vez uma grande multidão estava acompanhando Jesus. Ele virou-se para eles e disse:
26– Quem quiser me acompanhar não pode ser meu seguidor se não me amar mais do que ama o seu pai, a sua mãe, a sua esposa, os seus filhos, os seus irmãos, as suas irmãs e até a si mesmo. 27Não pode ser meu seguidor quem não estiver pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhar. 28Se um de vocês quer construir uma torre, primeiro senta e calcula quanto vai custar, para ver se o dinheiro dá. 29Se não fizer isso, ele consegue colocar os alicerces, mas não pode terminar a construção. Aí todos os que virem o que aconteceu vão caçoar dele, dizendo: 30″Este homem começou a construir, mas não pôde terminar!”
31– Se um rei que tem dez mil soldados vai partir para combater outro que vem contra ele com vinte mil, ele senta primeiro e vê se está bastante forte para enfrentar o outro. 32Se não fizer isso, acabará precisando mandar mensageiros ao outro rei, enquanto este ainda estiver longe, para combinar condições de paz.
Jesus terminou, dizendo:
33– Assim nenhum de vocês pode ser meu discípulo se não deixar tudo o que tem.
Sal sem gosto
Mateus 5.13; Marcos 9.50
34– O sal é uma coisa útil; mas, se perde o gosto, deixa de ser sal. 35É jogado fora, pois não serve mais nem para a terra nem para o monte de esterco. Se vocês têm ouvidos para ouvirem, então ouçam.

Quem, dentre os convidados à grande ceia, deu a desculpa mais esfarrapada? É costume vermos um campo somente depois de já termos fechado o negócio, ou compramos uma junta de bois sem experimentá-la primeiro? O homem que recém casou deveria também levar consigo a esposa à festa. Ao rejeitar o convite, eles não só perdem a festa, como também ofendem o anfitrião.

Para a grande ceia de Sua graça, Deus convidou primeiro o povo judeu e, depois que estes rejeitaram, convidou a todos os que não podem esconder o seu estado de pobreza, enfermidade e miséria. Tais são as criaturas que encherão o Seu céu (compare v. 21 com v. 13). E continua havendo lugares vazios – talvez o seu, caso você ainda não a tenha ocupado.

O ensino do versículo 26 é simplesmente que tudo que nos impede de nos tornarmos discípulos de Cristo, ainda que sejam os próprios pais, deve ser aborrecido. Primeiro devemos ir a Ele (v. 26); o segundo passo é ir após Ele (v. 27). Mas o inimigo é poderoso. Seria tolice optar por esse caminho sem antes calcular as despesas. Estas são altas, pois implicam em renunciar a tudo que se tem (v. 33). Quando se toma a cruz, não se pode levar outros fardos. Mas o ganho é incomparavelmente maior: É o próprio Cristo! (Filipenses 3:8).

Num sábado, Jesus entrou na casa de certo líder fariseu para tomar uma refeição. E as pessoas que estavam ali olhavam para Jesus com muita atenção.

