Păzeşte-mi sufletul, şi scapă-mă! Nu mă lăsa să fiu dat de ruşine cînd mă încred în Tine! Salmos 25:20Apoi a zis sutaşului: ,,Du-te, şi facă-ţi-se după credinţa ta.“ Şi robul lui s’a tămăduit chiar în ceasul acela. Mateus 8:13

Versículos de hoje

Guarda a minha alma, e livra-me; não me deixes confundido, porquanto confio em ti. Salmos 25:20

Então disse Jesus ao centurião: Vai, e como creste te seja feito. E naquela mesma hora o seu criado sarou. Mateus 8:13

BUSCAR O SENHOR

BUSCAR O SENHOR
Leia:
Deuteronômio 4:25-31

25– E mesmo depois de muitos anos na terra de Canaã, quando vocês já estiverem velhos e tiverem filhos e netos, não cometam o erro de fazer ídolos. Para Deus isso é um pecado grave, e ele ficará irado com vocês. 26Chamo o céu e a terra como testemunhas contra vocês: se adorarem ídolos, vocês desaparecerão logo da terra que vai ser de vocês no outro lado do rio Jordão. Vocês viverão pouco tempo naquela terra e logo serão completamente destruídos. 27O Senhor Deus os espalhará pelas nações estrangeiras, onde poucos de vocês ficarão vivos. 28Naquelas nações vocês adorarão deuses feitos de madeira e de pedra, que não vêem, nem ouvem, não comem, nem cheiram. 29Lá vocês procurarão o Senhor, seu Deus, e o encontrarão, se o buscarem com todo o coração e com toda a alma. 30E, no futuro, quando estiverem em dificuldades, e tudo isso acontecer, então se vocês voltarem para o Senhor, nosso Deus, e obedecerem aos seus mandamentos, 31ele não os abandonará. Ele é Deus misericordioso e não os destruirá, nem esquecerá a aliança que fez com os nossos antepassados e que jurou cumprir.

E lá procurarão o SENHOR, o seu Deus, e o acharão, se o procurarem de todo o seu coração e de toda a sua alma… Deuteronômio 4:29

Quando sofreu um terrível acidente de carro, Konstantin jurou que se sobrevivesse dedicaria o resto da sua vida a Deus. Milagrosamente, ele não teve nenhum ferimento grave. Três anos se passaram. Hoje, Konstantin é honesto o suficiente para admitir que não cumpriu a sua promessa. Konstantin vive na Rússia, mas sua história é semelhante à de muitas pessoas de outros lugares. Todos nós conhecemos pessoas que fizeram uma promessa ao Senhor quando estavam em apuros. Mas as coisas melhoraram e elas se esqueceram da promessa. De fato, a Escritura Sagrada ensina que todos nós, em algum momento das nossas vidas, quebramos promessas.O Povo de Deus, Israel, tinha um padrão de relacionamento com Deus: rebelião contra Deus, que levava à expulsão da terra prometida; arrependimento, que levava à restauração. O povo de Deus passou por esse ciclo muitas e muitas vezes. No tempo certo, Deus revelou o caminho para sair do pecado e da rebelião por meio de Jesus Cristo, que trouxe perdão e vida a todos os que nele crerem. Se nos sentimos perdidos em nossa jornada de fé, se quebramos nossas promessas, é hora de buscar a Deus de coração. Ele nos perdoa e nos dá a oportunidade de começar tudo de novo.
Pense:

Deus exige exclusividade absoluta, pela simples razão de que Ele não tem concorrente.
Ore:
Pai, perdoa-nos porque fazemos a ti promessas que não cumprimos. Ensina-nos pelo teu Espírito Santo a sermos totalmente comprometidos contigo e guia-nos a cada dia. Em nome de Jesus. Amém.

Jesus voltou com os seus discípulos para a cidade de Nazaré, onde ele tinha morado

Marcos 6:1-13

Jesus em Nazaré
Mateus 13.53-58; Lucas 4.16-30
1Jesus voltou com os seus discípulos para a cidade de Nazaré, onde ele tinha morado. 2No sábado começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o estavam escutando ficaram admirados e perguntaram:
– De onde é que este homem consegue tudo isso? De onde vem a sabedoria dele? Como é que faz esses milagres? 3Por acaso ele não é o carpinteiro, filho de Maria? Não é irmão de Tiago, José, Judas e Simão? As suas irmãs não moram aqui?
Por isso ficaram desiludidos com ele. 4Mas Jesus disse:
– Um profeta é respeitado em toda parte, menos na sua terra, entre os seus parentes e na sua própria casa.
5Ele não pôde fazer milagres em Nazaré, a não ser curar alguns doentes, pondo as mãos sobre eles. 6E ficou admirado com a falta de fé que havia ali.
A missão dos doze discípulos
Mateus 10.5-15; Lucas 9.1-6
Jesus ensinava nos povoados que havia perto dali. 7Ele chamou os doze discípulos e os enviou dois a dois, dando-lhes autoridade para expulsar espíritos maus. 8Deu ordem para não levarem nada na viagem, somente uma bengala para se apoiar. Não deviam levar comida, nem sacola, nem dinheiro. 9Deviam calçar sandálias e não levar nem uma túnica a mais. 10Disse ainda:
– Quando vocês entrarem numa cidade, fiquem hospedados na casa em que forem recebidos até saírem daquela cidade. 11Mas, se em algum lugar as pessoas não quiserem recebê-los, nem ouvi-los, vão embora. E na saída sacudam o pó das suas sandálias, como sinal de protesto contra aquela gente.
12Então os discípulos foram e anunciaram que todos deviam se arrepender dos seus pecados. 13Eles expulsavam muitos demônios e curavam muitos doentes, pondo azeite na cabeça deles.