Lucas 14:1-14

Outra cura num sábado
1Num sábado, Jesus entrou na casa de certo líder fariseu para tomar uma refeição. E as pessoas que estavam ali olhavam para Jesus com muita atenção. 2Um homem, com as pernas e os braços inchados, chegou perto dele. 3E Jesus perguntou aos mestres da Lei e aos fariseus:
– A nossa Lei permite curar no sábado ou não?
4Mas eles não responderam nada. Então Jesus pegou o homem, curou-o e o mandou embora. 5Aí disse:
– Se um filho ou um boi de algum de vocês cair num poço, será que você não vai tirá-lo logo de lá, mesmo que isso aconteça num sábado?
6E eles não puderam responder.
Humildade e hospitalidade
7Certa vez Jesus estava reparando como os convidados escolhiam os melhores lugares à mesa. Então fez esta comparação:
8– Quando alguém convidá-lo para uma festa de casamento, não sente no melhor lugar. Porque pode ser que alguém mais importante tenha sido convidado. 9Então quem convidou você e o outro poderá dizer a você: “Dê esse lugar para este aqui.” Aí você ficará envergonhado e terá de sentar-se no último lugar. 10Pelo contrário, quando você for convidado, sente-se no último lugar. Assim quem o convidou vai dizer a você: “Meu amigo, venha sentar-se aqui num lugar melhor.” E isso será uma grande honra para você diante de todos os convidados. 11Porque quem se engrandece será humilhado, mas quem se humilha será engrandecido.
12Depois Jesus disse ao homem que o havia convidado:
– Quando você der um almoço ou um jantar, não convide os seus amigos, nem os seus irmãos, nem os seus parentes, nem os seus vizinhos ricos. Porque certamente eles também o convidarão e assim pagarão a gentileza que você fez. 13Mas, quando você der uma festa, convide os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos 14e você será abençoado. Pois eles não poderão pagar o que você fez, mas Deus lhe pagará no dia em que as pessoas que fazem o bem ressuscitarem.

Novamente encontramos o Senhor na casa de um fariseu. Desta vez a má fé deles é escancarada. Eles estavam de espreita (v. 1) com a intenção de pegá-LO nalguma falta sobre a questão do sábado. Mas o Senhor Jesus cura o homem hidrópico e, tal como no capítulo 13:15, fecha a boca de Seus adversários. Depois veio a Sua vez de observá-los (v. 7). Seus olhos, dos quais nada escapa, consideram os que buscam os melhores lugares na mesa. O mesmo se passa no mundo de hoje: o que vale é ganhar as maiores honras ou os melhores bocados. Mas para nós, os cristãos, o último lugar será sempre onde estaremos mais contentes – pois é aí onde iremos encontrar o Senhor Jesus! Não precisamos ter a curiosidade de saber que lugar o Senhor ocupou quando fez essas observações, pois parece que o fariseu não teve a intenção de oferecer-Lhe um lugar de distinção.

Se o Senhor Jesus tem uma lição para ensinar aos convidados, também tem uma para o dono da casa. Aos convidados Ele tinha ensinado qual o lugar que deveriam escolher; ao anfitrião ensina como escolher seus convidados. O Senhor quer que sempre examinemos a motivação que está por detrás de nossas ações. É a esperança de obter vantagens ou ser considerado por outros? Ou seria o amor que se satisfaz na devoção por Ele?

Espera-se, realmente, para ver um campo somente depois de tê-lo comprado?

Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando na sua viagem para Jerusalém.

Lucas 13:22-35

A porta estreita
Mateus 7.13-14,21-23
22Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando na sua viagem para Jerusalém. 23Alguém perguntou:
– Senhor, são poucos os que vão ser salvos?
Jesus respondeu:
24– Façam tudo para entrar pela porta estreita. Pois eu afirmo a vocês que muitos vão querer entrar, mas não poderão.
25– O dono da casa vai se levantar e fechar a porta. Então vocês ficarão do lado de fora, batendo na porta e dizendo: “Senhor, nos deixe entrar!” E ele responderá: “Não sei de onde são vocês.” 26Aí vocês dirão: “Nós comemos e bebemos com o senhor. O senhor ensinou na nossa cidade.” 27Mas ele responderá: “Não sei de onde são vocês. Afastem-se de mim, vocês que só fazem o mal.” 28Quando vocês virem Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas no Reino de Deus e vocês estiverem do lado de fora, então haverá choro e ranger de dentes de desespero. 29Muitos virão do Leste e do Oeste, do Norte e do Sul e vão sentar-se à mesa no Reino de Deus. 30E os que agora são os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos.
O amor de Jesus por Jerusalém
Mateus 23.37-39
31Naquele momento alguns fariseus chegaram perto de Jesus e disseram:
– Vá embora daqui, porque Herodes quer matá-lo.
32Jesus respondeu:
– Vão e digam para aquela raposa que eu mandei dizer o seguinte: “Hoje e amanhã eu estou expulsando demônios e curando pessoas e no terceiro dia terminarei o meu trabalho.”
33E Jesus continuou:
– Mas eu preciso seguir o meu caminho hoje, amanhã e depois de amanhã; pois um profeta não deve ser morto fora de Jerusalém.
34– Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os mensageiros que Deus lhe manda! Quantas vezes eu quis abraçar todo o seu povo, assim como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram! 35Agora a casa de vocês ficará completamente abandonada. Eu afirmo que vocês não me verão mais, até chegar o tempo em que dirão: “Deus abençoe aquele que vem em nome do Senhor!”

Nunca vemos o Senhor satisfazendo a curiosidade dos homens. Quando Lhe é perguntado se são poucos os escolhidos, Ele faz disso uma oportunidade para falar à consciência deles, como se dissesse a cada um: “Não se preocupe com os outros; trate que você seja contado entre os escolhidos”. É verdade, a porta é estreita, mas o reino é grande o suficiente para acolher todos os que desejam entrar nele. E se você não quer valer-se dessa porta estreita (v. 24), mais tarde somente encontrará uma porta fechada (v. 25). Haverá uma advertência mais solene do que essas batidas numa porta fechada, os vão gritos e a terrível resposta: “Não sei donde sois”!? Alguns dirão: “Deve ter sido um engano. Os meus pais foram cristãos, fui regularmente às reuniões, e eu li a minha Bíblia e cantei os hinos”. Mas o Senhor só receberá no céu os que aqui na Terra O tiverem acolhido no coração.

Essas severas palavras o Senhor Jesus dirigiu especialmente à nação de Israel. Enquanto Herodes, esta cruel e astuta “raposa”, estava causando uma devastação no “ninho” de Israel, o verdadeiro Rei buscava ajuntá-los (v. 34). Mas eles não quiseram nada com Ele, nem com a Sua graça, e agora o Senhor da glória, abandonando a Sua casa, os Seus que não O receberam (v. 35; João 1:11), prossegue a Sua marcha até à cruz.

Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma

Terça-feira 1 Janeiro

Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?

(Mateus 16:26).

UM FELIZ ANO NOVO!

Como temos ouvido essa expressão ultimamente! Talvez nós mesmos tenhamos desejado aos outros tudo de melhor para o ano novo. Às vezes tal frase significa uma fórmula superficial e sem sentido que dizemos sem pensar. Havia um tempo em que nessa época do ano as pessoas desejavam as bênçãos de Deus aos outros. Agora apenas falamos: “Feliz Ano Novo!” Será que percebemos que temos desejado o impossível? Ninguém consegue ser feliz o tempo todo. Um ano novo não modifica nossas preocupações e sofrimentos. O versículo de hoje deixa uma coisa bastante clara: mesmo se alguém conseguir tudo o que desejar, por exemplo, fortuna ou sucesso profissional, isso não tornaria tudo automaticamente bom. A maioria das pessoas ignora o que é essencial: as necessidades da alma.

A Bíblia fala a respeito de um homem que acreditou em tal ilusão. Após sua morte, ele teve de ouvir o julgamento: “Lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida” (Lucas 16:25). Ele viveu sua vida sem jamais pensar sobre a eternidade. O resultado foi que ele não poderia esperar receber mais nada no porvir. Pelo contrário, estava condenado a ser atormentado para sempre.

Nosso melhor desejo para nossos leitores é que este novo ano seja o ano da salvação, o ano em que todos vocês recebam o Senhor Jesus como Senhor e Salvador pessoal. E para aqueles que já O têm como Salvador, desejamos que “sejais cheios do conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual; para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa obra e crescendo no conhecimento de Deus” (Colossenses 1:9-10). Isso realmente tornará este ano um “feliz ano novo”!

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br