Para os habitantes de Nazaré, o Senhor Jesus era “o carpinteiro”. Por trinta anos Ele havia ocultado a Sua glória sob a humilde condição de um artesão interiorano. Tal humilhação é incompreensível para o homem natural, porque este é acostumado a julgar tudo segundo as aparências.

Se foi difícil que o testemunho do Senhor fosse recebido “na sua terra, entre os seus parentes, e na sua casa”, quanto mais difícil será para nós testemunhar onde somos conhecidos – com todos os nossos defeitos e com o nosso triste passado. Mas é também ali que os frutos de uma nova vida serão mais evidentes e constituirão a mais eficaz das pregações (Filipenses 2:15).

Tendo sido chamados no capítulo 3, versículos 13-19, os doze são agora enviados para apregoar o arrependimento. O Senhor “ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, exceto apenas um bordão”. A vida deles deve ser uma vida de fé. A cada instante receberão o que lhes é necessário tanto para o serviço como para as suas próprias necessidades. Se tivessem levado provisões, deixariam de ter preciosas experiências, ou até perderiam de vista o vínculo de dependência com o seu Mestre ausente. Mas, por outro lado, as sandálias lhes eram indispensáveis. Elas sugerem aquilo que Efésios 6:15 chama de “a preparação do evangelho da paz”. É isto que deve adornar o caminhar de cada crente, pois serve para confirmar a mensagem da graça que ele prega (compare Romanos 10:15).

Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho

Terça-feira 23 Outubro

Ouvi, ó céus, e presta ouvidos, tu, ó terra, porque fala o Senhor.

Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho  (Isaías 1:2; Hebreus 1:1).

NOSSO DEUS

Como criaturas com inteligência limitada, não podemos ter um conceito exato de Deus. Se um ser humano através de sua razão e sentidos quisesse fazer uma representação precisa de Deus, ele mesmo deveria ser Deus. No entanto, Deus tem falado em linguagem acessível à humanidade.

A criação revela Sua existência (Gênesis 1:1). Nela é mostrado o infinito poder e a sabedoria do Criador.

Ele falou por meio dos anjos e dos profetas (Atos 7:35; Gálatas 3:19).

Falou por Seu Filho. “A nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho”. Cristo é a revelação de Deus “manifesto em carne”.

Por fim, continua falando pela Bíblia, a Palavra escrita. Tudo o que podemos saber sobre Deus e sobre o Senhor Jesus está contido nesse livro.

A revelação de Deus tem essencialmente um caráter moral; se dirige à nossa consciência e coração em primeiro lugar, e depois à nossa inteligência. O Todo-poderoso se apresenta à nossa consciência como um Deus santo e justo, como o único e verdadeiro Deus, cujas exigências são absolutas e perfeitas. Julga o mal que há em nós. Ao nosso coração se revela como o Deus de amor que deu seu Filho, sobre quem despejou o juízo que nós merecíamos. Graças sejam dadas a Ele!

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Mas ao clarear da madrugada, estava Jesus na praia; todavia os discípulos não reconheceram que era ele. Perguntou-lhes Jesus: Filhos, tendes aí alguma cousa de comer? Responderam-lhe: Não

23 de Outubro

“Mas ao clarear da madrugada, estava Jesus na praia; todavia os discípulos não reconheceram que era ele. Perguntou-lhes Jesus: Filhos, tendes aí alguma cousa de comer? Responderam-lhe: Não.” João 21.4-5

Um sinal característico daqueles que estão no discipulado apenas exterior é que se deixam determinar por coisas e circunstâncias exteriores. Por isso seu cristianismo é feito de altos e baixos, às vezes, estão “nas nuvens”, outras vezes estão tristes de morrer. Embora Pedro estivesse fisicamente muito próximo do Senhor no primeiro discipulado, em seu coração ele era estranho a Jesus. Ele não tinha uma ligação interior verdadeira com o Senhor. Um dia o Senhor até teve que chamá-lo de “Satanás”. Porque faltava esta ligação do coração, mais tarde Pedro caiu tão profundamente que até negou ao Senhor. Suas oscilações e derrotas, o poder do inimigo em sua vida, têm sua origem no discipulado exterior. Você é um daqueles que tem que responder com um “não” à pergunta do Senhor se você tem algo para comer? Ao seu redor há pessoas que têm fome por salvação, pela vida eterna e pela paz com Deus. Você não pode lhes dar nada de comer por ter naufragado em seu discipulado exterior? Neste momento, o Senhor vem ao seu encontro a fim de o conclamar para um discipulado interior, frutífero!

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)